Análise arqueológica do discurso sobre o nexo pedagógico entre cinema e educação no Brasil no período de 1910 a 1930

Palavras-chave: Análise arqueológica do discurso, Cinema, Educação

Resumo

Este texto apresenta os resultados de uma pesquisa que investigou o discurso sobre o nexo pedagógico entre o cinema e a educação no Brasil nas três primeiras décadas do século XX. Para tanto, recorreu à análise arqueológica do discurso como ferramenta teórico-metodológica viável para a pesquisa. No curso investigativo foram analisados textos publicados em livros, revistas, jornais, leis e manifestos, concluindo-se que o uso pedagógico do cinema atingiu o status de: 1) objeto do discurso político, quando acionado por um valor (um interesse público) produzido no seio de diferentes instâncias da sociedade civil organizada; 2) objeto do discurso jurídico, quando ativado no e pelo regime de matéria jurídica, materializando-se em decretos; e 3) objeto do discurso educacional, quando ganhou visibilidade e efetividade no âmbito das condições sociais concretas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Evelyn Fernandes Azevedo Faheina, Universidade Federal da Paraíba

Possui Doutorado (2015) e Mestrado (2012) em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) e Licenciatura em Pedagogia (2010) pela mesma instituição.

Erenildo João Carlos, Universidade Federal da Paraíba

Pedagogo; Doutor em Educação pela UFC (2005).

Referências

Alcantara, M. A. M., & Carlos, E. J. (2013). Análise arqueológica do discurso: uma alternativa de investigação na educação de jovens e adultos (EJA). Intersecções, 11(3), 59-75. Recuperado de http://www.portal.anchieta.br/revistas-elivros/interseccoes/pdf/interseccoes_ano_6_numero_3.pdf.

Almeida, J. C. M. (1931). O cinema na educação. Escola Nova, 3(3), 185-200.

Azevedo, F. (2010). Manifesto dos pioneiros da Educação Nova (1932) e dos educadores (1959) (Coleção Educadores). Recife: Massangana.

Barreto, S., Filho. (1932a). Cinema educativo: as opiniões de Leitão de Barros sobre o cinema educativo e A iniciativa particular, em Portugal, e o cinema pedagógico. Cinearte, 7(354), 30. Recuperado de http://memoria.bn.br/pdf/162531/per162531_1932_00354.pdf.

Barreto, S., Filho. (1932b). Cinema educativo: o cinema e a pedagogia. Cinearte, 7(339), 32,38. Recuperado de http://memoria.bn.br/pdf/162531/per162531_1932_00339.pdf.

Barreto, S., Filho. (1932c). Cinema educativo: uma visita à secção de films culturaes da U.F.A. Cinearte, 7(329), 32. Recuperado de http://memoria.bn.br/pdf/162531/per162531_1932_00329.pdf.

Bruzzo, C. (2004). Filme “Ensinante”: o interesse pelo cinema educativo no Brasil. Pro-posições, 15(1) 159-173. Recuperado de https://www.fe.unicamp.br/pf-fe/publicacao/2233/43artigos-bruzzoc.pdf.

Catelli, R. E. (2010). Coleção de imagens: o cinema documentário na perspectiva da Escola Nova, entre os anos 1920 e 1930. Educação & Sociedade, 31(111), 605-624. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/es/v31n111/v31n111a16.pdf.

Cinearte. (1929). Cinearte, 4(174), 6. Recuperado de http://memoria.bn.br/pdf/162531/per162531_1929_00174.pdf.

Decreto nº 2.940, de 22 de novembro de 1928. (1928, 22 de novembro). Regulamenta a Lei nº 3.281 de 23 de janeiro de 1928 que organizou o Ensino no Distrito Federal. AGCRJ. Prefeitura do Distrito Federal.

Decreto nº 21.240, de 4 de abril de 1932. (1932, 15 de abril). Nacionaliza o serviço de censura dos filmes cinematográficos, cria a Taxa Cinematográfica para a educação popular e dá outras providências. Diário Oficial da União, 1, 7146. Recuperado de http://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1930-1939/decreto-21240-4-abril-1932515832-publicacaooriginal-81522-pe.html.

Decreto nº 24.651, de 10 de julho de 1934. (1934, 14 de julho). Cria, no Ministério da Justiça e Negócios Interiores, o Departamento de Propaganda e Difusão Cultural. Diário Oficial da União, 1, 14276. Recuperado de https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1930-1939/decreto-24651-10-julho1934-503207-norma-pe.html.

Decreto-Lei nº 1.949, de 30 de dezembro de 1939. (1939, 31 de dezembro). Dispõe sobre o exercício de atividades de imprensa e propaganda no território nacional e dá outras providências. Coleção de Leis do Brasil, 8, 489. Recuperado de http://presrepublica.jusbrasil.com.br/legislacao/126723/decreto-lei-1949-39#par-1-art-124.

Felipe, M. A. (2006). Cinema e educação: interfaces, conceitos e práticas docentes. Tese de Doutorado, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal.

Foucault, M. (2012). A arqueologia do saber. Rio de janeiro: Forense Universitária.

Medeiros, S. A. L. (2012). Imagens educativas do cinema/possibilidades cinematográficas da educação. Tese de Doutorado, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora.

Mogadouro, C. A. (2011). Educomunicações e escola: o cinema como mediação possível (desafios, práticas e propostas). Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Noronha, J. P. (1938). Cinema educativo: um pouco de história. Cinearte, (484), 4-5. Recuperado de http://memoria.bn.br/pdf/162531/per162531_1938_00484.pdf.

Peixoto, A. (1929, 14 de setembro). Um sonho, um bello sonho. O Jornal, (3319), 4. Recuperado de http://memoria.bn.br/DocReader/docreader.aspx?bib=110523_02&pasta=ano%201 92&pesq=sonho.

Saliba, M. E. F. (2003). Cinema contra cinema: o cinema educativo de Canuto Mendes (1922 – 1931). São Paulo: Annablume.

Serrano, J., & Venâncio F., Filho. (1931). O cinema Educativo. Escola Nova, 3(3), 154-184.

Telas & palcos (1926, 27 de março). Jornal Correio da Manhã, (9562), 7. Recuperado de http://memoria.bn.br/DocReader/docreader.aspx?bib=089842_03&pasta=ano%201 92&pesq=igreja.

Vargas, G. D. (1934, 25 de junho). O cinema nacional, elemento de aproximação dos habitantes do país: discurso pronunciado na manifestação promovida pelos cinematografistas. Recuperado de http://www.biblioteca.presidencia.gov.br/presidencia/ex-presidentes/getuliovargas/discursos/1934/04.pdf/view.
Publicado
2019-05-09
Como Citar
Faheina, E. F. A., & Carlos, E. J. (2019). Análise arqueológica do discurso sobre o nexo pedagógico entre cinema e educação no Brasil no período de 1910 a 1930. Pro-Posições, 30, 1-20. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8656723
Seção
Artigos