Políticas públicas de Ação Afirmativa para indígenas na Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul: a visão dos implementadores

  • Erika Kaneta Ferri Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul
  • Maria Helena Salgado Bagnato Universidade Estadual de Campinas
Palavras-chave: Ação afirmativa. Povos indígenas. Educação superior.

Resumo

Analisou-se a implementação de políticas públicas de Ação Afirmativa para indígenas na Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul, com base em entrevistas com pró-reitores, comissão de acompanhamento dos cotistas e coordenadores de cursos. Constatou-se que, dos 856 indígenas ingressantes de 2004 a 2014, apenas 10,86% se formaram, fato que pode estar associado a situações vivenciadas de preconceitos, dificuldades com a língua e barreiras culturais. Ao relatar casos de intolerância/resistência, além de parcas ações que abordam a diversidade e Ações Afirmativas, os implementadores reconhecem a formação como elitista. No entanto, afirmam que, embora pontuais, tais ações abrangem monitorias, atividades em grupo, disciplinas optativas, criação de um centro de estudos e implementação do projeto de extensão Rede de Saberes. Conclui-se que ainda são necessários avanços, bem como mecanismos que garantam a inclusão e um aparato que assegure condições mínimas de permanência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Erika Kaneta Ferri, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul
Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul - UEMS, Campo Grande, MS, Brasil.
Maria Helena Salgado Bagnato, Universidade Estadual de Campinas
Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP, Campinas, SP, Brasil.

Referências

Apple, M. W. (2006). Ideologia e currículo (3a ed., V. Figueira, trad.). Porto Alegre: Artmed.

Athayde, F. L. O. (2010). Ações Afirmativas, cotas e a inserção de acadêmicos indígenas na Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS). Dissertação de Mestrado, Universidade Católica Dom Bosco, Campo Grande, MS, Brasil.

Aylwin, J. (2009). Os direitos dos povos indígenas em Mato Grosso do Sul, Brasil: confinamento e tutela no século XXI (Informe 3, International Work Group for Indigenous Affairs). São Paulo: IWGIA.

Berman, P. (1993). El estúdio de la macro e micro implementación. In L. F. Aguilar Villanueva, Antologías de la política pública (pp. 281-321). México: Miguel Angel Porrúa.

Bhabha, H. (2007). O local da cultura (4a ed.). Belo Horizonte: UFMG.

Bittar, M., Rodríguez, M. V., & Almeida, C. E. M. (2006) Educação superior em Mato Grosso do Sul: 1991-2004. In D. Ristoff, & J. Giolo (Ed.), Educação superior brasileira 1991-2004: Mato Grosso do Sul (p.402). Brasília: INEP.

Bourdieu, P. (1997). A miséria humana (2a ed.). Petrópolis: Vozes.

Brand, A. J., & Calderoni, V. A. M. de O. (2012). Povos indígenas e formação acadêmica: ambivalências e desafios. Currículo sem Fronteiras, 12(1), 85-97. Recuperado em 12 de junho de 2015, de http://www.curriculosemfronteiras.org/vol12iss1articles/brandcalderoni.pdf

Brostolin, M. R., & Cruz, S. F. (2010). Educação e sustentabilidade: o porvir dos povos indígenas no ensino superior em Mato Grosso do Sul. Interações, 11(1), 33-42. doi: 10.1590/S1518-70122010000100004.

Cordeiro, M. J. de J. A. (2008). Negros e indígenas cotistas da Universidade Estadual do Mato Grosso do Sul: desempenho acadêmico do ingresso à conclusão de curso. Tese de Doutorado em Educação, Pontifícia Universidade Católica, São Paulo.

Cordeiro, M. J. de J. A., & Zarpelon, S. (2011). Indígenas cotistas da UEMS: acesso, permanência e evasão dos primeiros ingressantes em 2004. Educação e Fronteiras on-line, 1(1), 65-79.

Couto, R. (2009, setembro 13). Evasão indígena. Correio Braziliense, p. 15.

Dayrell, J. (1996). A escola como espaço sociocultural. In J. Dayrell (Org.), Múltiplos olhares sobre educação e cultura (pp.136-161). Belo Horizonte: UFMG.

Elmore, R. F. (1996). Diseño retrospectivo: la investigación de la implementación y las decisiones políticas. In L. F. Aguilar Villanueva, Antologías de la política pública (pp. 251- 280). México: Miguel Angel Porrúa.

Giroux, H. (1997). Os professores como intelectuais: rumo a uma pedagogia crítica da aprendizagem. Porto Alegre: Artes Médicas.

Gusmão, N. M. de. (2003). Os desafios da diversidade na escola. In N. M. de Gusmão (Org.), Diversidade, cultura e educação: olhares cruzados (pp. 83-115). São Paulo: Biruta.

Lázaro, A. (2013). Prefácio: a questão indígena. In A. H. Aguilera Urquiza, & A. C. Nascimento (2013), Rede de saberes: políticas de ação afirmativa no ensino superior para indígenas no Mato Grosso do Sul (pp. 9-23). Rio de Janeiro: FLACSO, GEA; UERJ, LPP.

Lima, A. C. de S. (2007). Ensino superior para indígenas: sobre cotas e algo mais. Seminário Formação Jurídica e Povos Indígenas: desafios para a educação superior. Belém: Laced.

Luciano, G. de S. (2006). O índio brasileiro: o que você precisa saber sobre os povos indígenas no Brasil de hoje. Brasília: Ministério da Educação.

Lynch, K., Crean, M., & Moran, M. (2013). Igualdade e justiça social. In M. W. Apple, S. J. Ball, & L. A. Gandin (Orgs.), Sociologia da educação: análise internacional (pp. 324-357, C. Monteiro, trad.). Porto Alegre: Penso.

Moehlecke, S. (2002). Ação Afirmativa: história e debates no Brasil. Cadernos de Pesquisa, 117, 197-217. Recuperado em 08 de novembro de 2015, http://www.scielo.br/pdf/cp/n117/15559.pdf

Molina, R. K., Lopes, R. A., & Achilles, H. S. (2011). Impactos das políticas educacionais nas dinâmicas da organização escolar: reflexões na perspectiva do professorado de uma rede municipal. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, 19(73), 921-940. doi: 10.1590/S0104-40362011000500010.

Paz, A. A. M. Á. (2013). Indianizar para descolonizar a universidade: itinerâncias, políticas, éticas e epistemológicas com os estudantes indígenas da universidade de Brasília. Tese de Doutorado, Faculdade de Educação, Universidade de Brasília.

Programa Rede de Saberes (2009). Relatórios do Levantamento dos Acadêmicos Indígenas nas IES de MS. Campo Grande: UCDB.

Rohrbach-Viadas, C. (1998). Introducción a la teoría de los cuidados culturales enfermeros de la diversidad y de la universalidad de Madeleine Leininger. Cultura de los Cuidados, 41, 41-45.

Santos, B. de S. (2009). Para um novo senso comum: a ciência, o direito e a política na transição paradigmática (7a ed., Vol. 1). São Paulo: Cortez.

Santos, B. de S. (2010). A universidade no século XXI: para uma reforma democrática e emancipatória da universidade (3a ed.). São Paulo: Cortez.

SESAI – Secretaria Especial de Atenção à Saúde Indígena (2012). Dados epidemiológicos: Campo Grande: Distrito Sanitário Especial Indígena de Mato Grosso do Sul. Campo Grande: SESAI.

Silva, G. J. da, & Souza, J. L. de (2008). Educar para a diversidade étnico-racial e cultural: desafios da educação inclusiva no Brasil. Inter-Ação, 33(1), 169-192.

Silva, T. T., Hall, S., & Woodward, K. (2011). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais (10a ed.). Rio de Janeiro: Vozes.

UEMS – Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul. (2013). Divisão de Planejamento e Avaliação Institucional. Pró-Reitoria de Administração e Planejamento. Relatório anual de atividades físico-financeiras. Dourados: UEMS. Disponível em http://www.uems.br

UEMS – Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul. (2014). Plano de Desenvolvimento Institucional PDI 2014-2018. Dourados: UEMS.

Urquiza, A. H. A., Nascimento, A. C., & Espíndola, M. A. J. (2011). Jovens indígenas e o ensino superior em Mato Grosso do Sul: desafios e perspectivas na busca por autonomia e respeito à diversidade.

Tellus, 11(20), 79-97. Van Meter, D. S., & Van Horn, C. E. V. (1996). La implementación de las políticas. In L. F. Aguilar Villanueva, Antologías de la política pública (pp. 15-84). México: Miguel Angel Porrúa.

Veiga, J., & D’Angelis, W. da R. (2010). Educação egocentrada X educação sociocentrada. Educere et Educare, 5(9), 63-71.

Woodward, K. (2009). Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In T. T. Silva (Org.), Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais (6a ed., pp. 7-72). Petrópolis: Vozes.

Publicado
2018-04-02
Como Citar
Ferri, E. K., & Bagnato, M. H. S. (2018). Políticas públicas de Ação Afirmativa para indígenas na Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul: a visão dos implementadores. Pro-Posições, 29(1), 54-82. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8652054
Seção
Dossiê

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)