Banner Portal
Relações intergeracionais no mercado brasileiro de formação docente
REMOTO

Palavras-chave

Formação de professores
Relações intergeracionais
Práticas docentes
Mercado simbólico
Profissionalização docente

Como Citar

SARTI, Flavia Medeiros. Relações intergeracionais no mercado brasileiro de formação docente: antigos e novos desafios a considerar. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 32, p. e20180082, 2021. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8666749. Acesso em: 16 abr. 2024.

Resumo

Este artigo, baseado em revisão de literatura, focaliza o caso brasileiro da formação docente, destacando limites que se impõem para o reconhecimento de sua dimensão iniciática e do potencial formativo das relações intergeracionais estabelecidas no magistério. A formação de professores é assumida como um espaço concorrencial marcado por lutas simbólicas que, conforme perspectiva bourdieusiana, permitem a transfiguração de certas relações de dominação presentes no campo educacional. Considera-se que as relações intergeracionais docentes alcançam reduzido valor em tal mercado simbólico, sobretudo em função do processo histórico de desvalorização das práticas docentes e do lugar de pouco poder que os professores brasileiros ocupam nesse espaço concorrencial. Essa fragilização simbólica dos professores se intensificou nas últimas décadas, com a emergência de uma perspectiva gerencialista de formação docente, que tem provocado uma degeneração dos processos de profissionalização do magistério. Tal contexto impõe novos desafios nos planos epistemológico, político e cultural para a produção de um modelo profissional de formação docente no qual os professores da escola ocupem lugar mais ativo na formação das novas gerações docentes. O enfrentamento desses desafios demanda, entre outras ações, o resgate do movimento de profissionalização dos professores, para o qual a universidade pode desempenhar relevante papel.

REMOTO

Referências

Altet, M. (2009). Conclusion: des tensions entre professionnalisation et universitarisation en formation d’enseignants à leur articulation: curriculum et transactions nécessaires. In R. Etienne, M. Altet, C. Lessard, L. Pasquay, P. Perrenoud (Orgs.). L’université peut-elle vraiment former les enseignants : Quelles tensions ? Quelles modalités ? Quelles conditions ? (pp. 215-232). Louvain-la-Neuve: De Boeck.

Azanha, J. M. P. (1987). Educação: alguns escritos São Paulo: Companhia Editora Nacional.

Azanha, J. M. P. (2004). Uma reflexão sobre a formação do professor da escola básica. Educação e Pesquisa, 30(2), 369-378.

Ball, S. J. (2005). Profissionalismo, gerencialismo e performatividade. Cadernos de Pesquisa, 35(126), 539-564.

Bernstein, B. (2000). Official knowledge and pedagogic identities: the politics of recontextualising. In S. J. Ball (Ed.), The sociology of education: major themes London: Routledge Falmer.

Borges, C. (2008). A formação docente em Educação Física em Quebec: Saberes, espaços, culturas e agentes. In C. Traversini (Org.), Trajetórias e processos de ensinar e aprender: práticas e didáticas (pp. 147-174). Porto Alegre: EdiPUCRS.

Bourdieu, P. (2003a). O campo científico. In R. Ortiz (Org.), A sociologia de Pierre Bourdieu (pp. 112-143). São Paulo: Olho d’Água.

Bourdieu, P. (2003b). Esboço de uma teoria da Prática. In R. Ortiz (Org.), A sociologia de Pierre Bourdieu (pp. 39-72). São Paulo: Olho d’Água.

Bourdoncle, R. (1990). De l’instituteur à l’expert: les IUFM et l’évolution des institutions de formation. Recherche et Formation, 8(1), 57-72.

Bourdoncle, R. (2000). Professionnalisation, formes et dispositifs. Recherche et Formation, 35(1), 117-132.

Carvalho, M. M. C. de. (2000). Modernidade pedagógica e modelos de formação docente. São Paulo em Perspectiva, 14(1), 111-120.

Certeau, M. de. (1994). A invenção do cotidiano: artes do fazer (6a ed.). Petrópolis: Vozes.

Chartier, A.-M. (1999). Os futuros professores e a leitura. In A. A. G. Batista, A. M. de O. GALVÂO (Orgs.), Leitura: práticas, impressos, letramentos (pp. 89-97) Belo Horizonte: Autêntica.

Chevallard, Y. (1991). La transposition didactique: du savoir savant au savoir enseigné (2a ed.). Grenoble: La Pensée Sauvage.

Cyrino, M. (2016). Do acolhimento ao acompanhamento compartilhado: a construção colaborativa de uma proposta para o estágio curricular no curso de pedagogia Tese de doutorado, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro.

Decreto-Lei nº 8.530, de 2 de janeiro de 1946. (1946, 4 de janeiro). Lei Orgânica do Ensino Normal. Diário Oficial da União Recuperado de http://www2.camara.leg.br/legin/fed/declei/1940-1949/decreto-lei-8530-2-janeiro-1946-458443-publicacaooriginal-1-pe.html

Decreto-Lei nº 1.190, de 4 de abril de 1939. (1939, 6 de abril). Dá organização à Faculdade Nacional de Filosofia. Diário Oficial da União Recuperado de http://www2.camara.leg.br/legin/fed/declei/1930-1939/decreto-lei-1190-4-abril-1939-349241-publicacaooriginal-1-pe.html

Goodson, I., & Hargreaves, A. (2008) Mudança educativa e crise do profissionalismo. In I. Goodson, Conhecimento e vida profissional (pp. 209-221). Porto: Porto Editora.

Houssaye, J. (1988). Triangle pédagogique: théorie et pratiques de l’éducation scolaire Bern: Peter Lang.

Lang, V. (1996). Professionnalisation des enseignants, conceptions du métier, modèles de formation. Recherche et Formation, 23(1), 9-27.

Lourenço Filho, M. B. (2001). A formação de professores: da Escola Normal à Escola de Educação Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais.

Nóvoa, A. (1999a). Prefácio à segunda edição. In A. Nóvoa (Org.), Profissão professor (pp. 7-10). Porto: Porto Editora.

Nóvoa, A. (1999b). Os professores na virada do milênio: do excesso dos discursos à pobreza das práticas. Educação e Pesquisa, 25(1), 11-20.

Pérez Gómez, A. (1997). O pensamento prático do professor: a formação do professor como prático reflexivo. In: A. Nóvoa (Org.), Os professores e a sua formação (pp. 93-114). Lisboa: Dom Quixote.

Popkewitz, T., & Nóvoa, A. (2001). La fabrication de l’enseignant professionnel: la raison du savoir. Recherche et Formation, 38(1), 5-13.

Ropé, F.(1997). Dos saberes às competências? O caso do francês. In F. Ropé, & L Tanguy (Orgs.), Saberes e competências: o uso de tais noções na escola e na empresa (pp. 21-30). Campinas: Papirus.

Sarti, F. M. (2012). O triângulo da formação docente: seus jogadores e configurações. Educação e Pesquisa, 38(2), 323-338.

Saviani, D. (2009). Formação de professores: aspectos teóricos e históricos do problema no contexto brasileiro. Revista Brasileira de Educação, 14(40), 143-155.

Scheffler, I. (1974). A linguagem da educação (B. Barbosa Filho, trad.). São Paulo: Edusp.

Schön, D. (1983).The reflective practitioner: how professionals think in action New York: Basic Books.

Schön, D. (1997). Formar professores como profissionais reflexivos. In A. Nóvoa (Org.), Os professores e a sua formação (3a ed., pp. 79-91). Lisboa: Dom Quixote.

Smyth, J. (1992). Teachers’ work and the politics of reflection. American Educational Research Journal, 29(2), 267-300.

Souza, D. T. R. de. (2001). Teacher professional development and the argument of incompetence: the case of in-service elementary teacher education. Tese de doutorado, Universidade de Londres, Londres.

Souza, D. T. R. de. (2006). Formação continuada de professores e fracasso escolar: problematizando o argumento da incompetência. Educação e Pesquisa, 32(3), 477-492.

Souza, D. T. R. de, & Sarti, F. M. (2014). Mercado simbólico de formação docente. In D. T. R. de Souza, & F. M. Sarti (Orgs.), Mercado de formação docente: constituição, funcionamento e dispositivos (pp. 3-19). Belo Horizonte: Fino Traço.

Sorel, M. (2005). Préambule. In M. Sorel, & R. Wittorski (Orgs.), La professionnalisation en actes et en questions (pp. 7-10). Paris: L’Harmattan.

Tanuri, L. M. (2000). História da formação de professores. Revista Brasileira de Educação, (14), 61-88.

Tardif, M. (2006). Saberes docentes e formação profissional (6a ed.). Petrópolis: Vozes.

Tardif, M. (2013). A profissionalização do ensino passados trinta anos: dois passos para a frente, três para trás. Educação e Sociedade, 34(123) 551-571.

Tardif, M., Lessard, C., Lahaye, L. (1991). Os professores face ao saber: esboço de uma problemática do saber docente. Teoria e Educação, 4, 215-233.

Zeichner, K. M.(1993). A formação reflexiva dos professores: ideias e práticas. Lisboa: Educa.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2021 Flavia Medeiros Sarti

Downloads

Não há dados estatísticos.