Dramatização de contos filosóficos na formação do educador

Palavras-chave: Dramatização, Contos filosóficos, Mitema iniciático, Formação de educadores

Resumo

No presente artigo o foco é a utilização da dramatização de contos filosóficos com mitema iniciático no cultivo de mestria na formação inicial de educadores. A pesquisadora colocou em prática suas propostas na condução de vivências curriculares entre 2012 a 2016 com estudantes de Pedagogia e licenciandos. O âmbito de uma educação de sensibilidade – que nem por isso exclui a racionalidade, mas não se restringe à racionalidade ocidental de caráter aristotélico, cartesiano, iluminista e protestante – tem possibilitado uma leitura mais crítica (contra ideológica), reflexiva (constructos) e sensível (perceptos) dos participantes, levando-os a ter, como opção pessoal, a tarefa de assumir como projeto profissional e existencial a busca mais coerente de modulações do ser.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Theda Cabrera Gonçalves Pereira, Universidade de São Paulo

Pós-Doutora em Educação (FE-USP), financiamento Fapesp (2016-2018). 

Referências

Bachelard, G. (1996). A poética do devaneio. São Paulo: Martins Fontes.

Barret, G., & Landier, J.-C. (1994). Expressão dramática e teatro. Porto: Edições ASA.

Cabrera, T. (2004). Uma aprendizagem de sabores: a palavra cênica construída a partir da conexão entre movimento, emoção e voz. Dissertação de Mestrado, Instituto de Artes da Universidade Estadual de Campinas, 2005.

Cabrera, T. (2015). A ético-poética do trabalho sobre si por meio da dramatização de contos filosóficos de mitema iniciático na formação inicial de educadores. Tese de Doutorado, Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, 2015.

Cabrera, T. (2017). Dramatização de contos filosóficos na formação de educadores como campo de experiência. Cadernos GIPE-CIT- UFBA, Ano 21, 38.

Caillois, R. (1990). Os jogos e o homem: a máscara e a vertigem. Lisboa: Cotovia.

Carrière, J.-C. (2004). O círculo dos mentirosos: contos filosóficos do mundo inteiro. São Paulo: Ediouro.

Carrière, J.-C. (2008). Contos filosóficos do mundo inteiro. São Paulo: Ediouro.

Duarte-Junior, J. F. (2010). O sentido dos sentidos: a educação (do) sensível. Curitiba: Criar.

Durand, G. (1988) A imaginação simbólica. São Paulo: Edusp.

Durand, G. (1996). Campos do imaginário: textos reunidos por Danièlle Chauvin. Lisboa: Instituto Piaget.

Durand, G. (1997). As estruturas antropológicas do imaginário. São Paulo: Martins Fontes.

Eliade, M. (2004). Ritos de iniciação e sociedades secretas. Portugal: Ésquilo.

Eliade, M. (2010). O sagrado e o profano: a essência das religiões. São Paulo: WMF Martins Fontes.

Ferreira-Santos, M. (2005). Crepusculário: conferências sobre mitohermenêutica & educação em Euskadi (2a ed.). São Paulo: Zouk.

Ferreira-Santos, M. (2010, julho/dezembro). Fundamentos antropológicos da arte-educação: por um pharmakon na didaskalia artesã. Revista @mbienteeducação, 3(2), 59-97.

Ferreira-Santos, M., & Almeida, R. (2012). Aproximações ao imaginário: bússola de investigação poética. São Paulo: Képos.

Grillo, N. (Org.). (1993). Histórias da tradição sufi. Rio de Janeiro: Dervish.

Grillo, N. (2012, setembro). Oficina. O processo criativo na arte de contar história. Boca do Céu. In Encontro Internacional de contadores de histórias. São Paulo: Oficina Cultural Oswald de Andrade.

Grillo, N., & Grillo, J. G. de Q. (2014). O guerreiro invisível e outros contos do tempo: uma antologia da tradição viva. Rio de Janeiro: Jaguatirica.

Grotowski, J., & Flaszen, L. (2010). O teatro laboratório de Jerzy Grotowski 1959-1969 (B. Rauliono, Trad.). São Paulo: Perspectiva: Edições Sesc SP; Pontedera, IT: Fondazione Pontedera Teatro.

Gusdorf, G. (2003). Professores para quê? Para uma pedagogia da pedagogia. São Paulo: Martins Fontes.

Haar, M. (2000). A obra de arte: ensaio sobre a ontologia das obras. Rio de Janeiro: Difel.

Huizinga, J. (1980). Homo ludens: a study of the play-element in culture. Londres: Routledge & Kegan Paul.
Larrosa, J. (2016). Tremores. Belo Horizonte: Autêntica.

Lopes, J. (1989). Pega teatro. Campinas: Papirus.

Machado, R. (2004). Acordais: fundamentos teórico-poéticos da arte de contar histórias. São Paulo: Editora DCL.

Machado, R. (2006). Acordais: a arte de contar histórias - Paço do Baobá. Curso, São Paulo/ SP.

Maturana, H., & Varela, F. (1997). De máquinas a seres vivos - Autopoiese: a organização do vivo. Porto Alegre: Artes Médicas.

Merleau-Ponty, M. (1992). O visível e o invisível. São Paulo: Perspectiva.

Morin, E. (2007). Introdução ao pensamento complexo. Porto Alegre: Sulina.

Mostaço, E. (2011). Evreinóv, o homem teatro. In A. Cavalière, & E. Vássina (Orgs.), Teatro russo: literatura e espetáculo. São Paulo: Ateliê Editorial.

Ouspensky, P.D. (2009). Psicologia de uma evolução possível ao homem. São Paulo: Pensamento.

Pupo, M. L. de B. (2005, julho/dezembro). Para desembaraçar os fios. Educação e realidade, 30, 217-228.

Ricoeur, P. (2013). Amor e justiça. São Paulo: WMF Martins Fontes.

Ryngaert, J.-P. (2009). Jogar, representar: práticas dramáticas e formação. São Paulo: Cosac & Naif.

Santos, A. (1975). Persona: o teatro na educação, o teatro na vida. Rio de Janeiro, Eldorado Tijuca.

Shah, I. (2010). Histórias dos dervixes: histórias de ensinamento dos mestres sufis dos últimos mil anos: selecionadas de textos clássicos sufis. Rio de Janeiro: Roça Nova.

Skliar, C. A. (2010). Entre a diferença e os diferentes: retorno do outro ou poética de um Eu que hospeda? In Ferreira-Santos, & E. S. L. Gomes (Orgs.), Educação & Religiosidade: imaginários da diferença (pp. 185-215). João Pessoa: Editora Universitária UFPB.

Slade, P. (1987). O jogo dramático infantil. São Paulo: Summus.

Tahan, M. (2002). Minha vida querida. Rio de Janeiro: Record.

Varella, F. (Org.). (2009). 99 contos de Nasrudin. Rio de Janeiro: Caravana de Livros.
Publicado
2019-09-04
Como Citar
Pereira, T. C. G. (2019). Dramatização de contos filosóficos na formação do educador. Pro-Posições, 30, 1-23. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8656526
Seção
Artigos