Fatores que afetam o clima da escola

a visão dos professores

Palavras-chave: Clima escolar, Professores, Redes de ensino, Estudo longitudinal

Resumo

Este artigo analisa os fatores que, na visão dos professores, afetam o clima escolar, a partir de dados do estudo longitudinal do Projeto Geres, iniciado em 2005, que observou durante quatro anos a mesma amostra de escolas e alunos. A amostra contemplou 312 instituições de ensino fundamental em cinco cidades, que ao final da coleta, em 2008, registrava 35.538 alunos, 2.918 professores e 669 diretores. Faccenda, Dalben e Freitas forneceram a este trabalho a base para a escolha das variáveis que formaram o construto do indicador de clima escolar. Os resultados mostraram que a avaliação dos professores das redes municipais e estaduais sobre a influência dos fatores externos em suas escolas é até três vezes maior do que na rede especial e privada, apontando a violência entre alunos e a interferência do tráfico de drogas como possíveis influências negativas no ambiente da escola.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Antônio Carlos Miranda , Centro Universitário Salesiano de São Paulo

Doutorado em Educação na especificidade Ensino, Avaliação e Formação de Professores (2008), pela Universidade Estadual de Campinas.

Regiane Helena Bertagna, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho

Docente no Departamento de Educação na Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho.

Luiz Carlos de Freitas, Universidade Estadual de Campinas

Atualmente é professor titular (aposentado) da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas.

Referências

Abramovay, M. (Org.). (2002). Escola e violência. Brasília, DF: Unesco. Recuperado de http://unesdoc.unesco.org/images/0012/001287/128717por.pdf.

Babbie, E. (1999). Métodos de pesquisa de Survey. (G. Cezarino, trad.). Belo Horizonte: Editora UFMG. (Trabalho original publicado em 1997).

Blaya, C., & Debarbieux, E. (Orgs). (2002). Violências nas escolas e políticas públicas. Brasília, DF: Unesco.

Brasil. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. (1998). Referenciais para formação de professores. Brasília, DF.

Brasil. Ministério da Educação. (2004). Resultados do SAEB 2003 (Versão preliminar). Brasília, DF: Inep.

Brito, M. S. T., & Costa, M. (2010). Práticas e percepções docentes e suas relações com o prestígio e clima escolar das escolas públicas do município do Rio de Janeiro. Revista Brasileira de Educação, 15(45):500-594.

Bryk, A. S., & Hermanson, K. L. (1993). Educational indicator systems: Observations on their structure, interpretation and use. Review of Research in Education, 19:451-484.

Carvalho, L. M. (1992). Clima de escola e estabilidade dos professores. Lisboa: Educa-Organizações. Recuperado de http://repositorio.ul.pt/handle/10451/3701.

Casassus, J. (2002). A escola e a desigualdade. Brasília, DF: Plano.

Cohn, E., & Rossmiller, R. A. (1987). Research on effective schools: Implications for less developed countries. Comparative Education Review, 31(3): 377-399.

Coleman, J. S., Campbell, E. Q., Hobson, C. J., McPartland, J., Mood, A. M., Weinfeld, F. D., et al. (1966). Equality of educational opportunity. Washington, DC: U.S. Government Printing Office. Recuperado de http://files.eric.ed.gov/fulltext/ED012275.pdf.

Costa, A. F. L. (2010). A percepção dos professores de diferentes ciclos de ensino. Dissertação de mestrado, Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação, Universidade de Coimbra, Coimbra. Recuperado de https://estudogeral.sib.uc.pt/bitstream/10316/15582/1/a.costa.pdf.

Cunha, M. B., & Costa, M. (2009). O clima escolar de escolas de alto e baixo prestígio. In: Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa. 32ª Reunião anual da ANPED, Caxambu, MG. Recuperado de http://32reuniao.anped.org.br/arquivos/trabalhos/GT14-5645--Int.pdf.

Cunha, M. B. (2014). Possíveis relações entre percepções de violência dos alunos, clima escolar e eficácia coletiva. Educação e Pesquisa, 40(4):1077-1092.

Debarbieux, E. (2001). A violência na escola francesa: 30 anos de construção social do objeto (1967-1997). Educação e Pesquisa, 27(1), 163-193.

Enguita, M. F. (1989). A face oculta da escola: Educação e trabalho no capitalismo. (T. T. Silva, trad.). Porto Alegre: Artes Médicas.

Eyng, A. M., Gisi, M. L., Ens, R. T., & Pacievitch, T. (2013). Diversidade e padronização nas políticas educacionais: Configurações da convivência escolar. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, 21(81):773-800.

Faccenda, O., Dalben, A., & Freitas, L. C. (2011). Capacidade explicativa de questionários de contexto: Aspectos metodológicos. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, 92(231):246267.

Franco, C., Brooke, N., & Alves, F. (2008). Estudo longitudinal sobre qualidade e equidade no ensino fundamental brasileiro: Geres 2005. Ensaio: Avaliação Política Pública Educação, 16(61):625-638.

Franco, C., Fernandes, C., Soares, J. F., Beltrão, K. I., Barbosa, M. E., & Alves, M. T. G. (2003). O referencial teórico na construção dos questionários contextuais do SAEB 2001. Estudos em Avaliação Educacional, 28:39-71.

Gomes, C. A. (2005). A Escola de Qualidade para Todos: Abrindo as Camadas da Cebola 1. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, 13(48):281-306.

Hair, J. F., Black, W. C., Babin, B. J., Anderson, R. E., & Tatham, R. L. (2009). Análise multivariada de dados (6a ed.). Porto Alegre: Bookman.

Hill, N. E., & Taylor, L. C. (2004). Parental school involvement and children’s academic achievement. Current Directions in Psychological Science, 13(4):161-164.

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. (2003). Sinopse da educação básica de 2003. Brasília, DF. Recuperado de http://portal.inep.gov.br/sinopsesestatisticas-da-educacao-basica.

Kahneman, D. (2012). Rápido e devagar: Duas formas de pensar (C. Arantes Leite, trad.). Rio de Janeiro: Objetiva. (Trabalho original publicado em 2011).

Lee, V. E., Bryk, A. S., & Smith, J. (1993). The Organization of Effective Secondary Schools. In: L. Darling-Hammond. Review of Research in Education. Washington, DC: American Educational Research Association, pp. 171-267.

Lewis, A. E., & Forman, T. A. (2002). Contestation or collaboration? A comparative study of home-school relations. Anthropology & Education Quarterly, 33(1):60-89.

Mayer, D. P., Mullens, J. E.; Moore, M. T. (2000). Monitoring School Quality: An indicators report. NCES 2001-030. Washington, DC: U.S. Department of Education. National Center for Educaton Statistics.

Mello, G. N. (1994). Escolas eficazes: Um tema revisitado. In: A. C. Xavier. (Org.), Gestão Escolar: Desafios e tendências. Brasília, DF: Ipea, pp. 329-369.

Mella, O. et al. (2002). Qualitative study of schools with outstanding results in seven Latin American countries. Santiago, Chile: Unesco, Latin American Laboratory for Assessment of the Quality of Education.

Miranda, E. C. M. (2006). O SAEB-2003 no estado de São Paulo: Um estudo multinível. Dissertação mestrado, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

Miranda. A. C., & Bertagna, R. H. (2013). Relatório Geres: Clima escolar (Relatório de pesquisa). Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

Muñoz Vitória, F. (1997). Modelos y ejemplos. Cuadernos de Pedagogía, 256:54-61.

Saraiva, L. A., & Wagner, A. (2013). A relação família-escola sob a ótica de professores e pais de criança que frequentam o ensino fundamental. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, 21(81):739-773.

Sammons, P., Hillman, J., & Mortimore, P. (1995). Key Characteristics of Effective Schools: A review of school effectiveness research. London: Office for Standards in Education [OFSTED].

Scheerens, J. (2000). Improving school effectiveness. Paris: Unesco, International Institute for Educational Planning.

Scheerens, J., & Bosker, R. (1997). The foundations of educational effectiveness. Oxford: Pergamon.

Willms, J. D. (1992). Monitoring school performance. Washington, DC: The Falmer Press.

Worthington, R., & Whittaker, T. (2006). Scale development research: A content analysis and recommendations for best practices. The Counseling Psychologist, 34(6):806-838.
Publicado
2019-05-09
Como Citar
Miranda , A. C., Bertagna, R. H., & Freitas, L. C. de. (2019). Fatores que afetam o clima da escola. Pro-Posições, 30, 1-23. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8656733
Seção
Artigos