A importância do ato de ler

aproximações e distanciamentos teórico-metodológicos em Paulo Freire

Palavras-chave: Leitura, Paulo Freire, Alfabetização e letramento, Fenomenologia, Materialismo histórico.

Resumo

Este artigo discute a importância da leitura nos processos de alfabetização e letramento. Para isso, analisou-se o tratamento dado à essa prática pelo educador Paulo Freire na perspectiva teórico-metodológica da fenomenologia aliada ao existencialismo cristão, expressa na obra A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. Freire foi o defensor da “palavramundo”, compreendida como a inter-relação entre o alfabetizar e o letrar. Na análise proposta, utilizaram-se autores que dialogam com Freire, entre eles, Mikhail Bakhtin e Magda Becker Soares. Este artigo também apresenta alguns reflexos das contribuições do educador para a efetivação da “palavramundo”, bem como aproximações e distanciamentos entre a fenomenologia de Paulo Freire e o materialismo histórico de Karl Marx.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sandra do Rocio Ferreira Leal, Universidade Estadual de Ponta Grossa

Graduada em Letras Português/Inglês pela Universidade Estadual de Ponta Grossa.

         
Maria Isabel Moura , Universidade Estadual de Ponta Grossa

Pós-Doutorado em História e Filosofia da Educação pela Universidade Estadual de Campinas-UNICAMP (2011).

         

Referências

Alves, S. (2015, 31 de março). Afinal, o que é um clássico literário? Homo Literatus. Recuperado de https://homoliteratus.com/afinal-o-que-e-um-classico-literario/.

Bakhtin, M. (2000). Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes.

Bottomore, T. (2001). Dicionário do pensamento marxista. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Brasil (1998). Parâmetros curriculares nacionais: Terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: Língua portuguesa. Brasília, DF: MEC/SEF.

Brasil (2013). Diretrizes curriculares nacionais para a educação básica. Brasília, DF: MEC/SEF.

Bronckart, J. P. (1999). Atividades de linguagem, textos e discursos: Por um interacionismo sócio-discursivo. São Paulo: Educ.

Cidadania. (n.d.). In Dicio: Dicionário Online de Português. Recuperado de https://www.dicio.com.br/cidadania/.

Costa-Hübes, T. C. (2009). Reflexões teórico-metodológicas para o trabalho com os gêneros textuais nas aulas de língua portuguesa. In Anais do Simpósio Internacional de Estudos de Gêneros Textuais (pp. 1-17). Universidade de Caxias do Sul, Caxias do Sul. Recuperado de https://www.ucs.br/ucs/extensao/agenda/eventos/vsiget/portugues/anais/arquivos /reflexoes_teoricometodologicas_para_o_trabalho_com_os_generos_textuais_nas_aulas.pdf.

Dias, E., Mesquita, E. M. C., Finotti, L. H. B., Otoni, M. A. R., Lima, M. C. L., & Rocha, M. A. F. (2011). Gêneros textuais e(ou) gêneros discursivos: Uma questão de nomenclatura? Revista Interacções, 19, 142-155. Recuperado de http://revistas.rcaap.pt/interaccoes/article/viewFile/475/429.

Feitosa, S. C. S. (1999). Método Paulo Freire: Princípios e práticas de uma concepção popular de educação. Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Freire, A. M. A. (2001). Paulo Freire: Sua vida, sua obra. Educação em Revista, 2(1), 1-12. Recuperado de http://www2.marilia.unesp.br/revistas/index.php/educacaoemrevista/article/view/6 63/546

Freire, P. (1987). Pedagogia do oprimido. São Paulo: Paz e Terra.

Freire, P. (1989). A importância do ato de ler: Em três artigos que se completam. São Paulo: Autores Associados.

Gadotti, M. (1989). Convite à leitura de Paulo Freire. São Paulo: Scipione.

Geraldi, J. W. (1997). O texto na sala de aula. São Paulo: Ática. Leite, F. B. (2011). Mikhail Mikhailovich Bakhtin: Breve biografia e alguns conceitos. Revista Magistro, 1(1), 43-63.

Leite, F. R., & Cadei, M. M. S. (2016). Analfabetismo funcional: Uma realidade preocupante. Revista Científica do Instituto Ideia, 1, 13-19.

Marx, K. (n.d.). Teses sobre Feuerbach. In K. Marx & F. Engels, Obras escolhidas (Vol. 3, p. 208- 210). São Paulo: Alfa-Ômega.

Marx, K., & Engels, F. (2005). A ideologia alemã (F. Müller, trad.). São Paulo: Martin Claret.

Marx, K., & Engels, F. (2011). Manifesto do partido comunista. Petrópolis: Vozes.

Michels, L. B., & Volpato, G. (2011). Marxismo e fenomenologia nos pensamentos de Paulo Freire. Revista Digital do Paideia: Filosofia e Educação, 3(1), 122-134.

O exílio (2005, 6 de dezembro). Paulo Freire: Educar para transformar. Recuperado de http://www.projetomemoria.art.br/PauloFreire/biografia/05_biografia_exilio.html.

O existencialismo cristão (1987). In História do pensamento, 58 (pp. 689-690). São Paulo: Nova Cultural. Recuperado de http://www.oocities.org/sociedadecultura2/existencialismocristao.html.

Pelandré, N. L. (1998). Efeitos a longo prazo do método de alfabetização Paulo Freire (Vols. 1-2). Tese de Doutorado, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Rangel, J. N. M. (2005). Leitura na escola: Espaço para gostar de ler. Porto Alegre: Mediação.

Saviani, D. (1987). Escola e democracia. São Paulo: Cortez, 1987.

Scorsolini-Comin, F. (2014). Diálogo e dialogismo em Mikhail Bakhtin e Paulo Freire: contribuições para a educação a distância. Educação em Revista, 30(3), 245-265.

Severino, A. J. Prefácio. In P. Freire (1989), A importância do ato de ler: Em três artigos que se completam (p. 7). São Paulo: Autores Associados.

Silva, R. A. (2017). O conceito de práxis em Marx. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal.

Silva, J. M. O., Lopes, R. L. M., & Diniz, N. M. F. (2008). Fenomenologia. Revista Brasileira de Enfermagem, 61(2), 254-257. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/reben/v61n2/a18v61n2.pdf.

Soares, M. B. (2003). Alfabetização e letramento. São Paulo: Contexto.

Soares, M. B. (2004). Letramento e alfabetização: As muitas facetas. Revista Brasileira de Educação, (25), 5-17.

Soares, M. B. (2016). Alfabetização: A questão dos métodos. São Paulo: Contexto.
Sousa, A., Martins, B. M., & Scarpelli, C. G. (2012). A apropriação do conhecimento em bibliotecas populares e sua relação com a leitura a partir da “palavramundo” sob a ótica de Paulo Freire. In Actas del Congreso Iberoamericano de las Lenguas em la Educación y en la Cultura/Congreso Leer (pp. 1-8). Organización de Estados Iberoamericanos, Salamanca Recuperado de https://www.oei.es/historico/congresolenguas/comunicacionesPDF/DeSousa_Alline .pdf.

Souza, H. G. (2013). Contra-hegemonia: Um conceito de Gramsci. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

Vygotsky, L. S. (1989). A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes.

Zanella, J. L. (2007). Considerações sobre a filosofia da educação de Paulo Freire e o marxismo. Quaestio: Revista de Estudos da Educação, 9(1), 101-122. Recuperado de http://periodicos.uniso.br/ojs/index.php/quaestio/article/view/170.
Publicado
2020-01-13
Como Citar
Leal, S. do R. F., & Moura , M. I. (2020). A importância do ato de ler. Pro-Posições, 30, 1-23. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8658096
Seção
Artigos