Formação de professores de Educação Infantil para inclusão de alunos com necessidades educacionais especiais

uma pesquisa colaborativa

Palavras-chave: Formação de professores, Inclusão escolar, Alunos com necessidades educacionais especiais, Educação Infantil, Pesquisa colaborativa

Resumo

Este trabalho descreve os resultados de uma pesquisa colaborativa que objetivou a formação de professores para inclusão de alunos com necessidades educacionais especiais (NEE) em um Centro de Educação Infantil. Este processo se baseou na perspectiva de formação de professores reflexivos, bem como em conhecimentos sobre o atendimento de alunos com NEE em contextos escolares inclusivos. Os procedimentos metodológicos seguiram os pressupostos da pesquisa colaborativa e ocorreram em três fases: levantamento das necessidades de formação, processo de intervenção colaborativo e avaliação final. Participaram da pesquisa dez professores. Os resultados obtidos evidenciaram que, na fase inicial, os professores enfrentavam dificuldades para efetivar a inclusão dos alunos com NEE. Por meio de ciclos de estudos, reflexões sobre a prática à luz dos conteúdos teóricos estudados e da participação da pesquisadora em sala de aula, foi possível identificar que os professores se tornaram mais seguros para efetivar a inclusão de seus alunos com NEE.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Célia Regina Vitaliano , Universidade Estadual de Londrina

Doutorado em Educação pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2002).

Referências

Alarcão, I. (2001). A escola reflexiva. In I. Alarcão (Org.), Escola reflexiva e nova racionalidade. (pp. 15-30). Porto Alegre: Artmed.

Albuquerque, M. O. de A., & Ibiapina, I. M. L. M. (2016). Revoada colaborativa: o ritmo e a velocidade do voo dependem do outro. In I. M. L. M. Ibiapina, H. M. M. Bandeira, & F. A. M. Araujo (Orgs.), Pesquisa colaborativa: multirreferenciais e práticas convergentes (pp. 7590). Teresina: EDUFPI.

Bandura, A. (1969). Principles of behavior modification. New York: Holt, Rinehart & Winston.

Booth, T., Ainscow, M., & Kingston, D. (2006). Index para la inclusión: Desarrollo del jogo, el aprendizaje y la participación en educación infantil. Bristol: Editado y Producido para el Reino Unido por Centre for Studies on Inclusive Education - CSIE.

Brasil (2008). Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Inclusão: Revista da Educação Especial, 4(1), 7-17.

Briant, M. E. P., & Oliver, F. C. (2012). Inclusão de crianças com deficiência na escola regular numa região do município de São Paulo: conhecendo estratégias e ações. Revista de Educação Especial, 18(1), 141-154.

Capellini, V. L. M. F. (2004). A avaliação das possibilidades do trabalho colaborativo no processo de inclusão escolar do aluno com deficiência mental. Tese de Doutorado não publicada, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, SP.

Charlot, B. (2005). Formação de professores: a pesquisa e a política educacional. In S. G. Pimenta, & E. Ghedin. Professor reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito (pp. 89-108). Cortez: São Paulo.

Dainez, D., & Naranjo, G. (2015). Los docentes ante las demandas de las políticas de educación inclusiva para la atención de niños con diferentes discapacidades: casos de México y Brasil. Pro-Posições, 26(2), 187-204. Recuperado em 15 de dezembro de 2016, de https://dx.doi.org/10.1590/0103-7307201507710.

Duk, C. (Org.). 2006). Educar na diversidade: material de formação docente. Brasília, DF. Recuperado em 20 julho de 2010, de http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/educar%20na%20diversidade.pdf.

Fernandes, C. H. (2014). Pesquisa e formação profissional continuada: (em) caminhos da educação inclusiva. Educação: Teoria e Prática, 24(46), 04-22.

Glat, R. (Org.). (2007). Educação inclusiva: cultura e cotidiano escolar. Rio de Janeiro: 7 Letras.

Gomes, C. G. S., & Mendes, E. G. (2010). Escolarização inclusiva de alunos com autismo na Rede Municipal de Ensino de Belo Horizonte. Revista Brasileira de Educação Especial, 16(3), 375-396.

Hummel, E. I. (2015). Tecnologia assistiva: a inclusão na prática. Curitiba: Appris.

Ibiapina, I. M. L. M. (2008). Pesquisa colaborativa: investigação, formação e produção de conhecimentos. Brasília: Liber Livro.

Jesus, D. M. de. (2005). Formação continuada: constituindo um diálogo entre teoria, prática, pesquisa e educação inclusiva. In D. M. Jesus de, C. R. Baptista, & S. L. Victor (Orgs.), Pesquisa e educação especial: mapeando produções (pp. 203-218). Vitória: EDUFES.


Jesus, D. M. de (2008). Formação de professores para a inclusão escolar: instituindo um lugar de conhecimento. In E. G. Mendes, M. A. Almeida, & M. C. P. I. Hayashi. Temas em educação especial: conhecimentos para fundamentar a prática (pp. 75-82). Araraquara, SP: Junqueira & Marin; Brasília, DF: CAPES – PROESP.

Leonardo, N. S. T., Bray, C. T., & Rossato, S. P. M. (2009). Inclusão escolar: um estudo acerca da implantação da proposta em escolas de ensino básico. Revista Brasileira de Educação Especial, 15(2), 289-306.

Nozi, G. S. (2013). Análise dos saberes docentes recomendados pela produção acadêmica para a inclusão escolar de alunos com necessidades educacionais especiais. Dissertação de Mestrado não publicada, Universidade Estadual de Londrina, Londrina, PR.

Pimenta, S. G. (2005). Professor reflexivo: construindo uma crítica. In S. G. Pimenta, & E. Ghedin, Professor reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito (pp. 17-52). São Paulo: Cortez.

Rodrigues, D. (2008, julho/outubro). Desenvolver a educação inclusiva: dimensões do desenvolvimento profissional. Inclusão: Revista da Educação Especial, 4(2), 7-16.

Sanches, I. (2005). Compreender, agir, mudar, incluir. Da investigação-acção à educação inclusiva. Revista Lusófona de Educação, 5(5), 127-142.

Sanches, I. (2011). Do ‘aprender para fazer’ ao ‘aprender fazendo’: as práticas de educação inclusiva na escola. Revista Lusófona de Educação, 19(19), 135-156.

Silva, M. O. E. da (2011). Educação inclusiva – um novo paradigma de escola. Revista Lusófona de Educação, 19, 119-134.

Toledo, E. H. de (2011). Formação de professores em serviço por meio de pesquisa colaborativa visando à inclusão de alunos com deficiência intelectual. Dissertação de Mestrado não publicada, Universidade Estadual de Londrina, PR.

Vioto, J. R. B. (2013). O papel do supervisor pedagógico no processo de inclusão de alunos com necessidades educacionais especiais: uma pesquisa colaborativa. Dissertação de Mestrado não publicada, Universidade Estadual de Londrina, Londrina, PR.

Vygotsky, L. S. (1987). Pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes.

Decreto Br 6.949, de 25 de agosto de 2009. (2009). Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência. Recuperado em 20 de setembro de 2017, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/decreto/d6949.htm.

Decreto Br 7.611, de 17 de novembro de 2011. (2011). Atendimento Educacional especializado. Recuperado em 20 setembro de 2017, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/decreto/d6949.htm.

Lei Br n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. (1996). Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília. Recuperado em 08 setembro de 2012, de http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/ldb.pdf.

Lei Br 13.146, de 6 de julho de 2015. (2015). Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Recuperado em 20 setembro de 2017, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm.
Publicado
2019-09-05
Como Citar
Vitaliano , C. R. (2019). Formação de professores de Educação Infantil para inclusão de alunos com necessidades educacionais especiais. Pro-Posições, 30, 1-30. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8656546
Seção
Artigos