Banner Portal
Notas sobre amizade e família: a vida como obra de arte no encontro com Antônia e as cinzas no jardim
Remoto

Palavras-chave

Amizade. Família. AIDS

Como Citar

CRUZ, Elizabete Franco. Notas sobre amizade e família: a vida como obra de arte no encontro com Antônia e as cinzas no jardim. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 27, n. 1, p. 73–89, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8645899. Acesso em: 18 jun. 2024.

Resumo

O artigo apresenta uma reflexão sobre amizade e família a partir do filme Excêntrica família de Antônia e do pedido feito por um participante de uma ONG AIDS antes de seu falecimento. Utilizando ferramentas conceituais de Michael Foucault e de autoras e autores que dialogam com a obra do autor, o texto interpela o lugar da diferença nas famílias e a centralidade da família como referência do contexto social. O debate sobre amizade remete à dimensão política do espaço público e à possibilidade de invenção de modos coletivos de vivência, levando a novas configurações da ética e da estética da existência dos indivíduos e da sociedade.

Abstract

The paper presents a discussion on friendship and family based on the movie Antonia’s Line and on the request made by a AIDS NGO participant before his death. Using conceptual tools of Michael Foucault and other authors who engage in conversations with his work, the text questions the place of difference in families and the centrality of family as reference of social context. The debate about friendship refers to the political dimension of public space and the possibility of inventing collective ways of living, leading to new configurations of ethics and aesthetics of existence of individuals and society.

Keywords: friendship, family, AIDS

Remoto

Referências

Acosta, A. R., & Vitale, M. A. F. (Org.). (2003). Família: laços, redes e políticas públicas.

São Paulo: IEE-PUCSP.

Ariès, P. (2003). História da morte no Ocidente. Rio de Janeiro: Ediouro.

Bromberg, M. H. P. F., Kovács, M. J., Carvalho, M. M. M. J., & Carvalho, V. A. (1996).

Vida e morte: laços da existência. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Cardoso Jr., H. R., & Naldinho, T. C. (2009, janeiro/abril). A amizade para Foucault: resistências criativas face ao biopoder. Fractal: Revista de Psicologia, 21(1), 43-56.

Carvalho, M. C. B. (Org.). (2002). A família contemporânea em debate. São Paulo: EDUC; Cortez.

Castro, E. (2009). Vocabulário de Foucault (I. M. Xavier, trad., A. Veiga-Neto, & W. O.

Kohan, rev.) Belo Horizonte: Autêntica.

Daniel, H. (1991). Vida antes da morte. Rio de Janeiro: Escritório e Tipografia Jaboti.

Elias, N. (2001). A solidão dos moribundos. Rio de Janeiro: Zahar.

Foucault, M. (1999). Em defesa da sociedade: curso no Collège de France. (M. E. Galvão, trad., 382 pp.). São Paulo: Martins Fontes.

Foucault, M. (2001). Outros espaços (conferência). In Foucault, M., Ditos e escritos III. Estética: literatura e pintura, música e cinema (M. B. da Motta, org. e sel. de textos, I. A. D. Barbosa, trad., pp. 411-422). Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Foucault, M. (2003). História da sexualidade 1: a vontade de saber (M. T. C. Albuquerque, & J. A. G. Albuquerque, trads., 15a ed., 152 pp.). Rio de Janeiro: Graal.

Foucault, M. (2004a). Da amizade como modo de vida (W. F. Nascimento, trad., entrevista de Michel Foucault a R. de Ceccaty, J. Danet, & J. le Bitoux, publicada no jornal Gai Pied, (25), abril de 1981, pp. 38-39). In Michel Foucault – por uma vida não fascista. Obra compilada pelo Coletivo Sabotagem.

Foucault, M. (2004b). Introdução à vida não fascista. Prefácio. In G. Deleuze, & F.

Guattari, Anti-Oedipus: capitalism and schizophrenia (W. F. do Nascimento, trad., pp. 11-14). New York: Viking Press, 1977. In Michel Foucault – por uma vida não fascista. Obra compilada pelo Coletivo Sabotagem.

Foucault, M. (2004c). A ética do cuidado de si como prática da liberdade. In M. Foucault, Ditos e escritos V. Ética, sexualidade, política (M. B. da Motta, org. e sel. de textos, E. Monteiro, I. A. D. Barbosa, trad., pp.264-287). Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Giacoia Jr, O. (2005). A visão da morte ao longo do tempo. Medicina, 38(1), 13-19 Gomes, L. G. N., & Silva Júnior, N. (2008, abril/junho). Implicações políticas da semântica familiarista nos discursos de amizade contemporâneos. Psicologia em Estudo, 13(2), 267-275.

Houaiss, A. (2015). Grande dicionário Houaiss da língua portuguesa. Retirado em 14 de abril de 2015, de http://houaiss.uol.com.br/ Kóvacs, M. J. (Coord.). (1992). Morte e desenvolvimento humano. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Kübler- Ross, E. (1998). Sobre a morte e o morrer. São Paulo: Martins Fontes.

Larrosa Bondía, J. (2002, janeiro/fevereiro/março/abril). Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Revista Brasileira de Educação, 19, 20-28.

Loponte, L. G. (2009, setembro/dezembro). Amizades: o doce sabor dos outros na docência. Cadernos de Pesquisa, 39(138), 919-938.

Meyer, D., Klein, K., & Fernandes, L. P. (2012, maio-agosto). Noções de família em políticas de ‘inclusão social’ no Brasil contemporâneo. Estudos Feministas, 20(2), 433-449.

Ortega, F. (1999). Amizade e estética da existência em Foucault. Rio de Janeiro: Graal.

Ortega, F. (2002). Genealogias da amizade. São Paulo: Iluminuras.

Ortega, F. (2009). Para uma política da amizade: Arendt, Derrida, Foucault. Rio de Janeiro: Sinergia; Relume Dumará.

Sarti, C. A. (2003). A família como espelho: um estudo sobre a moral dos pobres (2a ed. rev.) São Paulo: Cortez.

Sarti, C. A. (2004). A família como ordem simbólica. Psicologia USP, 15(3), 11-28.

Teixeira, P. R., Paiva, V., & Shimma, E. (2000). Tá difícil de engolir? Experiências de adesão ao tratamento anti-retroviral em São Paulo. São Paulo: Nepaids.

Trad, L. A. B. (2010). A família e suas mutações: subsídios ao campo da saúde. In Trad, L. A. B. (Org.), Família contemporânea e saúde – significados, práticas e políticas públicas. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ.

Proposições utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.