Banner Portal
Paulo Freire: educador-pensador da libertação
Remoto

Como Citar

COSTA, Bruno Botelho. Paulo Freire: educador-pensador da libertação. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 27, n. 1, p. 93–110, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8645900. Acesso em: 19 jun. 2024.

Resumo

O presente trabalho propõe um exame da fundamentação teórica humanista crítica do educador e pensador Paulo Freire, tomada como eixo orientador de sua perspectiva de libertação. Primeiramente foi feita uma contextualização da cena pessoal, histórica, política e filosófica que permeou o início de seu trabalho e sua opção por trabalhar com os setores marginalizados da sociedade brasileira. Em seguida, foram explicitados alguns conceitos-chave nos quais essa fundamentação teórica se sustenta e foram abordadas algumas questões para situar o papel do intelectual segundo Freire, tecendo considerações sobre o contexto educacional/social contemporâneo. Por fim, concluiu-se com media- ções que visam demonstrar como os elementos desenvolvidos nos levam de volta à noção de radicalidade da humanização, também fruto das reflexões de início do trabalho de Freire.

Abstract

The present work proposes an examination of the humanistic critical theoretical foundation of educator and thinker Paulo Freire, regarding it as a guideline of his view on liberation. The work begins by contextualizing the personal, historical, political and philosophical scene that characterized the beginning of Freire’s work and his choice to work with the marginalized sectors of Brazilian society. The second part delineates key concepts that support his theoretical approach. Next, questions regarding the roll intellectuals play according to Freire in educational/social contemporary contexts are brought into consideration. The articles concludes by demonstrating how elements developed in this article lead us back to Freire’s original notion of radicalness inside humanization, also a part of his first thoughts.

Keywords: Paulo Freire, conscientization, popular culture, humanization, liberation

Remoto

Referências

Brandão, C. (1985). A educação como cultura. São Paulo: Brasiliense. 195p.

Beisiegel. C. de R. (1974). Estado e educação popular: um estudo sobre a educação de adultos. São Paulo: Pioneira. 189p.

Beisiegel. C. de R. (1982). Política e educação popular: a teoria e a prática de Paulo Freire no Brasil. São Paulo: Ática. 304p.

Callado, A., & Arraes, M. (1965). Tempo de Arraes: padres e comunistas na revolução sem violência. Rio de Janeiro: Edições José Álvaro. 156p.

Chacon, V. (1977). Estado e povo no Brasil: as experiências do Estado Novo e da democracia populista: 1937-1964. Rio de Janeiro; Brasília: José Olympio, Câmara dos Deputados. 259p.

De Kadt. E. (2003). Católicos radicais no Brasil. (M. V. Rezende & M. V. Rezende, trads). João Pessoa: Ed. Universitária da UFPB. 412p.

Favero, O. (1983). Cultura popular e educação popular: memória dos nos 60. Graal: Rio de Janeiro. 283p.

Favero, O. (2006). Uma pedagogia da participação popular: análise da prática pedagógica do MEB, movimento de educação de base (1961-1966). Campinas: Autores Associados. 304 p.

Freire, P. (1975). Educação como prática de liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra. 148p.

Freire, P. (1987). Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra. 218p.

Freire, P. (2006). Pedagogia da esperança. Rio de Janeiro: Paz e Terra. 245p.

Freire, P. (2011b). Pedagogy of the oppressed. (M. B. Ramos, trad.). New York: Continuum Press.

Freire, P., & Macedo, D. (2011). Alfabetização: leitura do mundo, leitura da palavra.

São Paulo: Paz e Terra. 270p.

Giroux, H. (1997). Os professores como intelectuais. Porto Alegre: Artes Médicas.

p.

Ianni, O. (1994). O colapso do populismo no Brasil. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira.

p.

Maciel, J. (1983). Fundamentação teórica do Sistema Paulo Freire de Educação. In O.

Favero. Cultura popular e educação popular: memória dos nos 60 (pp.127-145).

Graal: Rio de Janeiro. 283p.

Paiva, V. (1980). Paulo Freire e o nacionalismo-desenvolvimentista. Rio de Janeiro; Fortaleza: Civilização Brasileira: UFC. 208p.

Scocuglia, A. C. (2001). Histórias inéditas da educação popular, do Sistema Paulo Freire aos IPM’s da ditadura. João Pessoa; São Paulo: Editora Universitária da UFPB: Cortez. 205p.

Spigolon, N. (2009). Pedagogia da convivência: Elza Freire – uma vida que faz educação.

p. Dissertação de Mestrado em Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

Torres, C. (1997). Pedagogia da luta: da pedagogia do oprimido à escola pública popular. Campinas: Papirus. 197p.

Torres, C. (2014). First Freire: early writings in social justice. New York: Teachers College Press.

Veras, D. (2012). Sociabilidades letradas no Recife: a revista Estudos Universitários (1962-1964). Recife: Editora Universitária da UFPE. 265p.

Vieira Pinto, A. (1959). Ideologia e desenvolvimento nacional. Rio de Janeiro: Instituto Superior de Estudos Brasileiros. 53p.

Weffort, F. (1975). Educação e política: reflexões sociológicas sobre uma pedagogia da liberdade. In P. Freire. Educação como prática de liberdade (pp. 7-17). Rio de Janeiro: Paz e Terra. 148p.

Proposições utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.