Pro-Posições e o ensino superior

Palavras-chave: Pro-posições, Ensino superior, Universidade, Campo de pesquisa sobre ensino superior, Brasil.

Resumo

Nos 30 anos da revista Pro-Posições, focaliza-se a presença do tema ensino superior e de suas diferentes abordagens nos artigos publicados no período. A análise se apoia no levantamento dos textos, seus autores e conteúdos, nos acervos físico e digital do periódico no período de março de 1990 a abril de 2017 e no diálogo estabelecido entre esse material e a produção no campo de estudos e pesquisas sobre ensino superior no mesmo período. Como principais resultados, destacam-se a contemporaneidade da revista em relação a um campo de pesquisas ainda emergente no Brasil e o esforço em contemplar a diversidade disciplinar e de perspectivas teóricas no tratamento conferido ao tema ensino superior no período sob análise.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Helena Sampaio, Universidade Estadual de Campinas

Antropóloga, é professora do Programa de Pós-graduação em Educação e da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas.

         

Referências

Azevedo, F. (1938). A educação e seus problemas. São Paulo: Companhia Editora Nacional.

Balzan (1994). Pesquisa, avaliação institucional e desenvolvimento da qualidade do ensino superior –relações de reciprocidade. Pro-Posições, 5(2)/14, 32-41.

Bourdieu, P. (1983). Questões de sociologia. Rio de Janeiro: Zahar.

Brunner, J. J. (2009). La Universidad, sus derechos e incierto futuro. Revista Iberoamericana de Educación, 49, 77-102.

Clancy, P., Eggins, H, Goastellec, G., Guri-Rosenblit, S. Noyen, P. & Yizengaw, T. (2007). Comparative Perspectives on access and equity. In P. Altbach, & P. M. Peterson (Eds.), Higher Education in the new century. Global challenges and innovative ideas (pp.35-54). Rotterdam: Sense.

Clark, B. (1983). El sistema de educación superior – una visión comparative de la organización acadêmica. México: Universidade Autónoma Metropolitana- Azacapotzalco; Nueva Imagen.

Clark, B (2001). The Entrepeneurial University: New Fondations for Collegia lity, Autonomy, and Achievement. Higher Education Managemant, 13(2), 9-24.

Cunha, L. A. (1980). Universidade temporã. Rio de Janeiro: Francisco Alves.

Cunha, L. A. (1981). Aorganização do campo educacional: as conferências da educação.Educação & Sociedade, ano III, 9.

Cunha, L. A. (1983). Universidade crítica. Rio de Janeiro: Francisco Alves.

Cunha, L. A. (1988). Universidade reformada – o golpe de 64 e a modernização do Ensino Superior. Rio de Janeiro: Francisco Alves. Cunha, L. A. 1995. Avaliar qual universidade. Pro-Posições. 6(1)/16), 22-32.

Dougherty, K. (1997). Mass Higher Education: What is it impetus? What is it impact? Teachers College Record, 99(1), 66-72.

Durham, E. (1985). O movimento da reforma universitária da década de 60. São Paulo: USP. Mimeo.

Fávero, M. de L. A. (1990). Da universidade “modernizada” à universidade disciplinada: Atcon e Meira Matos. São Paulo: Cortez.

Fernandes, F.(1975). Universidade brasileira: reforma ou revolução? São Paulo: Alfa-Ômega.

Freitag, B. (1977). Escola, Estado e Sociedade. São Paulo: EDART.

Gumport, P.(2007). Sociology of Higher Education. Contribution and their contexts. Baltimore: The Johns Hopkins University Press.

Kishore, M. J. (2015). Higher Education, social demand and social equity in India. In P. Pillay, R. Pinheiro, & S. Schawtzaman (Eds.), Higher Education in the Brics Countries: Investigating the pact between higher education and society (pp. 125-148). Dordrecht: Springer.

Krotsch, P., & Suasnábar, C. (2004). Los estudios sobre La Educación Superior: una reflexión desde Argentina y América Latina. Pro-Posições, 15(3), 37-62.

Martins, C. B. (2012). Sociologia e Ensino Superior: encontro ou desencontro. Dossiê Sociedade e Educação: dilemas contemporâneos. Sociologias, ano 14, (29), 100-127.

Martins, C. B.(2019). L´Enseigment supérieur à l´heure de la mondialization. Socio, 12, 205- 227.

Neves, C.E.B. (1995). Ensino superior privado no Rio Grande do Sul: a experiência das universidades comunitárias. Documento de Trabalho Nupes/USP, 2-43.

Neves, C.E. B., & Martins, C. B.(2016). Ensino superior no Brasil: uma visão abrangente. In T. Dwyer at al. (Orgs.), Jovens universitários em um mundo em transformação: uma pesquisa sinobrasileira (v. 1, pp. 95-124). Brasília; Pequim: IPEA; Social Science Academic Press/ SSAP.

Neves, C. E. B., Sampaio, H., & Heringer, R.(2018). A institucionalização da pesquisa sobre Ensino Superior no Brasil. Revista Brasileira de Sociologia, 6(12), 19-41. Recuperado em 09 de outubro de 2019, de http://dx.doi.org/10.20336/rbs.243.

Oliven, A. C. (1989). Resgatando o significado do departamento na universidade brasileira. In C. B. Martins (Org.), Ensino superior brasileiro: transformações e perspectivas. São Paulo: Brasiliense.

Organization for Economic Cooperation and Development. (2013), EC OECD Education at a Glance 2013. OECD Indicators. Recuperado em 9 de outubro de 2019. http://www.oecd.org/education/eag2013%20(eng)--FINAL%2020%20June%202013.pdf.

Organization for Economic Cooperation and Development. (2018), The OECD Review assurance in higher education in Brazil. Preliminary fundings and lines of recommendation. Workshop hosted by Inep. Brasília, 28 august.

Ribeiro, D. (1975). A universidade necessária (2. ed.) Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Riesman, D., & Jencks, C. (1968). The academic revolution. Garden City, New York: Doubleday.

Sampaio, H. (2000). O Ensino Superior no Brasil - o setor privado. São Paulo: Fapesp/Hucitec.

Sampaio, H. (2014). Privatização do Ensino Superior no Brasil: velhas e novas questões. In S. Schwartzman (Org.), A educação superior na América Latina e os desafios do século XX (pp.139- 192). Campinas: Editora Unicamp.

Santos Filho, J. C. (1994). O Ensino Superior como uma área de estudos e pesquisas: a experiência internacional. Pro-Posições, 5(2)/14, 5-15.

Santos Filho, J. C. (1995). Especificidade da Universidade: implicações para a Avaliação institucional.

Schofer, E. & Meyer, J .W. (2005). The world wide expansion of Higher Education in the Twentieth Century. American Sociology Review, 70(6), 898-920.

Schwartzman, S. (2014). Novos desafios do Ensino Superior no Século XXI: uma introdução. In S. Schwartzman (Org.), A educação superior na América Latina e os desafios do século XXI (pp. 8-15). Campinas: Editora Unicamp.

Teixeira, A. (1968). Uma perspective da educação superior no Brasil. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, 50, 21-82.

Torre. J.C. (1996). O encaminhamento político das reformas estruturais. Reformas. Lua Nova, 37, 57-96.

Torres, C. A. (1998). Sociology of higher education: emerging perspectives. New York: State University of New York Press.

Trindade, H. (1995). O novo contexto da avaliação nas Universidades Federais. Pro-Posições, 6(1), 33-40.

Trow, M. (1973). Problems in the transition from elite to mass higher education. Berkeley: Carnegie Comission on Higher Education.

Unesco. (2019). Institut for Statistics. Recuperado em 14 de outubro de 2019, de: http://data.uis.unesco.org/Index.aspx?DataSetCode=EDULIT_DS&popupcustomise =true&lang=em.

Veiga, L. (1985). Reforma Universitária na década de 60: origens e implicações políticoinstitucionais. Ciência e Cultura, 37(7), 86-97. In C. Bori (Org.), Suplemento Universidade Brasileira: organização e problemas. Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência.

Vieira Pinto, Á. (1962). A questão da universidade. Rio de Janeiro: UNE/Editora Universitária.

Vieira, S. L. (1982). O (dis)curso da (re)forma universitária. Fortaleza: Ed.UFC/PROED.

Yuzhuo, C. A., & Fengqiao, Y.(2 015 ).Demands and reponses in Chinese Higher Education. In P. Pillay, R. Pinheiro, & S. Schwartzman (Eds.), Higher education in the Brics Countries: Investigating the pact between higher education and society (pp.149-170). Dordrecht, Springer.

Decreto BR n.º 7.824. (2012). Regulamenta a Lei no 12.711, de 29 de agosto de 2012, que dispõe sobre o ingresso nas universidades federais e nas instituições federais de ensino técnico de nível médio. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Brasília.

Lei BR n.º 10.260, de 12 de julho de 2001. ( 2001) . Dispõe sobre o Fundo de Financiamento ao estudante do Ensino Superior e dá outras providências. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos.

Lei BR n.º 11.096, de 13 de janeiro de 2005. (2005). Institui o Programa Universidade para Todos - PROUNI, regula a atuação de entidades beneficentes de assistência social no Ensino Superior; altera a Lei nº 10.891, de 9 de julho de 2004, e dá outras providências. Diário Oficial da União [da] República Federativa do Brasil, Brasília, 14 jan. 2005.

Lei BR n.º 12.711. (2012). Dispõe sobre o ingresso nas universidades federais e nas instituições federais de ensino técnico de nível médio e dá outras providências. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos Brasília, 29 de ago. 2012.

Portaria MEC 18. (2012). Dispõe sobre a implementação das reservas de vagas em instituições federais de ensino de que tratam a Lei nº 12.711, de 29 de agosto de 2012, e o Decreto nº 7.824, de 11 de outubro de 2012 de 11 de outubro de 2012. Ministério de Educação e Cultura. Brasília, 15 de out. 2012.

Publicado
2019-12-19
Como Citar
Sampaio, H. (2019). Pro-Posições e o ensino superior. Pro-Posições, 30, 1-25. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8657927
Seção
Dossiê