O ideário de vida ao ar livre nas sociedades ginásticas teutobrasileiras (1880 -1938)

Palavras-chave: Natureza, Vida ao ar livre, Sociedades ginásticas, Imigração alemã, Educação do corpo

Resumo

O artigo apresenta resultados de pesquisas sobre um ideário de vida ao ar livre no interior das sociedades ginásticas teuto-brasileiras nas regiões sul e sudeste do país, em que a natureza e seus elementos se mostraram como centrais em procedimentos educativos (escolares ou não), de saúde e de divertimento desse grupo imigrante, constantemente representado como “pioneiro” e “desbravador” da natureza brasileira. O objetivo é compreender as relações entre educação, cuidados do corpo e vida ao ar livre, presentes nas associações constituídas por este grupo entre o final do século XIX e a década de 1930, período em que se iniciaram as políticas de nacionalização do governo Vargas. As fontes utilizadas neste artigo são: periódicos; publicações festivas; estatutos; fotografias e recortes de jornais. Pretende-se, assim, contribuir para uma leitura do ideário de vida ao ar livre constituído por essas associações, consideradas pelos estudiosos da imigração como meramente “recreativas”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Evelise Amgarten Quitzau , Universidad de la Republica Uruguay

Doutora em Educação pela Unicamp (2016).

Carmen Lúcia Soares, Universidade Estadual de Campinas

Professora associada (livre-docente) da UNICAMP. 

Referências

Jahre Deutsche Kolonisationsarbeit in Rio Grande do Sul. (1924). Deutsche Turnblätter – Monatliche Mitteilungen des Turner-Bundes in Porto Alegre, 9(2), 37-39.

Barran, P. (n.d.) Historia de la Sensibilidad en Uruguay (T. 3). Montevideo: Ediciones de la Banda Oriental S.R.L.

Bloch, M. (2002). Apologia da história ou o oficio de historiador. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Corbin, A. (1986). Le miasme et la jonquille: l’odorat et l’imaginaire social, XVIII-XIX siècles. Paris: Flammarion.

Corbin, A. (1991) Les temps, le désir et l’horreur: essais sur le XIXème siecle. Paris: Flammarion.

Corbin, A. (1994) Les cloches de la terre: paysage sonore et culture sensible dans les campagne au XIXe siecle. Paris: Albin Michel.

Corbin, A. (2000). Historien du sensible, entretiens avec Gilles Heuré. Paris: La Découverte.

Corbin, A. (2001). L’homme dans le paysage. Paris: Textuel.

Corbin, A. (2005). Le ciel et la mer. Paris: Bayard.

Corbin, A. (2010). Le territoire du vide. L'Occident et le désir de rivage (1750-1840) Paris: Flammarion.

Corbin, A. (2013a). La douceur de l'ombre - L'arbre, source d'émotions, de l'Antiquité à nos jours. Paris: Fayard.

Corbin, A. (Org.). (2013b). La pluie, le soleil et le vent: une histoire de la sensibilité au temps qu’il fait. Paris: Aubier.

Corbin, A., Courtine, J.-J., & Vigarello, G. (2016). Histoires des émotions (2 vol.). Paris: Seuil.

Dalben, A. (2009). Educação do corpo e vida ao ar livre: natureza e educação física em São Paulo (19301945). Dissertação de Mestrado, Faculdade de Educação Física, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

Dalben, A. (2014). Mais do que energia, uma aventura do corpo: as colônias de férias escolares na América do Sul (1882-1950). Tese de Doutorado, Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

Die Turnerschaft von 1890 in São Paulo tritt mit diesem Jahre in das sechste Jahr ihres Bestehens. (1896). Deutsche Turnzeitung, 45, 925.

Eine Turnfahrt nach dem Spitzkopf bei Blumenau in Süd-Brasilien. (1904). Deutsche Turnzeitung, 34, 829-830.

Eine Turnfahrt nach dem Hundeberg. (1905). Deutsche Turnzeitung, 39, 691.

Eine Turnfahrt nach dem Bugerkopf in Brasilien. (1910). Deutsche Turnzeitung, 27, 509-510.

Eine Turnfahrt nach Torres. (1938). Recorte de jornal sem identificação.

Erste Oficielle Tour unserer Wandergruppe Bergreunde nach dem Taquara. (1932). Deutsche Turn- und Sportverein Rio De Janeiro Vereins-Zeitung, 76, 7.

Febvre, L. (1989). Combates pela história. Lisboa: Presença.

Febvre, L. (2000). O Reno. História, mitos e realidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Febvre, L. (2003). Le problème de l’incroyance au XIVème siècle: La réligion de François Rabelais. Paris: Albin Michel.

Guts Muths, J. C. F. (1928). Gymnastik für die Jugend. Dresden: Wilhelm-Limpert.

Haroche, C. (2008). L’avenir du sensible, les sens et les sentiments en qusetion. Paris: PUF.

Hofmann, A. R. (2001). Aufstieg und Niedergang des deutschen Turnens in den USA. Schorndorf: Hofmann.

Hofmann, A. R. (2015). The American Turners: their past and present. Revista Brasileira de Ciência do Esporte, 37(2), 119-127. Recuperado em 02 de fevereiro de 2016, de http://rbce.cbce.org.br/index.php/RBCE/article/view/2094/1045.

Huizinga, J. (2010). O outono da Idade Média: estudo sobre as formas de vida e de pensamento dos séculos XIV e XV na França e nos Países Baixos. São Paulo: Cosacnaify.

Im Anfang war das Wandern! (1929). Deutsche Turnblätter – Monatliche Mitteilungen des TurnerBundes in Porto Alegre, 16(6), 2-3.

Jahn, F. L. (1810). Deutsches Volkstum. Frankfurt am Main: C. Naumanns Druckerei.

Jahn, F. L., & Eiselen, E. (1816/1967). Die Deutsche Turnkunst zur Einrichtung der Turnplatze. Stuttgart: Verlagsdruckerei Conradi & Co.

Krüger, M. (1996). Körperkultur und Nationsbildung. Schorndorf: Hofmann.

Krüger, M. (Org.). (2010). Johann Christoph Friedrich GutsMuths (1759-1839) und die philantropische Bewegung in Deutschland. Hamburg: Czwalina.

Le Goff, J. (1992). História e memória (2a ed.). Campinas: Editora Unicamp.

Le Goff, J. (2012). História e memória. Campinas: Editora Unicamp.

Lenoble, R. (1990). História da ideia de natureza. Lisboa: Edições 70.

Luebke, F. C. (1987). Germans in Brazil: a comparative history of cultural conflict during World War I. Baton Rouge, Louisiana: Louisiana State University Press.

Magalhães, M. B. (1998). Pangermanismo e Nazismo: a trajetória alemã rumo ao Brasil. Campinas: Editora da Unicamp.

Neue Deutsche Zeitung (1936).

Quitzau, E. A. (2011). Educação do corpo e vida associativa: as sociedades ginásticas alemãs em São Paulo (fins do século XIX, primeiras décadas do século XX). Dissertação de Mestrado, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

Quitzau, E. A. (2013). Different clubs, similar purposes? Gymnastics and sports in the German colony of São Paulo/Brazil at the turn of the Nineteenth Century. The International Journal of the History of Sport, 30(9), 963-975. Recuperado em 25 de março de 2016, de http://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/09523367.2013.792807.

Quitzau, E. A. (2016). Associativismo ginástico e imigração no Sul e Sudeste do Brasil (1858-1938). Tese de Doutorado, Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

Quitzau, E. A., & Soares, C. L. (2016). Um manual do século XVIII: culto à natureza e educação do corpo em Ginástica para a Juventude, de Guts Muths. Revista Brasileira de História da Educação, 16(1), 23-50. Recuperado em 25 de março 2016, de www.rbhe.sbhe.org.br/index.php/rbhe/article/view/540/pdf_90.

Rauch, A. (2001). As férias e a natureza revisitada (1830-1939). In A. Corbin, História dos tempos livres (pp.91-136). Lisboa: Teorema.

Ricoeur, P. (2007). A memória, a história, o esquecimento. Campinas: Editora Unicamp.

Sallas, A. L. F. (2013). Ciência do homem e sentimento da natureza: viajantes alemães no Brasil do século XIX. Curitiba: Editora UFPR.

Schallenberger, E. (2009). Associativismo cristão e desenvolvimento comunitário: imigração e produção social do espaço colonial no sul do Brasil. Cascavel: Edunioeste.

Schama, S. (1996). Paisagem e memória. Campinas: Companhia das Letras.

Schossler, J. C. (2013). História do veraneio no Rio Grande do Sul. Jundiaí: Paco Editorial.

Seyferth, G. (1982). Nacionalismo e identidade étnica: a ideologia germanista e o grupo étnico teuto-brasileiro numa comunidade do Vale do Itajaí. Florianópolis: Fundação Victor Konder.

Seyferth, G. (1999). As associações recreativas nas regiões de colonização alemã no Sul do Brasil: Kultur e etnicidade. Travessia, 12(34), 24-28.

Seyferth, G. (2000). A imigração alemã no Rio de Janeiro. In A. C. Gomes (Org.), Histórias de imigrantes e de imigração no Rio de Janeiro (pp. 11-43). Rio de Janeiro: Viveiros de Castro.

Soares, C. L. (2015). Uma educação pela natureza: o método de educação física de Georges Hébert. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, 37(2), 151-157. Dossiê Práticas e Prescrições sobre o corpo: a dimensão educativa dos métodos ginásticos europeus. Recuperado em 07 de julho de 2015, de http://www.scielo.br/pdf/rbce/v37n2/0101-3289-rbce-37-02-0151.pdf.

Soares, C. L. (2016). Três notas sobre natureza, educação do corpo e ordem urbana (1900-1940). In C. L. Soares, Uma educação pela natureza: a vida ao ar livre, o corpo e a ordem urbana (pp.946). Campinas: Autores Associados.

Souza, R. R. (2016). Educação do corpo pela natureza na obra Emílio de Jean-Jacques Rousseau. Dissertação de Mestrado em Educação, Faculdade de Educação, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

Tesche, L. (2015). A organização das ligas e dos clubes alemães, a formação de atletas no Rio Grande do Sul: o Turnen em questão. In Anais do 28 Simpósio Nacional de História. Recuperado em 30 de janeiro de 2016, de http://www.snh2015.anpuh.org/resources/anais/39/1427018411_ARQUIVO_AFO RMACAODEATLETASNORSATEESTADONOVO.pdf.

Thomas, K. (2010). O homem e o mundo natural: mudanças de atitude em relação às plantas e aos animais (1500-1800). São Paulo: Companhia das Letras.

Vigarello, G. (1996). O limpo e o sujo, uma história da higiene corporal. São Paulo: Martins Fontes.

Vigarello, G. (2014). Le sentiment de soi: histoire de la perception du corps. Paris: Seuil.

Villaret, S. (2005). Histoire du naturismo en France depuis le siècle de Lumières. Paris: Vuibert.

Villaret, S. (2016). Naturismo e educação corporal (fim do século XIX e início do século XX): uma natureza em movimento. In C. L. Soares, Uma educação pela natureza: a vida ao ar livre, o corpo e a ordem urbana (pp. 69-90). Campinas: Autores Associados.

Wichtige Vereinsinteressen. (1929). Vereins-Zeitung des Teuto-Brasilianischen Turnvereins Curityba, 1(4), 1.

Wieser, L. (1991). Deutsches Turnen in Brasilien: Deutsche Auswanderung und die Entwicklung des deutsche-brasilisches Turnwesen bis zum 1917. Londres: Arena Publications.

Williams, J. A. (2007). Turning to nature in Germany: hiking, nudism and conservation, 1900-1940. Stanford: Stanford University Press.

Publicado
2019-09-04
Como Citar
Quitzau , E. A., & Soares, C. L. (2019). O ideário de vida ao ar livre nas sociedades ginásticas teutobrasileiras (1880 -1938). Pro-Posições, 30, 1-27. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8656507
Seção
Artigos