Banner Portal
Filosofia e interdisciplinaridade
PDF
Remoto

Palavras-chave

Filosofia. Formação. Especialização. Interdisciplinaridade.

Como Citar

LIMA, Márcio José Silveira. Filosofia e interdisciplinaridade. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 28, n. 1, p. 125–140, 2017. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8649183. Acesso em: 27 maio. 2024.

Resumo

Este texto pretende discutir alguns aspectos da interdisciplinaridade, tendo como fio condutor duas ideias centrais: primeiro, a importância do tema para os debates em torno da construção e da transmissão do conhecimento; segundo, a delimitação do campo de reflexão em que a contraposição à especialização ganha especial destaque. A intenção é questionar se a crítica à especialização não é contemporânea da própria consolidação do trabalho disciplinar e dos especialistas; e se essa crítica não teria aberto o caminho para os debates sobre a interdisciplinaridade. Nesse caso, escolheram-se três filósofos que parecem corroborar esse ponto de vista: Ortega y Gasset, Nietzsche e Adorno. Nos três casos, pode-se perceber a defesa da necessidade de abertura para um conhecimento mais amplo. Por fim, esboçam-se alguns pontos relevantes sobre a filosofia como uma disciplina e sobre o lugar que a crítica à especialização ocupa em sua reflexão, e conjectura-se sobre a abertura para o trabalho interdisciplinar.
PDF
Remoto

Referências

Adorno, T. (2003). A filosofia e os professores. In A. Theodor, Educação e emancipação (pp. 51-74). São Paulo: Paz e terra.

Bertalanffy, L. (1969). General system theory – foundations, development, applications. Nova Iorque: George Braziller.

Descartes, R. (1973). Discurso do método. In R. Descartes, Obras escolhidas. São Paulo: DIFEL.

Descartes, R. (2007). Regras para a orientação do espírito. São Paulo: Martins Fontes.

Fazenda, I. (2011). Integração e interdisciplinaridade no ensino brasileiro. São Paulo: Loyola.

Gusdorf, G. (1995, abril/junho). Passado, presente, futuro da pesquisa interdisciplinar. Tempo Brasileiro, 121, 7-27.

Kuhn, T. (2001). A estrutura das revoluções científicas. São Paulo: Perspectiva.

Morin, E. (1999). Os desafios da complexidade. In E. Morin (Org.), A religação dos saberes (pp. 559-567). Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Nietzsche, F. (1992). Além do bem e do mal. São Paulo: Companhia das Letras.

Nietzsche, F. (1998). Genealogia da moral. São Paulo: Companhia das Letras.

Nietzsche, F. (2003). Sämtliche Briefe. Kritische Studienausgabe. Berlin/München: De Gruyter/dtv, (Band 3).

Ortega y Gasset, J. (1966). La rebelión de las das masas. In J. Ortega y Gasset, Obras Completas (vol. 4). Madri: Revista do Ocidente.

Piaget, J. (1970). Problèmes généraux de la recherche interdisciplinaire et mécanismes communs. In J. Piaget, Epistémologie des sciences de l’homme (pp. 251-377). Paris: Gallimard.

Pombo, O. (2004). Interdisciplinaridade: ambições e limites. Lisboa: Relógio D’Água.

Sloterdijk, P. (1989). Thinker on stage. Nietzsche´s materialism. Minnesota: University of Minnesota Press.

Wilamowitz-Möllendorff, U. (2005). Filologia do futuro, primeira parte. In R. Machado (Org.), Nietzsche e a polêmica sobre O Nascimento da Tragédia (pp. 55-78). Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Proposições utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.