Fatores de contextualização em textos redigidos por um estudante surdo

Palavras-chave: Escrita, Surdez, Ensino, Coerência textual, Títulos

Resumo

O trabalho tem como objetivo analisar o percurso de aprendizagem de escrita de um aluno surdo a partir de atividades realizadas em uma oficina de redação em Língua Portuguesa, ministrada por um professor ouvinte. Questões: 1) Como um estudante surdo administra, em seus escritos, os fatores de contextualização, elementos que ancoram o texto em uma situação comunicativa determinada? e 2) Em que medida a intervenção do professor é necessária para que o aluno surdo venha a compreender o uso de títulos de textos? Foi realizada comparação de 29 textos, com ênfase na construção dos títulos. Principais alterações: 1) atenção à grafia das palavras; 2) uso de parágrafos; 3) refinamento de título; 4) cálculo da interpretação do leitor; 5) uso de conectivos; 6) conjugação verbal e 7) sintaxe. Com relação à escrita de títulos, a ação docente mostrou-se fundamental para a conquista dessa competência por parte de um aluno surdo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Claudia Rosa Riolfi, Universidade de São Paulo

Professora Livre Docente na Universidade de São Paulo, onde trabalha desde 2003.

Carla Samile Machado Trucolo Trindade , Universidade de São Paulo

Mestre em Educação pela Universidade de São Paulo.

Referências

Almeida, E. O, C., Filasi, C. R., & Almeida, L. C. (2010). Coesão textual na escrita de um grupo de adultos surdos usuários da língua de sinais brasileira. Rev. CEFAC. Recuperado em 8 de outubro de 2017, de http://www.scielo.br/pdf/rcefac/2010nahead/16-09.pdf.

Arcoverde, R. D. de L. (2006, maio/agosto). Tecnologias digitais: novo espaço interativo na produção escrita dos surdos. Cad. Cedes, 26(69), 251-267. Recuperado em 10 de outubro de 2017, de http://www.scielo.br/pdf/ccedes/v26n69/a08v2669.

Authier- Revuz. J. (1988). Palavras incertas. Campinas: Pontes.

Bally, C. (1950). Linguistique générale et linguistique française (Obra original publicada em 1932). Berne: A. Franke.

Benveniste, E. (1988). Problemas de linguística geral I (3a ed.) São Paulo: Pontes.

Brito, L.F. (1993). Integração social e educação de surdos. Rio de Janeiro: Babel.

Brito, L.F. (1989). Bilingüismo e surdez. Trabalhos em Lingüística Aplicada, (14), 89-100.

Brochado, S. M. D. A. (2003). A apropriação da escrita por crianças surdas usuárias da Língua de Sinais Brasileira. Tese de Doutorado, Universidade Estadual Júlio de Mesquita Filho. São Paulo, SP, Brasil.

Capovilla, A. G. S. (2004). Estratégias de leitura e desempenho em escrita no início da alfabetização. Revista Psicologia Escolar e Educacional, 8, 189-197.

Charolles, M. (1978). Introduction aux problèmes de la cohérence textuelle. Paris: Langue Française.

Charolles, M. (1989) Coherence as a principle in the discursive production. In W. Heydrich, F. Neubauer, & J. Petöfi (Eds.), Conexity and coherence (pp. 3-15). Berlin: DeGruyter.

Costa Val, M. G. (1999). Redação e textualidade (2a ed.). São Paulo: Martins Fontes.

Fávero, L. L. (1991). Coesão e coerência textuais. São Paulo: Ática.

Fávero, L. L., & Koch, I. G. V. (1983). Linguística textual: introdução. São Paulo: Cortez.

Fernandes, S. (1999). É possível ser surdo em português? Língua de Sinais escrita: em busca de uma aproximação. In C. Skliar (Org.), Atualidade da educação bilíngue para surdos (pp.59-82). Porto Alegre: Mediação.

Gesueli, Z. M. (2004). A escrita como fenômeno visual nas práticas discursivas de alunos surdos. In A. C. B. Lodi (Org.), Leitura e escrita no contexto da diversidade (pp.39-49). Porto Alegre: Mediação.

Jakobson, R. (2001). Linguística e comunicação. São Paulo: Cultrix.

Koch, I.G.V., & Travaglia, L. C. (1989). Texto e coerência. São Paulo: Cortez.

Lins, A. M., & Nascimento, L. C. R. (2015). Algumas tendências e perspectivas em artigos publicados de 2009 a 2014 sobre surdez e educação de surdos. Pro-Posições, 26(3), 27-40.

Livingston, S. (1997). Rethinking the education of deaf students: Theory and practice from a teacher's perspective. Westport: Incorporated.

Lodi, A. C. B., Bortolotti, E. C., & Cavalmoreti, M. J. Z. (2014, dezembro). Letramentos de surdos: práticas sociais de linguagem entre duas línguas/culturas. Bakhtiniana, Rev. Estud. Discurso, 9(2), 131-149.

Marcuschi, L.A. (1983). Linguística de texto: o que é e como se faz. Recife: Universidade Federal de Pernambuco.

Marcuschi, L. A. (2001). Da fala para a escrita: atividades de retextualização. São Paulo: Cortez.

Marschark, M., Lampropoulou, V., & Skordilis, E. K. (2016). Diversity in deaf education. Oxford: Oxford University Press.

Marschark, M., Shaver, D. M., Nagle, K. M., & Newman, L A. (2015). Predicting the academic achievement of deaf and hard-of-hearing students from individual, household, communication, and educational factors. Exceptional Children, 81(3), 350-369.

Martins, D. A., & Lacerda, C B. F. (2015). Exame nacional do ensino médio e acesso de estudantes surdos ao ensino superior brasileiro. Pro-Posições, 26(3), 83-101.

Meirelles, V., & Spinillo, A. G. (2004, abril). Uma análise da coesão textual e da estrutura narrativa em textos escritos por adolescentes surdos. Estudos de Psicologia, 9 (1), 131-144.

Müller, J. I., & Karnopp, L. B. (2015, dezembro). Tradução cultural em educação: experiências da diferença em escritas de surdos. Educação e Pesquisa, 41(4), 1055-1068.

Nunes, T., & Vargas, R. (2016, dezembro). Um instrumento para a avaliação formativa de textos produzidos por usuários de Libras. Educar em Revista, 62, 125-141.

Peixoto, R.C. (2006, maio/agosto). Algumas considerações sobre a interface entre a língua brasileira de sinais (libras) e a língua portuguesa na construção inicial da escrita pela criança surda. Cad. Cedes, 26(69), 205-229. Recuperado em 10 de outubro de 2017, de http://www.scielo.br/pdf/ccedes/v26n69/a08v2669.

Powell, D., Hyde, M., & Punch, R. (2014). Inclusion in postsecondary institutions with small numbers of deaf and hard-of-hearing students: highlights and challenges. The Journal of Deaf Studies and Deaf Education, 19(1), 126-40.

Quadros, R. M. (1997). Educação de surdos: a aquisição da linguagem. Porto Alegre: Artes Médicas.

Quadros, R. M., & Karnopp, L. (2004). Língua de sinais brasileira: estudos linguísticos. Porto Alegre: ArtMed.

Riolfi, C. (2014). O presente perpétuo e suas facetas no ensino de línguas. In M. J. Coracini, & A. M. G. Carmagnani (Orgs.), Mídia, exclusão e ensino: dilemas e desafios na contemporaneidade (pp.179-194, Vol. 1). Campinas: Pontes.

Riolfi, C., & Andrade, E. (2016a). Diretrizes psicanalíticas para a orientação de pós-graduandos. Psicologia em Estudo. 21(4), 569-579. Recuperado em 12 de outubro de 2017, de http://www.periodicos.uem.br/ojs/index.php/PsicolEstud/article/view/31177/pdf.

Riolfi, C., & Andrade, E. (2016b, dezembro). Escrita e formação do espírito científico: o trabalho invisível do orientador. Letras & Letras, 32(3)(n. especial), 164-184. Recuperado em 11 de outubro de 2017, de http://www.seer.ufu.br/index.php/letraseletras/article/view/33638/19146.

Riolfi, C., & Magalhães, M. (2008, junho). Modalizações nas posições subjetivas durante o ato de escrever. Estilos da Clínica, 13(24), 98-121. Recuperado em 14 de outubro de 2017, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S141571282008000100008.

Salles, H. M. M. L., Faulstich, E., Carvalho, O. L., Ramos, A. A. L. R., & Felix I. L. M. (2004). Ensino de língua portuguesa para surdos: caminhos para a prática pedagógica. Brasília: MEC, SEESP.

Silva, T. S. A., Bolsanello, M. A, & Sander, M. E. (2011, setembro/dezembro). Perspectivas para o ensino da escrita de alunos surdos usuários de libras. Teoria e Prática da Educação, 14(3), 35-41. Recuperado em 10 de outubro de 2017, de http://ojs.uem.br/ojs/index.php/TeorPratEduc/article/view/18474.

Stake, R. E. (2009). A arte da investigação com estudos de caso (2a ed.). Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Stinson, M. S., & Antia, S. D. (1999) Considerations in educating deaf and hard-of-hearing students in inclusive settings. The Journal of Deaf Studies and Deaf Education 4(3), 163-175.

Streiechen, E. M., & Krause-Lemke, C. (2014, dezembro). Análise da produção escrita de surdos alfabetizados com proposta bilíngue: implicações para a prática pedagógica. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, 14(4), 957-986.

Taub, S. (2001). Language from the body: Iconicity and metaphor in american sign language. Cambridge: University Press.

Van Dijik, T.A. (1990). La noticia como discurso – compreensión, estructura y producción de la información. Barcelona: Ediciones Paidós.

Wilcox, P. P. (2000). Metaphor in American sign language. Washington: University Press.
Publicado
2019-09-04
Como Citar
Riolfi, C. R., & Trindade , C. S. M. T. (2019). Fatores de contextualização em textos redigidos por um estudante surdo. Pro-Posições, 30, 1-26. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8656544
Seção
Artigos