O potencial educativo dos romances de ficção científica

leituras de Verne, Wells, Asimov e Clarke

Autores

Palavras-chave:

Ficção científica, Concepções de ciência, Análise de conteúdo

Resumo

Este artigo foi escrito para divulgar os principais caminhos e resultados de uma investigação acerca do potencial educativo da literatura de ficção científica. Partindo de sete categorias inspiradas na síntese de Pérez, Montoro, Alís, Cachapuz e Praia, da epistemologia de Fourez, e considerando os elementos do texto narrativo, como indicados por Gancho, buscamos compreender a forma como a ciência é representada em quatro romances clássicos do gênero. Dentre os resultados mais importantes destacamos diversas relações entre ciência, tecnologia e sociedade (CTS), que podem ser exploradas no contexto do ensino de ciências, para a formação do cidadão crítico e reflexivo com relação à própria ciência. Por essa razão, fortes conexões puderam ser traçadas entre esta pesquisa e a discussão que Santos e Mortimer fazem dos pressupostos teóricos da abordagem CTS.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Túlio Ferneda, Instituto Federal de São Paulo

Doutorado em Educação pela Universidade Federal de São Carlos. Auxiliar em Assuntos Educacionais do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de São Paulo.

Alice Helena Campos Pierson, Universidade Federal de São Carlos

Doutorado em Educação pela Universidade de São Paulo. Professora associada da Universidade Federal de São Carlos.

Referências

Ferreira, J. C. D., & Raboni, P. C. A. (2010). A utilização da obra de Júlio Verne como fonte de possibilidades no ensino de física. In II Simpósio Nacional de Educação e XXI Semana de Pedagogia. Unioeste, Cascavel.

Ferreira, J. C. D., & Raboni, P. C. A. (2013). A ficção científica de Júlio Verne e o ensino de física: uma análise de “Vinte mil léguas submarinas”. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 30(1), 84-103.

Ferreira, J. C. D. (2013). A volta ao mundo em oitenta conceitos científicos: Júlio Verne e o ensino de física. In XI Congresso Nacional de Educação Educere. PUC-PR, Curitiba.

Fourez, G. (1995a). Idealismo e história humana. In A construção das ciências: introdução à filosofia e à ética das ciências (L. P. Rouanet, trad.). São Paulo: Unesp.

Fourez, G. (1995b). Ciência, poder político e ético. In A construção das ciências: introdução à filosofia e à ética das ciências (L. P. Rouanet, trad.). São Paulo: Editora Unesp.

Gancho, C. V. (2006). Como analisar narrativas. São Paulo: Ática.

Gomes, E. F., Amaral, S. C. M., & Piassi, L. P. C. (2010). A máquina do tempo de H. G. Wells: uma possibilidade de interface entre ciência e literatura no ensino de física. Ensino, Saúde e Ambiente, 3(2), 144-154.

Marx, K. (1996). Legislação fabril: sua generalização na Inglaterra. In O capital: crítica da economia política (Livro Primeiro, Tomo 2, pp. 107-129, R. Barbosa & F. R. Kothe, trad.). São Paulo: Nova Cultural.

Moraes, R. (1999). Análise de conteúdo. Revista Educação, 22(37), 7-23.

Morin, E. (2005a). Teses sobre a ciência e a ética. In Ciência com consciência (M. D. Alexandre & M. A. S. Dória, trad.). Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Morin, E. (2005b). A ideia de progresso do conhecimento. In Ciência com consciência (M. D. Alexandre & M. A. S. Dória, trad.). Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Oliveira, A. A, & Zanetic, J. (2008). Critérios para analisar e levar para a escola a ficção científica. In XI Encontro de Pesquisa em Ensino de Física. UTFPR, Curitiba.

Pérez, D. G., Montoro, I. F., Alís, J. C., Cachapuz, A., & Praia, J. (2001). Para uma imagem não deformada do trabalho científico. Ciência & Educação, 7(2), 125-153.

Piassi, L. P. C., & Pietrocola, M. (2005). Ficção científica no ensino de física: utilizando um romance para desenvolver conceitos. In XVI Simpósio Nacional de Ensino de Física. Cefet, Rio de Janeiro.

Piassi, L. P. C. (2007). Contatos: a ficção científica no ensino de ciência em um contexto sociocultural. Tese de Doutorado, Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Piassi, L. P. C. (2011). Robôs e androides: a abordagem de questões sociopolíticas de ciência e tecnologia em sala de aula. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 11(3), 165- 184.

Roberts, A. (2002). Defining science fiction. In Science fiction. London: Routledge. Rosa, C. A. P. (2012). História da ciência: a ciência e o triunfo do pensamento científico no mundo contemporâneo (vol. 3, pp. 15-24). Brasília, DF: Fundação Alexandre de Gusmão.

Santos, W. L. P., & Mortimer, E. F. (2002). Uma análise dos pressupostos teóricos da abordagem CTS (Ciência – Tecnologia – Sociedade) no contexto da educação brasileira. Ensaio – Pesquisa em Educação em Ciências, 2(2), 110-132.

Wells, H. G. (2011a). Os novos impérios ultramarinos do navio a vapor e das ferrovias. In Uma breve história do mundo (R. Breunig, trad.). Porto Alegre: L&PM.

Wells, H. G. (2011b). A revolução industrial. In Uma breve história do mundo (R. Breunig, trad.). Porto Alegre: L&PM.

Zanetic, J. (2006). Física e Arte: uma ponte entre duas culturas. Pro-Posições, 17(1), 39-57.

Downloads

Publicado

2020-01-20

Como Citar

FERNEDA, T. .; PIERSON, A. H. C. . O potencial educativo dos romances de ficção científica: leituras de Verne, Wells, Asimov e Clarke . Pro-Posições, Campinas, SP, v. 31, p. e20160067, 2020. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8660694. Acesso em: 25 set. 2021.

Edição

Seção

Artigos