Consultoria colaborativa a distância em tecnologia assistiva para professoras

planejamento, implementação e avaliação de um caso

Palavras-chave: Educação especial, Tecnologia assistiva, Ambiente virtual de aprendizagem, Paralisia cerebral

Resumo

O objetivo desta pesquisa foi planejar, implementar e avaliar um serviço de consultoria colaborativa a distância em Tecnologia Assistiva (TA), para uma dupla de professoras. O estudo desenvolvido na abordagem qualitativa foi do tipo estudo de caso. Participaram também três consultoras da área de TA. Os dados foram coletados por meio de atividades realizadas em um ambiente virtual de aprendizagem e de questionários. Inicialmente, foi identificada a demanda por conhecimentos de TA das professoras. Em seguida, as professoras escolheram um caso de um estudante com paralisia cerebral para receber um suporte das consultoras. Por fim, ocorreu a avaliação do serviço. Os dados foram tratados através da análise de conteúdo. Os resultados indicaram ser possível identificar as demandas das professoras em relação a TA, bem como planejar e implementar ações de consultoria colaborativa a distância. A contribuição desta investigação consiste em indicar mais uma possibilidade de serviço de apoio à escola.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

David dos Santos Calheiros , Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas

Doutor e Mestre em Educação Especial, com formação na Universidade Federal de São Carlos.

Enicéia Gonçalves Mendes, Universidade Federal de São Carlos

Doutorado em Psicologia pelo IP-USP (1995), Mestrado em Educação Especial na UFSCar, Graduação em Psicologia na FCLRP-USP.

Gerusa Ferreira Lourenço , Universidade Federal de São Carlos

Doutora em Educação Especial pela Universidade Federal de São Carlos.

Adriana Garcia Gonçalves , Universidade Federal de São Carlos

Doutorado em Educação pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2010). Atualmente é docente da Universidade Federal de São Carlos - UFSCar. 

Mariana Gurian Manzini, Universidade Federal de São Carlos

Pós-doutorado em Terapia Ocupacional pela UFSCar (2019). 

Referências

André, M. E. D. A. (1984). Estudo de caso: seu potencial na educação. Cadernos de Pesquisa, 49, 51-54.

Araújo, E. A. C. (2004). Parceria família-profissional em educação especial: promovendo habilidades de comunicação efetiva. In E. G. Mendes, M. A. Almeida, & L. C. A. Williams (Orgs.), Avanços recentes em Educação Especial (pp. 175-178). São Carlos: EDUFSCar.

Araújo, S. L. S., & Almeida, M. A. (2014). Contribuições da consultoria colaborativa para a inclusão de pessoas com deficiência intelectual. Revista Educação Especial, 27(49), 341352.

Assis, C.P. (2103). Avaliação de um Programa em Consultoria Colaborativa na escola para graduandos em Terapia Ocupacional. Tese de Doutorado, Universidade Federal de São Carlos, UFSCar, São Carlos.

Baleotti, L. R., & Zafani, M. D. (2017). Terapia ocupacional e tecnologia assistiva: reflexões sobre a experiência em consultoria colaborativa escolar. Cadernos Brasileiros de Terapia Ocupacional, 25(2), 409-416.

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70.

Biaggio, A. M. B. (1998). Psicologia do desenvolvimento. Petrópolis: Vozes.

Brasil (2013). Viver sem Limites: Plano Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência. Recuperado em 23 junho de 2014, de http://www.pessoacomdeficiencia.gov.br/app/sites/default/files/arquivos/%5Bfi eld_generico_imagens-filefield-description%5D_0.pdf.

Calheiros, D. S., & Mendes, E. G. (2016). Consultoria colaborativa a distância em tecnologia assistiva para professores. Cadernos de Pesquisa, 46(162), 1100-1123.

Calheiros, D. S., Mendes, E. G., & Mendonza, B. A. P. (2016). Desenvolvimento de um ambiente virtual de aprendizagem para apoiar o uso da tecnologia assistiva por professores. Revista Teias, 17 (edição especial), 225-239.

Cook, A. M., & Polgar, J. M. (2014). Assistivies technologies: principles and practice. St Louis: Mosby.

Correia, D. S. M. L. (2013). A percepção dos docentes da educação regular e da educação especial sobre a sua prática colaborativa inclusiva, na educação pré-escolar e no ensino básico. Dissertação de Mestrado, Escola Superior de Educação João de Deus, Lisboa, Portugal.

Deliberato, D. (2011). Sistemas suplementares e alternativos de comunicação nas habilidades expressivas de um aluno com paralisia cerebral. Revista Brasileira de Educação Especial, 17(2), 225-244.

Dounis, A. (2013). Atividade docente e inclusão: as mediações produzidas pela Consultoria Colaborativa. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Alagoas, Maceió, Brasil.

Galvão Filho, T. (2011). Favorecendo práticas pedagógicas inclusivas por meio da Tecnologia Assistiva. In L. R. O. P. Nunes, M. B. Pelosi, & C. C. F. Walter (Orgs.), Compartilhando experiências: ampliando a comunicação alternativa (pp. 71-82). Marília: ABPEE.

Hummel, E. I. (2012). Formação de professores das salas de recursos multifuncionais para o uso da tecnologia assistiva. Tese de Doutorado, Universidade Estadual Paulista, Marília, Brasil.

Idol, L., Newin, A., & Paolucci-Whitcomb, P. (2000). Collaborative consultation. Texas: Pro-Ed.

Kampwirth, T. J. (2003). Collaborative consultation in the schools: effective practices for students with learning and behavior problems. New Jersey: Pearson Education.

Lourenço, G. F. (2012). Avaliação de um programa de formação sobre recursos de alta- tecnologia assistiva e escolarização. Tese de Doutorado, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, Brasil.

Lüdke, M., & André, M. E. D. A. (1986). Abordagens qualitativas de pesquisa: a pesquisa etnográfica e o estudo de caso. In M. Lüdke, & M. E. D. A André, Pesquisa em educação: abordagens qualitativas (Cap. 2, pp. 11-24). São Paulo: EPU.

Manzini, E. J. (2011). Formação de professores e tecnologia assistiva. In K. R. M. Caiado, D. M. Jesus, & C. R. Baptista (Orgs.), Professores e educação especial: formação em foco (p.45-63). Porto Alegre: Mediação.

Manzini, E. J., & Deliberato, D. (2007). Equipamento e material pedagógico especial para educação, capacitação e recreação da pessoa com deficiência física: recursos pedagógicos II. Brasília: Brasília: MEC/Secretaria de Educação Especial.

Manzini, M. G., Martinez, C. M. S., Lourenço, G. F., & Brito, B. (2017). Formação de interlocutores de uma criança com paralisia cerebral para o uso da comunicação alternativa. Cadernos Brasileiros de Terapia Ocupacional, 25(3), 553-564.

Mendes, E. G., Almeida, M. A., & Toyoda, C. Y. (2011). Inclusão escolar pela via da colaboração entre educação especial e educação regular. Educar em Revista, 41(2), 80-93.

Mendes, E. G., & Lourenço G. F. (2012). Recursos computadorizados de tecnologia assistiva para estudantes com paralisia cerebral em múltiplos contextos. In E. G. Mendes, & M. A. Almeida, Dimensões pedagógicas nas práticas de inclusão escolar (pp. 421-444). Marília: ABPEE.

Omote, S. (2003). A deficiência e a família. In M. C Marquezine, & M. A. Almeida (Org.), O papel da família junto ao portador de necessidades especiais (pp. 15-18). Londrina: Eduel.

Pelosi, M. B. (2008). Inclusão e Tecnologia Assistiva. Tese de Doutorado, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil.

Pelosi, M. B., & Nunes, L. R. D. P. (2011). A ação conjunta dos profissionais da saúde e da educação na escola inclusiva. Revista de Terapia Ocupacional da Universidade de São Paulo, 22(1), 52-59.

Pena, F. F., Rosolém, F. C., & Alpino, A. M. S. (2008). Contribuição da Fisioterapia para o bem-estar e a participação de dois alunos com Distrofia Muscular de Duchenne no ensino regular. Revista Brasileira de Educação Especial, 14(3), 447-462.

Pereira, V. A. (2009). Consultoria colaborativa na escola: contribuições da psicologia para inclusão escolar do aluno surdo. Tese de Doutorado, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, Brasil.

Peres, A. (2009). A importância da comunicação suplementar e alternativa no processo de reabilitação de crianças e adultos. In III Congresso Brasileiro de Comunicação Alternativa. São Paulo, Brasil.

Piaget, J. (1990). Epistemologia genética. São Paulo: Martins Fontes.

Rocha, A. N. D. C. (2013). Recursos e estratégias da tecnologia assistiva a partir do ensino colaborativo entre os profissionais da saúde e da educação. Tese de Doutorado, Universidade Estadual Paulista, Marília, Brasil.

Rocha, A. N. D. C., Deliberato, D., & Araújo, R. C. T. (2015). Procedimentos para a prescrição dos recursos de tecnologia assistiva para alunos da educação infantil com paralisia cerebral. Revista de Educação Especial, 28(53), 691-707.

Sameshima, F. S., & Deliberato, D., (2007). Habilidades comunicativas utilizadas por um grupo de alunos não falantes durante atividade de jogo. In L. R. O. P. Nunes, M. B. Pelosi, & M. R. Gomes (Orgs.), Um retrato da comunicação alternativa no Brasil: Relatos de pesquisas e experiências (pp. p.118-122). Rio de Janeiro: 4 Pontos estúdio gráfico e papéis.

Sampieri, R. H., Collado, C. F., & Lucio, M. P. B. (2006). Metodologia de pesquisa. São Paulo: McGraw-Hill.

Sankako, A. N. (2013). Tecnologia assistiva das salas de recursos multifuncionais: avaliação de dispositivos para adequação postural. Tese de Doutorado, Universidade Estadual Paulista, Marília, Brasil.

Silva, A. M. (2010). Psicologia e inclusão escolar: novas possibilidades de intervir preventivamente sobre problemas comportamentais. Tese de Doutorado, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, Brasil.

Silva, C. R. B. (2007). A formação do fonoaudiólogo: desafios e perspectivas para a educação inclusiva. Dissertação de Mestrado, Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Campinas, Brasil.

U.S. Government. Public Law 108-364, 25 Oct. 2004. Assistive Technology Act of 2004.108th Congress.U.S. Government Publishing Office, Washington, DC, 25 Oct. 2004. Recuperado em 23 de junho de 2014, de https://www.gpo.gov/fdsys/pkg/STATUTE-118/pdf/STATUTE-118-Pg1707.pdf.

Vilaronga, C. A. R., Mendes, E. G., & Zerbato, A. P. (2016). O trabalho em colaboração para o apoio à inclusão escolar: da teoria à prática docente. Interfaces da Educação, 7(19), 6687.

Decreto BR n.º 7.611, de 17 de novembro de 2011. (2011). Dispõe sobre a educação especial, o atendimento educacional especializado e dá outras providências. Recuperado em 22 de junho de 2014, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato20112014/2011/Decreto/D7611.htm.

Resolução BR n.º 466, de 12 de dezembro de 2012. (2012). Trata de pesquisas em seres humanos e atualiza a resolução 196. Recuperado em 23 de junho de 2014, de http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf.
Publicado
2019-09-04
Como Citar
Calheiros , D. dos S., Mendes, E. G., Lourenço , G. F., Gonçalves , A. G., & Manzini, M. G. (2019). Consultoria colaborativa a distância em tecnologia assistiva para professoras. Pro-Posições, 30, 1-30. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8656498
Seção
Artigos