Formação docente continuada e práticas de ensino no atendimento educacional especializado

Palavras-chave: Educação especial, Atendimento educacional especializado, Práticas de ensino, Psicologia histórico-cultural, Pedagogia histórico-crítica.

Resumo

Este texto trata da formação docente continuada e das práticas de ensino no Atendimento Educacional Especializado (AEE). À luz da abordagem histórico-cultural e da pedagogia histórico-crítica, objetivamos debater a atuação do docente na promoção de uma educação escolar que favoreça a aprendizagem e o desenvolvimento dos alunos com deficiência, repensando as práticas pedagógicas desenvolvidas no AEE. A partir de registros de um projeto envolvendo 23 professoras e suas práticas, tomamos situações relatadas em diários de campo, explicitando o trabalho pedagógico e as relações de ensino com alunos com deficiência, dando ênfase às possibilidades de redimensionamento de práticas pedagógicas nos processos de formação docente. Nosso estudo considera a necessidade de uma melhor formação teórica e um maior engajamento político por parte dos professores, de modo que tenham maior clareza daquilo que fundamenta suas práticas, para que contribuam na luta pelo direito à educação de qualidade para todos na escola pública.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gláucia Uliana Pinto, Universidade Metodista de Piracicaba

Doutorado (2010) em Educação pela Universidade Metodista de Piracicaba e Pós-Doutorado pelo Centro Universitário Moura Lacerda.

         

 

Mateus Henrique do Amaral, Universidade Metodista de Piracicaba

Professor de Língua Portuguesa (PEB II) na Prefeitura de Vinhedo/SP.

     

Referências

Amaral, L. A. (1998). Sobre crocodilos e avestruzes: falando de diferenças físicas, preconceitos e sua superação. In J. G. Aquino (Org.), Diferenças e preconceito na escola: alternativas teóricas e práticas (8a ed., pp. 11-30). São Paulo: Summus.

Amaral, L. A. (2002). Diferenças, estigma e preconceito: o desafio da inclusão. In M. K. Oliveira, D. T. R. Souza, & T. C. Rego (Orgs.), Psicologia, educação e as temáticas da vida contemporânea (pp. 233-248). São Paulo: Moderna.

American Association on Mental Retardation. (2011). Retardo mental: definição, classificação e sistemas de apoio (M. F. Lopes, trad., 11a ed.). Porto Alegre: Artmed

Caiado, K. R. M., Baptista, C. R., & Jesus, D. M. (2017). Deficiência mental e deficiência intelectual em debate. In K. R. M. Caiado, C. R. Baptista, & D. M. de Jesus (Orgs.), Deficiência mental e deficiência intelectual em debate (pp. 15-47). Uberlândia: Navegando.

De Carlo, M. M. R. P. (1999). Se essa casa fosse nossa...: instituições e processos de imaginação na educação especial. São Paulo: Plexus.

Duarte, N. (2013). Vigotski e a pedagogia histórico-crítica: a questão do desenvolvimento psíquico. Nuances, 24(1), 19-29.

Góes, M. C. R., & Cruz, M. N. (2006). Sentido, significado e conceito: notas sobre as contribuições de Lev Vigotski. Pro-posições, 17(2), 31-45.

Jannuzzi, G. M. (2012). A educação do deficiente no Brasil: dos primórdios ao início do século XXI. Campinas: Autores Associados.

Kassar, M. C. M. (2014). A formação de professores para a educação inclusiva e os possíveis impactos na escolarização de alunos com deficiências. Cadernos Cedes, 34(93), 207-224.

Laplane, A. L. F. (2014). Condições para o ingresso e permanência de alunos com deficiência na escola. Caderno Cedes, 34(93), 191-205.
Laplane, A. L. F. (2016). Trajetórias escolares e deficiência: reflexões sobre os dados do Censo Escolar. In S. L. Victor, & I. M. de Oliveira (Orgs.), Educação Especial: políticas e formação de professores (pp. 35-45). Marília: ABPEE.

Lüdke, M., & Cruz, G. B. (2005). Aproximando universidade e escola de educação básica pela pesquisa. Cadernos de Pesquisa, 35(125), 81-109.

Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. (2014). Aprova o Plano Nacional de Educação (PNE) e dá outras providências. Brasília: Câmara dos Deputados/Edições Câmara.

Luria, A. R. (2016). Vigotski. In L. S. Vigotskii, A. R. Luria, & A. N. Leontiev, Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem (Maria de Pena Villalobos, trad., 14ª ed., pp. 21-37). São Paulo: Ícone.

Marsiglia, A. C. G. (2010). Relações entre desenvolvimento infantil e o planejamento de ensino. In L. M. Martins, & N. Duarte (Orgs.), Formação de professores: limites contemporâneos e alternativas necessárias (pp. 99-119). São Paulo: Editora Unesp.

Marsiglia, A. C. G. (2012). O tema da diversidade na perspectiva da pedagogia histórico-crítica. In A. C. G. Marsiglia, & E. L. Batista (Orgs.), Pedagogia histórico-crítica: desafios e perspectivas para uma educação transformadora (pp. 109-146). Campinas: Autores Associados.

Martins, L. M. (2010). O legado do século XX para a formação de professores. In L. M. Martins, & N. Duarte (Orgs.), Formação de professores: limites contemporâneos e alternativas necessárias (pp. 12-31). São Paulo: Editora Unesp.

Martins, L. M. (2013). O desenvolvimento do psiquismo e a educação escolar: contribuições à luz da psicologia histórico-cultural e da pedagogia histórico-crítica. Campinas: Autores Associados.

Martins, L. M., & Rabatini, V. G. (2011). A concepção de cultura em Vigotski: contribuições para a educação escolar. Revista Psicologia Política, 11(22), 345-358.

Meletti, S. M. F., & Ribeiro, K. (2014). Indicadores educacionais sobre a educação especial no Brasil. Caderno Cedes, 34(93), 175-189.

Mello, S. A., & Lugle, A. M. C. (2014). Formação de professores: implicações pedagógicas da teoria histórico-cultural. Revista Contrapontos, 14(2), 259-274.

Mendes, G. M. L., Silva, F. C. T., & Pletsch, M. D. (2011). Atendimento educacional especializado: por entre políticas, práticas e currículo, um espaço-tempo de inclusão? In Anais do seminário nacional de pesquisa em Educação Especial (CD-ROM). UFES/UFGRS/UFSCar, Nova Almeida.

Moreira, L. C., & Carvalho, A. P. (2014). (Des)continuidade nos estudos de alunos com deficiência na trajetória do ensino fundamental ao médio: uma análise inicial dos microdados MEC/INEP. Revista Educação Especial, 27(49), 283-298.

Nogueira, A. L. H. (2012). Concepções de “trabalho docente”: as condições concretas e os discursos das prescrições oficiais. Educação e Sociedade, 33(121), 1237-1254.

Omote, S. (1994). Deficiência e não deficiência: recortes do mesmo tecido. Revista Brasileira de Educação Especial, 1(2), 65-73.

Paisan, M. S., Mendes, E. G., & Cia, F. (2017). Atendimento educacional especializado: aspectos da formação do professor. Cadernos de Pesquisa, 47(165), 964-981.

Pino, A. (2005). As marcas do humano: às origens da constituição cultural da criança na perspectiva de Lev. S. Vigotski. São Paulo: Cortez.

Pletsch, M. D. (2016a). Dimensões da formação de professores no contexto de políticas de inclusão escolar à luz da perspectiva histórico-cultural. In S. L. Victor, & I. M. de Oliveira (Orgs.), Educação Especial: políticas e formação de professores (pp. 213-222). Marília: ABPEE.

Pletsch, M. D. (2016b). Educação Especial e inclusão escolar nos planos municipais de educação da Baixada Fluminense: avanços, contradições e perspectivas. Comunicações, 23(3), 81-95.

Pletsch, M. D., & Glat, R. A. (2012). A escolarização de alunos com deficiência intelectual: uma análise da aplicação do Plano de Desenvolvimento Educacional Individualizado. Revista Linhas Críticas, 18(35), 193-208.

Pletsch, M. D., & Oliveira, M. C. P. (2014). Políticas de educação inclusiva: considerações sobre a avaliação da aprendizagem de alunos com deficiência intelectual. Revista Educação, Artes e Inclusão, 10(2), 125-137.

Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva de 2008. (2008). Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial.

Resolução nº 4, de 2 de outubro de 2009. (2009). Institui Diretrizes Operacionais para o Atendimento Educacional Especializado na Educação Básica, modalidade Educação Especial. Brasília: Câmara de Educação Básica, Conselho Nacional de Educação.

Rummert, S. M., Algebaile, E., & Ventura, J. (2013). Educação da classe trabalhadora brasileira: expressão do desenvolvimento desigual e combinado. Revista Brasileira de Educação, 18(54), 717-738.

Saccomani, M. C. S., & Coutinho, L. C. S. (2015). Da formação inicial de professores à formação continuada: contribuições da pedagogia histórico-crítica na busca de uma formação emancipadora. Germinal, 7(1), 233-242.

Saviani, D. (1984). Escola e democracia. São Paulo: Cortez.

Saviani, D. (2005). Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. Campinas: Autores Associados.

Silva, R. H. R. (2014). Contribuições da pedagogia histórico-crítica para a educação especial brasileira. Revista HISTEDBR, 14(58), 78-89.

Vieira, A. B., & Borges, C. S. (2017). As práticas pedagógicas e o atendimento educacional especializado: um olhar para além das salas de recursos multifuncionais. In K. R. M. Caiado, C. R. Baptista, & D. M. de Jesus (Orgs.), Deficiência mental e deficiência intelectual em debate (pp. 303-323). Uberlândia: Navegando.

Vigotski, L. S. (1982). Problemas de psicologia general. Obras escogidas (José María Bravo, trad., tomo 2). Madri: Aprendizaje Visor.

Vigotski, L. S. (1995). Obras escogidas (Tomo 3). Madrid: Visor.

Vigotski, L. S. (2001). A construção do pensamento e da linguagem (Paulo Bezerra, trad.). São Paulo: Martins Fontes.

Vigotskii, L. S. (2016). Aprendizagem e desenvolvimento intelectual na idade escolar. In L. S. Vigotskii, A. R. Luria, & A. N. Leontiev, Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem (Maria de Pena Villalobos, trad., 14a ed., pp. 103-117). São Paulo: Ícone.
Publicado
2020-01-13
Como Citar
Pinto, G. U., & Amaral, M. H. do. (2020). Formação docente continuada e práticas de ensino no atendimento educacional especializado. Pro-Posições, 30, 1-20. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8658079
Seção
Artigos