O Programa elos para prevenção do abuso de drogas

repercussões no cotidiano escolar

Autores

Palavras-chave:

Jogo, Grupo, Relações, Prevenção, Saúde

Resumo

Discutem-se repercussões da implementação do Programa Elos de prevenção ao uso abusivo de drogas (Ministério da Saúde, 2013-2017) quanto à alteração de relações de assujeitamento, isolamento e desrespeito presentes no cotidiano escolar. Acompanhou-se em três escolas da região metropolitana de São Paulo a implementação do programa que é uma parceria entre professores e profissionais da saúde na realização de um jogo entre equipes de alunos. Foram realizados cinco grupos focais e nove entrevistas individuais com professores, profissionais de saúde, coordenadores pedagógicos e gestores de escola; e 20 grupos com oito a dez alunos de seis a oito anos de idade por grupo. A análise qualitativa deu visibilidade a mudanças nas relações institucionais intensificadas por práticas de grupalidade, repactuação permanente e por processos de implicação de si – de professores e de alunos – instaurados pela prática do jogo, com efeitos sobre a ampliação da potência para aprender.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eduardo Caron, Universidade de São Paulo

Doutorado em Saúde Pública pela Universidade de São Paulo. Professor da Universidade de São Paulo – Faculdade de Saúde Pública (São Paulo, SP, Brasil).

Adriana Marcondes Machado, Universidade de São Paulo

Doutorado em Psicologia Social pela Universidade de São Paulo. Professosa da Universidade de São Paulo – Instituto de Psicologia (São Paulo, SP, Brasil).

Referências

Abramovay, M., & Castro, M. G. (2005). Drogas nas escolas: versão resumida (Relatório de Pesquisa/2005), Brasília: Unesco, Rede Pitágoras.

Aquino, J. G., & Ribeiro, C. R. (2009). Processos de governamentalização e a atualidade educacional: novas modulações normativas. Educação e Realidade, 34(2),1-16.

Bondía, J. L. (2002). Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Revista Brasileira de Educação, 19, 20-28.

Brasil. Coordenação Nacional de DST/Aids. (2000). Manual do multiplicador: adolescentes Brasília: Ministério da Saúde.

Canguilhem, G. (2009). O Normal e o Patológico, 6a ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Caron, E. (2019). Experimentações intensivas: psicofármacos e produção de si no contemporâneo (Tese de doutorado) Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Carvalho, A. F. (2014). Foucault e a crítica à institucionalização da Educação: implicações para as artes de governo. Pro-Posições, 25(2), 103-120.

Carvalho, S. R. (2015). Governamentalidade, ‘Sociedade Liberal Avançada’ e Saúde: diálogos com Nikolas Rose. Interface, 19(54), 647-58.

Deleuze, G. (1992). Conversações São Paulo: Editora 34.

Escóssia, L., & Kastrup, V. (2005). O conceito de coletivo como superação da dicotomia indivíduo-sociedade. Psicologia em Estudo, 10(2), 295-304.

Figueiredo, L. C. M. (2007). A Invenção do Psicológico: quatro séculos de subjetivação, 7a ed. São Paulo: Escuta.

Foucault, M. (1988). O Nascimento da medicina social. In Foucault, M. Microfísica do poder (pp. 79-98). 6a ed. Rio de Janeiro: Graal.

Foucault, M. (2004). Tecnologias de si. Verve, 6, 321-360.

Gallo, S. (2006). Cuidar de si e cuidar do outro. In Kohan, W.O., & Gondra, J. (Orgs.) Foucault 80 anos (pp. 177-190). Belo Horizonte: Autêntica.

Gallo, S. (2012). As múltiplas dimensões do aprender. Congresso de Educação Básica COEB, Florianópolis. Recuperado de http://www.pmf.sc.gov.br/arquivos/arquivos/pdf/13_02_2012_10.54.50.a0ac3b8a140676ef8ae0dbf32e662762.pdf

Guattari, F. (1985). Revolução molecular: pulsações políticas do desejo, 2ª ed. Rio de Janeiro: Brasiliense.

Guerra, G., & Clark, N. (2010). Da coerção à coesão: Tratamento da dependência de drogas por meio de cuidados em saúde e não da punição Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime. Recuperado de https://www.unodc.org/documents/lpo-brazil/noticias/2013/09/Da_coercao_a_coesao_portugues.pdf

Kellam, S. G., Wang, W., Mackenzie, A. C., Brown, C. H., Ompad, D. C., Or, F., ... & Windham, A. (2014). The Impact of the Good Behavior Game, a Universal Classroom-Based Preventive Intervention in First and Second Grades, on High-Risk Sexual Behaviors and Drug Abuse and Dependence Disorders into Young Adulthood. Prevention Science, 15(1), 6-18.

Kruppa, S. M. P., Caramelo, J., & Terrasêca, M. (2015). A autoavaliação pode fazer diferença na qualidade da educação: conversando com John MacBeath. Educ. Pesqui, 41(n.spe), 1601-1615.

Machado, A. M. (2014). Exercer a postura crítica: desafios no estágio em psicologia escolar Psicologia: Ciência e Profissão, 34(3), 760-773.

Machado, L. V., & Boarini, M. L. (2013). Políticas Sobre Drogas no Brasil: a Estratégia de Redução de Danos. Psicologia: Ciência e Profissão, 33(3), 580-595.

Medeiros, P. F. P., Cruz, J. I., Schneider, D. R., Sanudo, A., & Sanchez, Z. M. (2016). Process evaluation of the implementation of the Unplugged Program for drug use prevention in Brazilian schools. Substance abuse treatment, prevention, and policy, 11(2). Recuperado em 18 maio 2018, de https://substanceabusepolicy.biomedcentral.com/articles/10.1186/s13011-015-0047-9

Passos, E., Kastrup, V., & Escóssia, L. (2009). Pistas do Método da Cartografia: Pesquisa-Intervenção e produção de subjetividade Porto Alegre: Sulina.

Peres, M. G., Grigolo, T. M., & Schneider, D. R. (2016). Percepções sobre um programa de prevenção ao uso de drogas nas escolas para o desenvolvimento de habilidades de vida. Saúde & Transformação Social, 6(1), 111-123.

Rose N. (1999). Governing the soul. The shaping of the private self. (2nd ed.) London, UK: Free Association Books.

Schneider, D. R., Pereira, A. P. D., Cruz, J. I.; Strelow, M., Chan, G.; Kurki, A., & Sanchez, Z. M. (2016). Avaliação da implementação em escolas brasileiras de um programa preventivo para crianças. Psicologia Ciência e Profissão, 36(3), 508-519.

Schilling, F., & Angelucci, C.B. (2016). Conflitos, violências, injustiças na escola? Caminhos possíveis para uma escola justa. Cadernos de Pesquisa, 46(161), 694-715.

Silva, N. M. A., & Freitas, A.S. (2015). A ética do cuidado de si no campo pedagógico brasileiro: modos de uso, ressonâncias e desafios. Pro-Posições, 26(1), 217-233.

Sofiato, C. G., & Angelucci, C. B. (2017). Educação inclusiva e seus desafios: uma conversa com David Rodrigues. Educ. Pesqui., 43(1), 281-295.

Teixeira, R. R. (2015). As dimensões da produção do comum e a saúde. Saúde e Sociedade, 24(1), 27-43.

United Nations on Drugs and Crime – Unodc (2015). International Standards on Drug Use Prevention Recuperado de https://www.unodc.org/documents/prevention/UNODC_2013_2015_international_standards_on_drug_use_prevention_E.pdf

Vadrucci, S., Vigna-Taglianti, F.D., Vassara, M., Scatigna, M., Faggiano, F. & Burkhart, G. (2016). The theoretical model of the school-based prevention program ‘Unplugged’. Global health promotion, 23(4), 49-58.

Vicentin, M. C. (2016). Criançar o descriançável. In Caderno de debates do Naapa: questões do cotidiano escolar (pp. 35-42). São Paulo: Secretaria Municipal de Educação/Coped.

Zorzanelli, R. T., Ortega, F., & Bezerra Júnior, B. (2014). Um pano­rama sobre as variações em torno do conceito de me­dicalização entre 1950-2010. Cien Saude Colet, 19(6):1859-1868.

Downloads

Publicado

2021-08-30

Como Citar

CARON, E. .; MACHADO, A. M. . O Programa elos para prevenção do abuso de drogas: repercussões no cotidiano escolar. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 32, p. e20190072, 2021. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8666780. Acesso em: 25 out. 2021.