Banner Portal
Pensando sobre formação docente, subjetividade e experiência de si a partir da escrita de estudantes de Pedagogia
Remoto

Palavras-chave

Diário de bordo. Escrita. Formação docente. Experiência. Sexualidades

Como Citar

CASTRO, Roney Polato. Pensando sobre formação docente, subjetividade e experiência de si a partir da escrita de estudantes de Pedagogia. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 27, n. 1, p. 37–55, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8645897. Acesso em: 18 jun. 2024.

Resumo

O artigo discute as experiências de estudantes de um curso de Pedagogia em uma disciplina que trabalha com as temáticas das relações de gênero e sexualidades. O foco de análise são as produções das estudantes em textos denominados “diários de bordo”, que contêm narrativas escritas a partir das experiências vividas e do que foi pensado sobre as temáticas abordadas nas aulas. As análises dessas escritas tornaram visíveis as questões que as estudantes levantam sobre o exercício da docência, seus deslocamentos analíticos acerca de suas próprias subjetividades, os processos inventivos de produção de si e os estranhamentos sobre o saber de si e dos outros, além da própria escrita como atividade capaz de produzir outros modos de narrar-se a si mesmas

Abstract

This article discusses the experiences of Pedagogy students in a course on gender relations and sexuality. The analytical focus is the production of students in journals that contain written narratives on their lived experiences and on what was taught in class. The analysis of the students’ writings allowed us to identify their questions on the teaching, their analytical displacement regarding their own subjectivities, the inventive production of themselves, the estrangement about the knowledge of themselves and of others, as well as the actual writing as activity capable of producing other ways of narrating to themselves.

Keywords: logbook, writing, docent training, experience, sexualities

Remoto

Referências

Beauvoir, S. (1967). O segundo sexo. II – A experiencia vivida (2a ed., 500 pp.). São Paulo: Difusão Européia do Livro.

Foucault, M. (1990). Tecnologías del yo. In M. Foucault, Tecnologías del yo y otros textos afines (pp.45-94). Barcelona: Paidós Ibérica.

Foucault, M. (2006). Ditos & Escritos V. Ética, sexualidade, política (2a ed., 325 pp., Manoel Barros da Mota, org.). Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Foucault, M. (2009). Cómo nace um libro-experiencia. In M. Foucault, El yo minimalista e otras conversaciones (pp. 09-17). Buenos Aires: La Marca.

Gros, F. (2008). O cuidado de si em Michel Foucault. In M. Rago & A. Veiga-Neto (Orgs.), Figuras de Foucault (pp. 127-138). Belo Horizonte: Autêntica.

Larrosa, J. (2002). Tecnologias do eu e educação. In T. T. da Silva (Org.), O sujeito da educação: estudos foucaultianos (pp.35-86). Petrópolis, RJ: Vozes.

Larrosa, J. (2014). Tremores: escritos sobre experiência (C. Antunes & J. W. Geraldi, trads., 175 pp.). Belo Horizonte: Autêntica.

Louro, G. L. (2001). Pedagogias da sexualidade. In G. L. Louro (Org.), O corpo educado: pedagogias da sexualidade (2a ed., pp. 09-34). Belo Horizonte: Autêntica.

Marshall, J. D. (2008). Michel Foucault: pesquisa educacional como problematização.

In M. A. Peters, & T. Besley (Orgs.), Por que Foucault? Novas diretrizes para a pesquisa educacional (pp. 25-39). Porto Alegre: Artmed.

Meyer, D. E., & Soares, R. F. (2005). Modos de ver e de se movimentar pelos “caminhos” da pesquisa pós-estruturalista em Educação: o que podemos aprender com – e a partir de – um filme. In M. V. Costa, & M. I. E. Bujes (Orgs.), Caminhos investigativos III: riscos e possibilidades de pesquisar nas fronteiras (pp. 23-44).

Rio de Janeiro: DP&A.

Santos, L. H. S. dos. (2005). Sobre o etnógrafo-turista e seus modos de ver. In: M. V.

Costa, & M. I. E. Bujes (Orgs.), Caminhos investigativos III: riscos e possibilidades de pesquisar nas fronteiras (pp. 09-22). Rio de Janeiro: DP&A.

Silva, K. da. (2011). Currículo, gênero e identidade na formação de professores (195 pp.). Dissertação de Mestrado em Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, MG.

Silva, T. T. (2006). O currículo como fetiche – a poética e a política do texto curricular (117 pp.). Belo Horizonte: Autêntica.

Proposições utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.