Masculinidades, feminilidades e dimensão brincalhona

reflexões sobre gênero e docência na educação infantil

Palavras-chave: Educação infantil, Gênero, Dimensão brincalhona, Profissão docente.

Resumo

O artigo apresenta uma articulação entre gênero e docência na educação infantil, por meio de reflexões acerca das masculinidades e feminilidades presentes nestas instituições, resultado de um minucioso processo que, ao longo da vida, deixa marcas nos corpos de meninas e meninos, professoras e professores. Ao considerar a dimensão brincalhona como principal requisito desta profissão docente, marcada por padrões de comportamento sociais femininos, foi realizado um estudo de caso, em uma creche/pré-escola universitária, com observação da jornada educativa de um grupo de crianças e professora; momentos coletivos com outras crianças e profissionais; entrevistas semiestruturadas com a professora e com o único professor, revelando disponibilidades corporais e formas distintas como as marcas da socialização distanciam e/ou aproximam a dimensão brincalhona de ambos e questionando a passividade e a submissão que possam caracterizar as feminilidades nas creches e pré-escolas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Patrícia Dias Prado, Universidade de São Paulo

Pós-Doutorado em Artes Cênicas, pela Escola de Comunicação e Artes, ECA -USP/SP.

                   
Viviane Soares Anselmo, Universidade de São Paulo

 Atualmente trabalha com formação continuada de profissionais da Educação Infantil.

                     

Referências

Anselmo, V. S. (2013). Corpos, gestos e movimentos: um estudo sobre a dimensão brincalhona das professoras da educação infantil. Trabalho de iniciação científica, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Ávila, M. J. (2002). As professoras de crianças pequenininhas e o cuidar e educar. In Anais da 25ª Reunião Anual da Anped (pp. 1-16), Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação, Caxambu.

Badinter, E. (1993) XY: sobre a identidade masculina. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Calaresi, B. O. (2011). Crianças pequenininhas e as relações de gênero na educação infantil. Série Iniciação Científica FEUSP, 7, 3-31.

Carvalho, R. S. (2015). A generificação da docência na educação infantil: desconstruindo lições presentes em livros de formação de professores/as. In D. Finco, M. A. Gobbi, & A. L. G. Faria (Orgs.), Creche e feminismo: desafios atuais para uma educação descolonizadora (pp. 95- 115). São Paulo: Fundação Carlos Chagas.

Cerisara, A. B. (1996). A construção da identidade das profissionais de educação infantil: entre o feminino e o profissional. Tese de doutorado, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Cerisara, A. B. (2015). Em busca da identidade das profissionais da educação infantil. Recuperado de https://docplayer.com.br/6471631-Em-busca-da-identidade-das-profissionais-deeducacao-infantil.html.

Daolio, J. (2000). Da cultura do corpo. Campinas: Papirus.

Fernandes, I. S. (2014). Brincadeira, corpo e movimentos: um estudo sobre a dimensão brincalhona dos professores da educação infantil. Trabalho de iniciação científica, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Finco, D. (2007). Linguagens corporais de meninas e meninos na educação infantil. In Anais do V Seminário de Linguagens na educação infantil e 16º Congresso de Leitura do Brasil (pp. 1-10), Universidade de Campinas, Campinas.

Finco, D. (2010). Educação infantil, espaços de confronto e convívio com as diferenças: análise das interações entre professoras e meninas e meninos que transgridem as fronteiras de gênero. Tese de doutorado, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Ghedini, P. O. (1994). Entre a experiência e os novos projetos: a situação da creche na Itália. In F. Rosemberg, & M. M. Campos (Orgs.), Creches e pré-escolas no Hemisfério Norte (pp. 189-209). São Paulo: Cortez; Fundação Carlos Chagas.

Gobbi, M. A. (2007). Ver com olhos livres: arte e educação na primeira infância. In A. L. G. Faria (Org.), O coletivo infantil em creches e pré-escolas: falares e saberes (pp. 29-54). São Paulo: Cortez.

Gobbi, M. A. (2015). Lápis vermelho é de mulherzinha. Vinte anos depois… In D. Finco, M. A. Gobbi, & A. L. G. Faria (Orgs.), Creche e feminismo: desafios atuais para uma educação descolonizadora (pp. 95-115). São Paulo: Fundação Carlos Chagas.

Kishimoto, T. M. (1999). Política de formação profissional para a educação infantil: pedagogia e normal superior. Educação & Sociedade, 20(68), 61-79.

Larrosa Bondía, J. (2002). Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Revista Brasileira de Educação, 19, 20-28.

Lüdke, M., & André, M. E. D. A. (1986). Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU.

Marcellino, N. C. (1990). Pedagogia da animação. Campinas: Papirus.

Prado, P. D. (1999). Dar voz e ouvidos às crianças pequenininhas: a dimensão brincalhona em cena. Cadernos de Educação de Infância, (49), 39-40.
Prado, P. D. (2006). Contrariando a idade: condição infantil e relações etárias entre crianças pequenas na educação infantil. Tese de doutorado, Universidade de Campinas, Campinas.

Prado, P. D. (2011). “Agora ele é meu amigo”: pesquisa com crianças, relações de idade, educação e culturas infantis. In A. J. Martins Filho, & P. D. Prado (Orgs.), Das pesquisas com crianças à complexidade da infância (pp. 107-128). Campinas: Autores Associados.

Prado, P. D. (2015). Por uma pedagogia da educação infantil de corpos inteiros. In J. C. Melo, & T. H. Chahini (Orgs.). Reflexões e práticas na formação continuada de professores da educação infantil (pp. 205-219). São Luís, MA: EdUFMA.

Ramos, J. (2011). Um estudo sobre os professores homens da educação infantil e as relações de gênero na Rede Municipal de Belo Horizonte – MG. Dissertação de mestrado, Pontifícia Universidade Católica, Belo Horizonte.

Rosemberg, F., & Amado, T. (1992). Mulheres na escola. Cadernos de Pesquisa, (80), 62-74.

Rosemberg, F., & Saparolli, E. (1996). O homem como educador infantil. In Anais da 20ª Reunião da Anpocs, Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais, Caxambu.

Saparolli, E. (1997). Educador infantil: uma ocupação de gênero feminino. Dissertação de mestrado, Pontifícia Universidade Católica, São Paulo.

Sayão, D. T. (2005). Relações de gênero e trabalho docente na educação infantil: um estudo de professores em creche. Tese de doutorado, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Sayão, D. T. (2008). Cabeças e corpos, adultos e crianças: cadê o movimento e quem separou tudo isso? Revista Eletrônica de Educação, 2(2), 92-105.

Scott, J. W. (1995). Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade, 20(2), 71-99.
Scraton, S. (1992). Educación física de las niñas: un enfoque feminista. Madrid: Morata.

Silva, A. S. (2003). A professora de educação infantil e sua formação universitária. Tese de doutorado, Universidade de Campinas, Campinas.

Silva, P. R. (2014). Não sou tio, nem pai, sou professor!: a docência masculina na educação infantil. Dissertação de mestrado, Universidade de Campinas, Campinas.

Vianna, C. P. (2013). A feminização do magistério na educação básica e os desafios para a prática e a identidade coletiva docente. In S. C. Yannoulas (Coord.), Trabalhadoras: análise da feminização das profissões e ocupações (pp. 159-180). Brasília, DF: Abaré.

Vianna, C. P., & Finco, D. (2009). Meninas e meninos na educação infantil: uma questão de gênero e poder. Cadernos Pagu, (3), 265-283.

Vieira, F. R., & Gozzi, R. M. (2010). A estética como marca da cultura. In A. M. Mello, C. M. S. Corrêa, F. R. Vieira, N. Bortolaci, R. H. Flauzino, & V. C. D. Sobral, O dia-a-dia das creches e pré-escolas: crônicas brasileiras (pp. 101-116). Porto Alegre: Artmed.

Williams, C. (1995). Still a man’s world: men who do “women work”. Berkeley: University of California Press.

Grossi, M., Heilborn, M. L., & Rial, C. (1998). Entrevista com Joan Wallach Scott. Estudos Feministas, 6(1), 114-125.
Publicado
2020-01-13
Como Citar
Prado, P. D., & Anselmo, V. S. (2020). Masculinidades, feminilidades e dimensão brincalhona. Pro-Posições, 30, 1-21. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8658099
Seção
Artigos