Banner Portal
Paulo Freire: da denúncia da educação bancária ao anúncio de uma pedagogia libertadora
Remoto

Como Citar

BRIGHENTE, Miriam Furlan. Paulo Freire: da denúncia da educação bancária ao anúncio de uma pedagogia libertadora. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 27, n. 1, p. 155–177, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8645903. Acesso em: 20 jun. 2024.

Resumo

Este artigo procura identificar o sentido da denúncia da educa- ção bancária, realizada por Paulo Freire, e apontar suas implica- ções para o anúncio de uma educação libertadora sobre o corpo dos educadores. A partir das obras do educador, busca-se discutir, num primeiro momento, a denúncia da educação bancária, e, num segundo momento, o anúncio de uma pedagogia libertadora freireana: problematizadora e conscientizadora. Para a aná- lise interpretativa dos dados, lançou-se mão da hermenêutica como metodologia de pesquisa em Educação. Como resultado, verificou-se que, quando Freire faz o anúncio de uma pedagogia libertadora, ele não está apenas propondo outra realidade possível, mas, também, está fazendo a denúncia de uma educação opressora, vista como uma negação do corpo na prática pedagó- gica. Por fim, uma educação libertadora só se efetivará quando o educador/educando oprimido se conscientizar, reconhecendo o opressor hospedado no seu corpo. Será o educador/educando livre, portanto, a partir da práxis e da humanização de si e dos outros.

Abstract

In this paper, we aim to identify the meaning of the denunciation in the banking education, idealized by Paulo Freire, as well as to point out the implications of a liberating education for the the education of educators. First, the article discusses the denunciation of banking education, as it appears in his work entitled Pedagogy of the Oppressed (2005) and also in his books Pedagogy of Indignation (2000) and Education and Actuality Brazilian (2003). Secondly, this paper discusses the announcement of a liberating pedagogy idealized by Paulo Freire: problematization and critical consciousness, based on theoretical arguments of Paulo Freire, approached in Awareness (2001b), Cultural Action for Freedom (2002a) and Education as the Practice of Freedom (2009). Using hermeneutic as a research methodology, we showthat, when Freire makes the announcement of a liberating pedagogy, he is not only proposing another possible reality, but also he is making the denunciation of an oppressing education, seen as a denial of the body in the pedagogical practice. Finally, a liberating education only will become effective when the oppressed educator-educating become aware, recognizing that the oppressor is been hosted into your own body. They will be free, therefore, from the praxis and their self-humanization and others.

Keywords: banking education, denial of body, liberating pedagogy, educators education

Remoto

Referências

Almeida, D. D. M. de. (2008, jan./jun.). Corpo e pedagogia em Paulo Freire: uma conversa inicial com Moacir Gadotti. Revista educação e linguagem, 11(17).

Andreola, B. (2000). Os pressupostos teórico-filosóficos do pensamento de Paulo Freire: o projeto político-pedagógico formulado na pedagogia libertadora. In S.

Ventorim, M. F. C. Pires, & M. C. de Oliveira (Orgs.), Paulo Freire: a práxis político -pedagógica do educador. Vitória: Editora EDUFES.

Dowbor, F.F. (2008). Quem educa marca o corpo do outro. S. L. de Carvalho, & D. A.

Luppi (Orgs.). São Paulo: Cortez.

Dussel, E. (1980). Liberación de la mujer y erótica latinoamericana. Bogotá: Editorial Nueva América.

Foucault, M. (2009). Vigiar e punir: nascimento da prisão. Rio de Janeiro: Vozes.

Foucault, M. (2010). Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Edições Graal.

Freire, A. M. A. (2001). Analfabetismo no Brasil: da ideologia da interdição do corpo à ideologia nacionalista, ou de como deixar sem ler e escrever desde as Catarinas (Paraguaçu), Filipas, Madalenas, Anas, Genebras, Apolônias e Grácias até os Severinos.

São Paulo: Cortez.

Freire, P. (1992, jan./fev./mar.). Memória: Entrevista Paulo Freire. Entrevista concedida a Mario Sérgio Cortella e Paulo de Tarso Venceslau. Teoria e debate, Fundação Perseu Abramo, (17). Retirado em 28 de agosto de 2010, de <http://www2.fpa.

org.br/o-que-fazemos/editora/teoria-e-debate/edicoes-anteriores/memoria-entrevista-paulo-freire>.

Freire, P. (2000). Pedagogia da indignação: cartas pedagógicas e outros escritos.

São Paulo: Editora UNESP, 2000.

Freire, P. (2001a). Professora sim, tia não: cartas a quem ousa ensinar. São Paulo: Olho d’água.

Freire, P. (2001b). Conscientização: teoria e prática da libertação: uma introdução ao pensamento de Paulo Freire. São Paulo: Centauro.

Freire, P. (2002a). Ação cultural para a liberdade. São Paulo: Paz e Terra.

Freire, P. (2002b). Pedagogia da autonomia. São Paulo: Paz e Terra.

Freire, P. (2003). Educação e atualidade brasileira. São Paulo: Cortez, Instituto Paulo Freire.

Freire, P. (2004). Entrevista com Paulo Freire: a educação neste fim de século. In M.

Gadotti, Convite à leitura de Paulo Freire. São Paulo: Scipione.

Freire, P. (2005). Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Freire, P. (2009). Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Freire, P., & Faundez, A. (1985). Por uma pedagogia da pergunta. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Gadamer, H.G. (1999). Verdade e método. Petrópolis: Vozes.

Gadotti, M. (2004). Convite à leitura de Paulo Freire. São Paulo: Scipione.

Merleau-Ponty, M. (1994). Fenomenologia da percepção. São Paulo: Martins Fontes.

Mesquida, P. (2012). Metafísica e educação ou a formação de papagaios. Curitiba: Pucpr (texto de circulação interna).

Nóbrega, T. P. da. (2007). Merleau-Ponty: o corpo, o filósofo e o mundo de toda a gente! In Anais do XV Congresso Brasileiro de Ciências do Esporte, II Congresso Internacional de Ciências do Esporte – CONICE, Recife, PE. Retirado em 26 de setembro de 2011, de <http://www.cbce.org.br/cd/resumos/129.pdf> Pestalozzi, J. H. (2009). Écrits sur la méthode. Vl. III. Le Mont Sur Lausanne: Ed. Loisirs et Pédagogie.

Plutarchius, L. M. (1844). Oeuvres morales. Paris: Lefreuvre Éditions.

Ricoeur, P. (1988). Interpretação e ideologias. Rio de Janeiro: Francisco Alves.

Proposições utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.