Os desafios da formação profissional em educação física para a área da saúde

uma interpretação a partir de periódicos da área

Palavras-chave: Currículo, Capacitação de recursos humanos em saúde, Educação física, Educação superior.

Resumo

Este artigo investiga os desafios produzidos na área da educação física sobre aformação para o campo da saúde, realizando revisão de literatura que abrange oitoperiódicos do campo da educação física. Após as análises de conteúdo, foramidentificados três eixos interpretativos: da integração ensino-serviço; dahumanização/ampliação do conceito de processo saúde-doença; e das dicotomias ediferenciação interna na área. Tais análises indicaram desafios que resguardamalgumas aproximações e entrecruzamentos que passam a influenciar as políticas deformação para o campo da saúde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Victor José Machado de Oliveira, Universidade Federal do Amazonas

Doutor em Educação Física pela Universidade Federal do Espírito Santo (2018).

         
Ivan Marcelo Gomes, Universidade Federal do Espírito Santo

Professor do Programa de Pós-Graduação em Educação Física (PPGEF/CEFD/UFES).

         

Referências

Andrade Filho, N. F. (2001). Formação profissional em educação física brasileira: uma súmula da discussão dos anos de 1996 a 2000. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, 22(3), 23- 37.

Araújo, A. C., Dias, M. A., & Melo, J. P. (2013). A formação em educação física no diálogo multiprofissional para a promoção da saúde. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde, 18(3), 339-343.

Bagrichevsky, M. (2007). A formação profissional em educação física enseja perspectivas (críticas) para atuação na saúde coletiva? In A. B. Fraga, & F. Wachs (Orgs.), Educação física e saúde coletiva: políticas de formação e perspectivas de intervenção (pp. 33-45). Porto Alegre: Editora da UFRGS. Bracht, V. (2003). Identidade e crise da educação física: um enfoque epistemológico. In V.

Bracht, & R. Crisorio (Orgs.), A educação física no Brasil e na Argentina: identidade, desafios e perspectivas (pp. 13-29). Campinas: Autores Associados.

Bracht, V., Faria, B. A., Moraes, C. E. A., Almeida, F. Q., Ghidetti, F. F., Gomes, I. M., Almeida, U. R. (2011). A educação física escolar como tema da produção do conhecimento nos periódicos da área no Brasil (1980-2010): parte I. Movimento, 17(2), 11-34.

Brasil. (1986). 8ª Conferência Nacional de Saúde: relatório final. Brasília: Ministério da Saúde.


Brasil. Conselho Federal de Educação. (1987, 10 de setembro). Resolução nº 3, de 16 de junho de 1987. Fixa os mínimos de conteúdo e duração a serem observados nos cursos de graduação em educação física (bacharelado e/ou licenciatura plena). Diário Oficial da República Federativa do Brasil, seção 1(172), 14682.

Brasil. Conselho Nacional de Saúde. (1997, 5 de maio). Resolução nº 218, de 6 de março de 1997. Reconhece como profissional de saúde de nível superior assistente social, biólogos, profissionais de educação física, enfermeiros, farmacêuticos, fisioterapeutas, fonoaudiólogos, médicos, médicos veterinários, nutricionistas, psicólogos e terapeutas ocupacionais. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, (83).

Brasil. Conselho Nacional de Educação. (2002a, 4 de março). Resolução nº 2, de 19 de fevereiro de 2002. Institui a duração e a carga horária dos cursos de licenciatura, de graduação plena, de formação de professores da educação básica em nível superior. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, seção 1, 9.

Brasil. Conselho Nacional de Educação. (2002b, 9 de abril). Resolução nº 1, de 18 de fevereiro de 2002. Institui diretrizes curriculares nacionais para a formação de professores da educação básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, seção 1, 8.

Brasil. Conselho Nacional de Educação. (2004a, 5 de abril). Resolução nº 7, de 31 de março de 2004. Institui as diretrizes curriculares nacionais para os cursos de graduação em educação física, em nível superior de graduação plena. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, seção 1, 18.

Brasil. Conselho Nacional de Educação. (2004b, 1º de setembro). Resolução nº 2, de 27 de agosto de 2004. Adia o prazo previsto no art. 15 da Resolução CNE/CP 1/2002, que institui diretrizes curriculares nacionais para a formação de professores da educação básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, seção 1, 17.

Brasil. (2009). O HumanizaSUS na atenção básica. Brasília: Ministério da Saúde.

Buss, P. M. (2003). Uma introdução ao conceito de promoção da saúde. In D. Czeresnia (Org.), Promoção da saúde: conceitos, reflexões, tendências (pp. 15-38). Rio de Janeiro: Editora Fiocruz.

Campos, C. J. G. (2004). Método de análise de conteúdo: ferramenta para a análise de dados qualitativos no campo da saúde. Revista Brasileira de Enfermagem, 57(5), 611-614.

Canzonieri, A. M. (2011). Metodologia da pesquisa qualitativa na saúde (2a. ed.). Petrópolis: Vozes.

Carvalho, Y. M. (2005). Entre o biológico e o social: tensões no debate teórico acerca da saúde na educação física. Motrivivência, 17(24), 97-105.
Carvalho, Y. M., & Ceccim, R. B. (2013). Formação e educação em saúde: aprendizados com a saúde coletiva. In G. W. S. Campos, M. C. S. Minayo, M. Akerman, M. Drumond Júnior, Y. M. Carvalho (Orgs.), Tratado de saúde coletiva (2a. ed., pp. 137-170). São Paulo: Hucitec.

Castro, G. C., & Gonçalves, A. (2009). Intervenção e formação em educação física com destaque à saúde. Motriz, 15(2), 374-382.

Ceccim, R. B., & Bilibio, L. F. (2007). Singularidades da educação física na saúde: desafios à educação de seus profissionais e ao matriciamento interprofissional. In A. B. Fraga, & F. Wachs (Orgs.), Educação física e saúde coletiva: políticas de formação e perspectivas de intervenção (pp. 47-62). Porto Alegre: Editora da UFRGS.

Chacon-Mikahil, M. P. T., Montangner, P. C., & Madruga, V. A. (2009). Educação física: formação acadêmica e atuação profissional no campo da saúde. Motriz, 15(1), 192-198.

Costa, L. C., Lopes Junior, C. A. F., Costa, E. C., Feitosa, M. C., Aguiar, J. B., & Gurgel, L. A. (2012). Formação profissional e produtividade em saúde coletiva do profissional de educação física. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde, 17(2), 107-113.

Fensterseifer, P. E. (2006) Corporeidade e formação do profissional na área da saúde. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, 27(3), 93-102.

Ferreira, S. E., Guerra, R. L. F., Pacheco, P. F. L., Gomes, R. J., Azevedo, P. H. S. M., Botero, J. P., & Oliveira, R. C. (2013). Formação profissional em educação física e saúde na Universidade Federal de São Paulo. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde, 18(5), 646- 651.

Fonseca, S. A., Menezes, A. S., Loch, M. R., Feitosa, W. M. N., Nahas, M. V., & Nascimento, J. V. (2011). Pela criação da Associação Brasileira de Ensino da Educação Física para a Saúde: Abenefs. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde, 16(4), 283-288.

Freitas, F. F., Carvalho, Y. M., & Mendes, V. M. (2013). Educação física e saúde: aproximações com a “clínica ampliada”. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, 35(3), 639-656.

Góis Júnior, E. (2013). Ginástica, higiene e eugenia no projeto de nação brasileira: Rio de Janeiro, século XIX e início do século XX. Movimento, 19(1), 139-159.

Luz, M. T. (2006). Biomedicina e racionalidade científica no ensino contemporâneo da área de saúde. In A. N. Souza, & J. Pitanguy (Orgs.), Saúde, corpo e sociedade (pp. 195-203). Rio de Janeiro: Editora UFRJ.

Luz, M. T. (2007). Educação física e saúde coletiva: papel estratégico da área e possibilidades quanto ao ensino na graduação e integração na rede de serviços públicos de saúde. In A. B. Fraga, & F. Wachs (Orgs.), Educação física e saúde coletiva: políticas de formação e perspectivas de intervenção (pp. 9-16). Porto Alegre: Editora da UFRGS.

Manoel, E. J., & Carvalho, Y. M. (2011). Pós-graduação na educação física brasileira: a atração (fatal) para a biodinâmica. Educação e Pesquisa, 37(2), 389-406.

Marcellino, N. C., & Bonfim, A. M. (2006). Lazer e saúde, nos currículos dos cursos de graduação em educação física. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, 14(4), 87-94.

Marconi, M. A., & Lakatos, E. M. (2010). Fundamentos de metodologia científica (7a ed.). São Paulo: Atlas.

Metzner, A. C., Cesana, J., & Drigo, A. J. (2016). Diretrizes curriculares nacionais e a educação física: levantamento das produções acadêmicas e científicas dos últimos 10 anos. Pensar a Prática, 19(4), 747-757.

Minayo, M. C. S. (Org.). (2015). Pesquisa social: teoria, método e criatividade (34a ed.). Petrópolis: Vozes.

Nascimento, P. M. M., & Oliveira, M. R. R. (2016). Perspectivas e possibilidades para a renovação da formação profissional em educação física no campo da saúde. Pensar a Prática, 19(1), 209-219.

Neves, R. L. R., Antunes, P. C., Baptista, T. J. R., & Assumpção, L. O. T. (2015). Educação física na saúde pública: revisão sistemática. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, 23(2), 163-177.

Oliveira, R. C., & Andrade, D. R. (2016). Formação profissional em educação física para o setor da saúde e as diretrizes curriculares nacionais. Pensar a Prática, 19(4), 721-733.

Oliveira, V. J. M., Martins, I. R., & Bracht, V. (2015). Relações da educação física com o programa saúde na escola: visões dos professores das escolas de Vitória/ES. Pensar a Prática, 18(3), 544-556.

Paiva, F. (2003). Sobre o pensamento médico-higienista oitocentista e a escolarização: condições de possibilidades para o engendramento do campo da educação física no Brasil. Tese de Doutorado, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

Pinheiro, M. F. G., & Gomes, C. L. (2011). A temática do lazer em cursos de graduação da área da saúde. Motriz, 17(4), 579-590.

Rocha, V. M., & Centurião, C. H. (2007). Profissionais da saúde: formação, competência e responsabilidade social. In A. B. Fraga, & F. Wachs (Orgs.), Educação física e saúde coletiva: políticas de formação e perspectivas de intervenção (pp. 17-31). Porto Alegre: Editora da UFRGS.

Rodrigues, J. D., Ferreira, D. K. S., Silva, P. A., Caminha, I. O., & Farias Junior, J. C. (2013). Inserção e atuação do profissional de educação física na atenção básica à saúde: revisão sistemática. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde, 18(1), 5-15.

Scliar, M. (2007). História do conceito de saúde. Physis, 17(1), 29-41.

Silva, J. R. A., Andrade, M. L. S. S., Brito, A. L. S., Hardman, C. M., Oliveira, E. S. A., & Barros, M. V. G. (2014). Atividade física e saúde mental: uma experiência na formação inicial em educação física. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde, 19(1), 133-140.

Silva, V. G., Ribeiro, T. C., Machado, A. D., Duarte, S. J. H., & Coelho-Ravagnani, C. F. (2012). A educação física no programa de educação pelo trabalho para a saúde de Cuiabá-MT. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde, 17(2), 121-124.

Soares, C. L. (2000). Notas sobre a educação no corpo. Educar em Revista, (16), 43-60.

Soares, C. L. (2005). Imagens da educação no corpo: estudo a partir da ginástica francesa no século XIX (3a ed.). Campinas: Autores Associados.
Publicado
2020-01-08
Como Citar
Oliveira, V. J. M. de, & Gomes, I. M. (2020). Os desafios da formação profissional em educação física para a área da saúde. Pro-Posições, 30, 1-23. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8658044
Seção
Artigos