A publicidade oficial do Enem representada nas mídias

um olhar para o exame como dispositivo educacional

Autores

Palavras-chave:

Avaliações em larga escala, Exame Nacional do Ensino Médio, Publicidade, Ciências

Resumo

Este artigo analisa o Enem e sua representação na publicidade, em prol de sua visibilidade e credibilidade como política nacional de avaliação de acesso ao ensino superior. Olhar o Enem como dispositivo é entendê-lo no jogo de relações de poder, anunciado como indicativo de igualdade de oportunidades que produz sujeitos. A pesquisa considera a centralidade da cultura e o papel constitutivo dos discursos que produzem significados sobre o Enem. Analisamos vídeos publicitários produzidos, de 2009 a 2018, pelo governo, veiculados em TV aberta e na Plataforma Geekie Games Enem. A pesquisa apontou que tais produções procuram “vender” uma oportunidade de futuro melhor, ao alcance de todos que o merecerem, reforçando o discurso político e educacional que mobiliza (e paralisa) as instituições.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paula Del Ponte Rocha, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutorado em Educação em Ciências Quìmica da Vida e Saúde pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Porto Alegre, RS, Brasil). 

Maira Ferreira, Universidade Federal de Pelotas

Professora Adjunta da Universidade Federal de Pelotas (Pelotas, RS, Brasil).

Referências

Brasil (2006). Secretaria da Educação Básica. Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Parâmetros Curriculares Nacionais - Ensino Médio: Orientações Curriculares para o ensino médio. v. 2. Brasília: MEC/SEB, 2006.

Brasil (2014). Enem é um caminho de oportunidades. Recuperado de: http://www.brasil.gov.br/educacao/2014/11/enem-e-um-caminho-de-oportunidades-afirma-dilma-rousseff

Brasil (2014). Portaria normativa nº 21, de 26 de dezembro de 2014. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 29 dez. 2014. Seção 1, p. 7.

Brasil (2017). Lei nº 13.415 de 16 de fevereiro de 2017. Altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 17 de fevereiro de 2017.

Brasil (2018). Base nacional comum curricular Secretaria de Educação Básica. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2018.

Carvalho, J. S. F. (2007). A qualidade de ensino vinculada à democratização do acesso à escola. Estudos Avançados, 21(60), 307-310.

Castro, E. (2009). Vocabulário de Foucault: Um percurso pelos seus ternas, conceitos e autores Belo Horizonte: Autêntica.

Dalla Zen, L. H. (2011). O dispositivo pedagógico da arte (Dissertação de Mestrado). Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil.

Deleuze, G. (1990). ¿Que és un dispositivo? In G. Deleuze. Michel Foucault, filósofo (pp. 155-161). Barcelona: Gedisa.

Deleuze, G. (1992). Conversações Rio de Janeiro: Editora 34.

Ellsworth, E. (2001). Modos de endereçamento: uma coisa de cinema; uma coisa de educação também. In Silva, T. T. da (Org.). Nunca fomos humanos Belo Horizonte: Autêntica.

Ferreira, M. (2008). A revista superinteressante, os livros didáticos de química e os parâmetros curriculares nacionais instituindo “novos” conteúdos escolares em ciências/química (Tese de doutorado). Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil.

Fischer, R. M. B. (2002). Problematizações sobre o exercício de ver: mídia e pesquisa em educação. Revista Brasileira de Educação, 20, 83-94

Fischer, R. M. B. (1996). Adolescência em discurso: mídia e produção de subjetividade (Tese de doutorado). Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil.

Foucault, M. (2000). Microfísica do poder Rio de Janeiro: Graal, 2000.

Foucault, M. (2012). História da Loucura São Paulo: Ed. Perspectiva.

Foucault, M. (2015). A arqueologia do saber 7. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Geekie. (2016). Geekie Games Enem. Recuperado de https://geekiegames.geekie.com.br/?utm_source=blog&utm_campaign=menu-blog&utm_medium=plano-estudos

Geekie (2019). Sobre a Geekie. Recuperado de: https://www.geekie.com.br/sobre-a-geekie/

Gomes, I. O. (2011). Mídia e Educação: reflexões sobre a propaganda da propaganda. Revista Espaço Acadêmico, 11(121), 87-98.

Goodson, I. (2013). As políticas de currículo e de escolarização: abordagens históricas 2a ed. Rio de Janeiro: Vozes.

Hall, S. (1997a). The Work of Representation. In: S. Hall (Org.) Representation Cultural Representations and Signifying Practices. New Delhi: Sage/Open University.

Hall, S. (1997b). A centralidade da cultura: notas sobre as revoluções de nosso tempo. Educação e Realidade 22(2). Porto Alegre.

Inep (2017). Nota de esclarecimento: encerramento do Enem por Escola Recuperado de: http://portal.inep.gov.br/artigo/-/asset_publisher/B4AQV9zFY7Bv/content/nota-de-esclarecimento-encerramento-do-enem-por-escola/21206

Jobim e Souza, S.; Gamba Jr., N. (2002). Novos suportes, antigos temores: tecnologia e confronto de gerações nas práticas de leitura e escrita. Revista Brasileira Educação, Rio de Janeiro, 21, 104-114.

Matheus, D. S.; Lopes A. C. (2014). Sentidos de qualidade na política de currículo (2003-2012). Educação & Realidade, Porto Alegre, 39(2), 337-357.

Menegão, R. C. G. (2015). Impactos da avaliação externa no currículo escolar: percepções de professores e gestores. 272f. Tese (Doutorado em Educação). Programa de Pós- Graduação em Educação da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas, Campinas, Brasil.

Meyer, D. E. (2001). Alemão, estrangeiro ou teuto-brasileiro? Representações de docência teuto-brasileira-evangélica no Rio Grande do Sul. História da Educação, Pelotas, 9, 77-93.

Moreno, A. C. (2018). Sisu cresce quatro vezes em sete anos e concentra quase metade das vagas públicas em universidades Recuperado de: https://g1.globo.com/educacao/noticia/sisu-cresce-quatro-vezes-em-sete-anos-e-concentra-quase-metade-das-vagas-publicas-em-universidades.ghtml

Popkewitz, T. S. Reforma educacional: uma política sociológica – poder e conhecimento em educação Trad. Beatriz Affonso Neves. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

Popkewitz, T. S. (2011). Pisa: Numbers, standardizing conduct, and the alchemy of school subjects. In: Pisa under examination: Changing knowledge, changing tests, and changing schools (p. 31–46). Rotterdam: Sense Publishers, 2011.

Rocha, S. M.; Matos, D.; Salvo, F.; Souto, M. (2010) Os estudos culturais e os entrelaçamentos entre comunicação e cultura: uma análise do filme Cão sem dono. Revista Interamericana de Comunicação Midiática, Santa Maria, 10(19).

Silva, E. S. (2013). A propaganda publicitária e sua significação no simbólico coletivo: análise discursiva de propagandas publicitárias do governo Dilma. 127f. (Dissertação de Mestrado). Programa em Ciências da Linguagem, Universidade Católica do Pernambuco, Brasil.

Silva, T. T. (2010). O Currículo como prática de significação. In O Currículo como Fetiche: a poética e a política do texto curricular (pp. 7-30). Belo Horizonte: Autêntica.

Travitzki, R. (2013). Enem: limites e possibilidades do Exame Nacional do Ensino Médio enquanto indicador de qualidade escolar (Tese de doutorado). Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil.

Downloads

Publicado

2021-08-30

Como Citar

ROCHA, P. D. P. .; FERREIRA, M. A publicidade oficial do Enem representada nas mídias: um olhar para o exame como dispositivo educacional. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 32, p. e20190114, 2021. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8666799. Acesso em: 25 out. 2021.