Tematização e problematização

pressupostos freirianos no currículo cultural da educação física

Palavras-chave: Educação física, Tematização, Problematização, Currículo.

Resumo

O presente artigo tem como objetivo analisar as influências do pensamento de Paulo Freire no currículo cultural da educação física, especialmente no que se refere à tematização e à problematização da ocorrência social das práticas corporais na escola. Verificou-se que o legado freiriano representa uma mudança paradigmática no que concerne aos temas de ensino a serem tratados nas aulas de educação física. Além disso, a partir dos efeitos político e pedagógico de uma educação dialógicoproblematizadora, o currículo cultural da educação física pode contribuir para a desconstrução das representações hegemônicas que, em grande parte, operam a discriminação social com relação às práticas corporais e seus sujeitos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ivan Luis dos Santos, Universidade de São Paulo

Doutor em Educação pela Universidade de São Paulo (2016).

           
Marcos Garcia Neira, Universidade de São Paulo

Professor Titular da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo.

           

Referências

Chaim, C. I., Jr. (2007). Cultura corporal juvenil da periferia paulistana: subsídios para a construção de um currículo de educação física. Dissertação de Mestrado, Faculdade de Educação. Universidade de São Paulo, São Paulo.

Corazza, S. M. (2003). Tema gerador: concepções e práticas. Ijuí: Editora Unijuí.

Derrida, J. (1999). Gramatologia (M. Chnaiderman & R. J. Ribeiro, trad.). São Paulo: Perspectiva. (Obra original publicada em 1967).

Derrida, J. (2001). Posições. (T. T. Silva, trad.). Belo Horizonte: Autêntica. (Obra original publicada em 1972).

Derrida, J., & Roudinesco, E. (2004). De que manhã… diálogo. Rio de Janeiro: Zahar.

Françoso, S., & Neira, M. G. (2014). Contribuições do legado freireano para o currículo da educação física. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, 36(2), 531-546.

Freire, J. B. (1989). Educação de corpo inteiro: teoria e prática da educação física. São Paulo: Scipione.

Freire, P. (1979). Educação e mudança. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Freire, P. (1980). Conscientização: teoria e prática da libertação: uma introdução ao pensamento de Paulo Freire. São Paulo: Moraes.

Freire, P. (1983a). Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Freire, P. (1983b). Extensão ou comunicação. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Freire, P., & Shor, I. (1986). Medo e ousadia: o cotidiano do professor (5a ed.). Rio de Janeiro: Paz e Terra.
Giroux, H. (1986). Teoria crítica e resistência em educação: para além das teorias da reprodução (A. M. B. Biaggio, trad.). Petrópolis, RJ: Vozes. (Obra original publicada em 1983).

Giroux, H. (1992). Escola crítica e política cultural (D. M. L. Zibas, trad., 5a ed.). São Paulo: Autores Associados. (Obra original publicada em 1987).

Giroux, H. (1998). Paulo Freire e a Política de Pós-Colonialismo. In P. Mclaren, P. Leonard, & M. Gadotti (Orgs.), Paulo Freire: poder, desejo e memórias da libertação (pp. 191-202). Porto Alegre: Artmed.

Mizukami, M. G. N. (1986). Ensino: as abordagens do processo. São Paulo: EPU.

Neira, M. G. (2007). Ensino de educação física. São Paulo: Thomson Learning.

Neira, M. G. (2011). Educação física. São Paulo: Blucher.

Neira, M. G. (2014). Práticas corporais: brincadeiras, danças, lutas, esportes e ginásticas. São Paulo: Melhoramentos.

Neira, M. G. (2016). O multiculturalismo crítico e suas contribuições para o currículo da educação física. Temas em Educação Física escolar, 1(1), 3-29.

Neira, M. G. (2018). Educação física cultural: inspiração e prática pedagógica. Jundiaí: Paco.

Neira, M. G., & Nunes, M. L. F. (2006). Pedagogia da cultura corporal: crítica e alternativas. São Paulo: Phorte.

Neira, M. G., & Nunes, M. L. F. (2009a). Educação física, currículo e cultura. São Paulo: Phorte.

Neira, M. G., & Nunes, M. L. F. (2009b). Praticando estudos culturais na educação física. São Caetano do Sul: Yendis.
Neira, M. G., & Pérez Gallardo, J. S. (2006). Conhecimentos da cultura corporal de crianças não escolarizadas: a investigação como fundamento para o currículo. Motriz, 12(1), 1-8.

Rajagopalan, K. (1992). A trama do signo: Derrida e a destruição de um projeto saussuriano. In R. Arrojo (Org.), O signo desconstruído: implicações para a tradução, a leitura e o ensino (pp. 25- 29). Campinas: Pontes.

Shiva, V. (2003). Monoculturas da mente: perspectiva da biodiversidade e da biotecnologia (D. A. Azevedo, trad.). São Paulo: Gaia. (Obra original publicada em 1993).

Silva, T. T. (2011). Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica.

Spivak, G. C. (2010). Pode o subalterno falar? (S. R. G. Almeida, M. P. Feitosa, & A. P. Feitosa, trad.). Belo Horizonte: Editora UFMG. (Obra original publicada em 1942).

Tani, G., Manoel, E. J., Kokubun, E, & Proença, J. E. (1988) Educação física escolar: fundamentos de uma abordagem desenvolvimentista. São Paulo: EPU/Edusp.
Publicado
2020-01-08
Como Citar
Santos, I. L. dos, & Neira, M. G. (2020). Tematização e problematização. Pro-Posições, 30, 1-19. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8658048
Seção
Artigos