Níveis de ansiedade e depressão entre professores do Ensino Infantil e Fundamental

Palavras-chave: Saúde mental, Professores, Ansiedade, Depressão

Resumo

O magistério tem se constituído atualmente numa profissão produtora de adoecimento. Considerando esse aspecto, este artigo propõe verificar o nível de ansiedade e de depressão dos professores e a sua possível associação com o grau de satisfação no trabalho e os fatores factuais, como idade, escolaridade e religiosidade. Para tal, foram questionados 105 profissionais que ministravam aulas no Ensino Infantil e Fundamental públicos de uma cidade paulista. Por intermédio das Escalas Beck (depressão e ansiedade) e do questionário sobre dados factuais e satisfação com o trabalho, identificou-se que cerca de 50,0% dos sujeitos apresentaram níveis de ansiedade e/ou depressão prejudiciais ao ato educativo. Foi possível concluir, assim, que é necessária a criação de políticas educacionais que levem em consideração a saúde mental dos docentes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rodney Querino Ferreira da Costa , Faculdade Anhanguera

Mestre em Psicologia (2017) e graduado em Psicologia (2007) pela Unesp - Universidade Estadual Paulista.

Nelson Pedro da Silva, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho

Doutorado em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano pela Universidade de São Paulo (2002).

Referências

Baldaçara, L., Silva, A. F., Castro, J. G. D., & Santos, G. C. A. (2015). Common psychiatric symptoms among public school teachers in Palmas, Tocantins, Brazil. An observational cross-sectional study. São Paulo Medical Journal, 133(5), 435-438. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1516-3180.2014.8242810.

Batista, J. B. V., Carloto, M. S., Coutinho, A. S., & Augusto, L. G. S. (2011). Síndrome de Burnout: confronto entre o conhecimento médico e a realidade das fichas médicas. Psicologia em Estudo, 16(3), 429-435. doi: 10.1590/S1413-73722011000300010.

Bauman, Z. (1997). Postmodernity and its discontents. New York: New York University Press.

Beck, A. T., Brown, G., Epstein, N., & Steer, R. A. (1988). An inventory for measuring clinical anxiety: psychometric properties. Journal of Consulting and Clinical Psychology, 56(6), 893897. doi: 10.1037/0022-006X.56.6.893.

Beck, A. T., Erbaugh, J., Mendelson, M., Mock, J., & Ward, C. H. (1961). An inventory for measuring depression. Archives of General Psychiatry, 4(6), 561-571. doi: 10.1001/archpsyc.1961.01710120031004.

Bruckner, P. (1997). A tentação da inocência. Rio de Janeiro: Rocco.

Brum, L. M., Azambuja, C. R., Rezer, J. F. P., Temp, D. S, Carpilovsky, C. K., Lopes, L. F., & Schetinger, M. R. C. (2012). Qualidade de vida dos professores da área de ciências em escola públicas no Rio Grande do Sul. Trabalho, Educação e Saúde, 10(1), 125-145. doi: 10.1590/S1981-77462012000100008.

Carraro, M. M. (2015). Condições de trabalho e transtornos mentais comuns em professores da rede básica municipal de ensino de Bauru-SP. Dissertação de Mestrado, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Botucatu (SP). Recuperado em 12 de agosto de 2016, de http://hdl.handle.net/11449/131936.


Ceballos, A. G. C., Santos, G. B. (2015). Factors associated with musculoskeletal pain among teachers: sociodemographics aspects, general health and well-being at work. Revista Brasileira de Epidemiologia, 18(3), 702-715. doi: http://dx.doi.org/10.1590/19805497201500030015.

Codo, W. (2002). Educação: carinho e trabalho – Burnout, a síndrome da desistência do educador. Petrópolis, RJ: Vozes.

Coelho, L. V. M. (2012). Competência emocional em professores: contributos da psicoeducação. Revista Portuguesa de Enfermagem de Saúde Mental, 8, 16-24. Recuperado em 12 de agosto de 2016, de http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S164721602012000200003.

Costa, L. S. T., Gil-Monte, P. R., Possobon, R. F., & Ambrosano, G. M. B. (2013). Prevalência da Síndrome de Burnout em uma amostra de professores universitários brasileiros. Psicologia: Reflexão e Crítica, 26(4), 636-642. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S010279722013000400003.

Cunha, J. A. (2011). Manual da versão em português das Escalas Beck. São Paulo, SP: Casa do Psicólogo.

Dejours, C. (1980). Travail, usure mentale. Paris: Bayard.

Elias, M. A. (2014). Equilibristas na corda bamba: o trabalho e a saúde de docentes do ensino superior privado em Uberlândia/MG. Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, Brasil. Recuperado em 12 de agosto de 2016, de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/59/59137/tde-12122014-104307/ptbr.php.

Ferreira, R. C., Silveira, A. P., Sá, M. A. B., Feres, S. B. L., Souza, J. G. S., & Martins, A. M. E. B. L. (2015). Transtorno mental e estressores no trabalho entre professores universitários da área da saúde. Trabalho, Educação e Saúde, 13(1), 135-155. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1981-7746-sip00042.

Gasparini, S. M., Barreto, S. M., & Assunção, A. A. (2005). O professor, as condições de trabalho e os efeitos sobre sua saúde. Educação e Pesquisa, 31(2), 189-199. doi: 10.1590/S1517-97022005000200003.

Giannini, S. P. P., Latorre, M. R. D. O., & Ferreira, L. P. (2013). Factors associated with voice disorders among teachers: a case-control study. CoDAS, 25(6), 566-576. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S2317-17822014000100009.

Goulart Júnior, E. G., & Lipp, M. E. N. (2008). Estresse entre professoras do ensino fundamental de escolas públicas estaduais. Psicologia em Estudo, 13(4), 847-857. doi: 10.1590/S1413-73722008000400023.

La Taille, Y. de (2009). Formação ética: do tédio ao respeito de si. Porto Alegre: Artmed.

Lyra, G. F. D., Assis, S. G., Njaine, K., & Pires, T. O. (2013). Sofrimento psíquico e trabalho docente - implicações na detecção de problemas de comportamento em alunos. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 13(2), 724-744. Recuperado em 12 de agosto de 2016, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808428120130002000 17&lng=pt&nrm=isso.

Macaia, A. A. S., & Fischer, F. M. (2015). Retorno ao trabalho de professores após afastamentos por transtornos mentais. Saúde e Sociedade, 24(3), 841-852. doi: 10.1590/S0104-12902015130569.

Maranda, M. F., Viviers, S., & Deslauriers, J. S. (2014). A escola em sofrimento: pesquisa-ação sobre a situação de trabalho de risco para a saúde mental em meio escolar. Cadernos de Psicologia Social e do Trabalho, 17(1), 141-151. doi: http://dx.doi.org/10.11606/issn.1981-0490.v17ispe1p141-151.

Moreira-Almeida, A., Lotufo-Neto, F.,& Koening, H. G. (2006). Revista Brasileira de Psiquiatria, 28(3), 242-250. doi: 10.1590/S1516-44462006005000006.

Oliveira, L. R., & Leite, J. R. (2012). O perfil da saúde dos educadores: evidenciando o invisível. Retratos da Escola, 6(11), 463-477. Recuperado em 12 de agosto de 2016, de http://esforce.org.br/index.php/semestral/article/view/221/409.

Organização Internacional do Trabalho (1984). A condição dos professores: recomendação Internacional de 1966, um instrumento para a melhoria da condição dos professores. Genebra: OIT/Unesco.

Pedro-Silva, N. (2005). Ética, (in)disciplina e relação professor-aluno. In Y. La Taille, Indisciplina/disciplina: ética, moral e ação do professor (pp. 55-95). Porto Alegre, RS: Mediação.

Pereira, E. F., Teixeira, C. S., Andrade, R. D., Bleyer, F. T. S., & Lopes, A. S. (2014). Associação entre o perfil de ambiente e condições de trabalho com a percepção de saúde e qualidade de vida em professores de educação básica. Cadernos Saúde Coletiva, 22(2),113-119. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1414-462X201400020002.

Pereira, E. F., Teixeira, C. S., Pelegrini, A., Meyer, C., Andrade, R. D., & Lopes, A. S. (2014). Estresse relacionado ao trabalho em professores de Educação Básica. Ciencia y Trabajo, 16(51), 206-210. doi: http://dx.doi.org/10.4067/S0718-24492014000300013.

Pereira, J. A. (2015). Trabalho docente e sofrimento mental: um estudo em uma escola pública do Estado de São Paulo. Dissertação de Mestrado em Serviço Social, Faculdade de Ciências Humanas e Sociais, Universidade Estadual Paulista, Franca. Recuperado em 12 de agosto de 2016, de http://hdl.handle.net/11449/127715.

Pithers, R. T., & Fogarty, G. J. (1995). Symposium on teacher stress: occupational stress among vocational teachers. British Journal of Educational Psychology, 65, 3-14. doi: 10.1111/j.2044-8279.1995.tb01127.

Ribeiro, S. F. R., Martins, C. B. S., Mossini, F. C., Pace Jr., J., & Lemos, L. C. V. (2012). Intervenção em uma escola estadual de ensino fundamental: ênfase na saúde mental do professor. Revista Mal-Estar e Subjetividade, 12(3-4), 905-924.

Santos, T. M., Almeida, A. O., Martins, H. O., & Moreno, V. (2003). Aplicação de um instrumento de avaliação do grau de depressão em universitários do interior paulista durante a graduação em Enfermagem. Acta Scientiarum, 25(2), 171-176. doi: http://dx.doi.org/10.4025/actascihealthsci.v25i2.2228.

Sennett, R. (1998). The corrosion of characters. New York: W. W. Norton & Company.

Silva, E. P. (2015). Adoecimento e sofrimento de professores universitários: dimensões afetivas e ético-políticas. Psicologia: Teoria e Prática, 17(1), 61-71. Recuperado em 12 de agosto de 2016, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S151636872015000100006&lng=pt&nrm=iso.

Silveira, K. A., Enumo, S. R. F., & Batista, E. P. (2014). Indicadores de estresse e estratégias de enfrentamento em professores de ensino multisseriado. Psicologia Escolar e Educação, 18(3), 457-465. doi: http://dx.doi.org/10.1590/2175-3539/2014/0183767.

Silveira, R. E., Reis, N. A., Santos, A. S., & Borges, M. R. (2011). Qualidade de vida de docentes do ensino fundamental de um município brasileiro. Revista de Enfermagem, 3(4), 115-123. Recuperado em 12 de agosto de 2016, de http://www.scielo.gpeari.mctes.pt/scielo.php?pid=S087402832011000200012&script=sci_arttext.

Soares, A. G. S. et al. (2014). Public school teachers’ perceptions about mental health. Revista de Saúde Pública, 48(6), 940-948. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S00348910.2014048004696.

Souza, A. N., & Leite, M. P. (2011). Condições de trabalho e suas repercussões na saúde dos professores da educação básica no Brasil. Educação e Sociedade, 32(117), 23-27. doi: 10.1590/S0101-73302011000400012.

Souza, C. L., Carvalho, F. M., Araújo, T. M., Reis, E. J. F. B., Lima, V. M. C., & Porto, L. A. (2011). Factors associated with vocal fold pathologies in teachers. Revista de Saúde Pública, 45(5), 914-921. doi: 10.1590/S0034-89102011005000055.

Souza, J. C., & Costa, D. S. (2011). Qualidade de vida de uma amostra de profissionais de educação física. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, 60(1), 23-27. doi: 10.1590/S004720852011000100005.

Unesco (2004). O perfil dos professores brasileiros: o que fazem, o que pensam, o que almejam. São Paulo, SP: Moderna.

Valle, L. E. L. R. (2011). Estresse e distúrbios do sono no desempenho de professores: saúde mental no trabalho. Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil.

Vilas Boas, A. A., & Morin, E. M. (2014). Psychological well-being and psychological distress for professors in Brazil and Canada. RAM: Revista de Administração Mackenzie, 15(6), 201-219. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1678-69712014/administracao.v15n6p201219.
Publicado
2019-09-04
Como Citar
Costa , R. Q. F. da, & Silva, N. P. da. (2019). Níveis de ansiedade e depressão entre professores do Ensino Infantil e Fundamental. Pro-Posições, 30, 1-29. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8656506
Seção
Artigos