Fazendo o neoliberalismo funcionar “dentro de nós”

pedagogia das organizações da sociedade civil sem fins lucrativos e formação docente

Autores

Palavras-chave:

Formação de professores, Organizações da sociedade civil sem fins lucrativos, Pedagogia híbrida, Neoliberalismo e educação, Estudos culturais em educação

Resumo

Este artigo apresenta e discute resultados de uma pesquisa que objetivou examinar a pedagogia efetivada por organizações da sociedade civil sem fins lucrativos no nicho da formação docente e os possíveis efeitos de verdade que ela pretende disseminar. Seu corpus empírico reuniu documentos tanto sobre o funcionamento dessas instituições quanto relacionados às estratégias de implementação de tal pedagogia. A inspiração teórico-metodológica adveio da produção foucaultiana sobre discurso e dos estudos sobre pedagogias. A tese defendida é a de que as organizações investigadas efetivam uma pedagogia híbrida que produz sua própria necessidade e opera no intuito de efetivar aprendizagens por meio de processos cíclicos que têm como ponto de partida (e de chegada) modelos pré-estabelecidos. Ademais, compõe a tese a proposição de que a pedagogia analisada, ao disseminar aprendizagens relacionadas a preceitos da lógica neoliberal, seria uma das formas de fazer o neoliberalismo funcionar “dentro de nós”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mônica Knöpker, Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Santa Catarina

Professora do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Santa Catarina  (Araranguá, SC, Brasil). 

Marisa Vorraber Costa, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutorado em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Professora aposentada da Universidade Federal do Rio Grande do Sul no Programa de Pós-Graduação em Educação (Porto Alegre, RS, Brasil). 

Referências

Andrade, P. D. de (2016). Pedagogias Culturais – uma cartografia das (re)invenções do conceito Tese de doutorado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

Andrade, P. D. de, & Costa, M. V. (2017, junho). Nos rastros do conceito de pedagogias culturais: invenção, disseminação e usos. Educação em Revista, 33, pp. 1-23.

Ausubel, D. P. (1976). Psicología educativa: un punto de vista cognoscitivo Ciudad de México: Editorial Trillas.

Ball, S. J. (2014). Educação Global S.A.: Novas redes políticas e o imaginário neoliberal Ponta Grossa: Ed. UEPG.

Bauman, Z. (2007). Tempos Líquidos Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Camozzato, V. C. (2014, abril/junho). Pedagogias do Presente. Educação & Realidade, 39(2), 573-593.

Camozzato, V. C. (2015, abril/junho). Entre a pedagogia legisladora e as pedagogias intérpretes.Revista Brasileira de Educação, 20(61), 501-520.

Camozzato, V. C., & Costa, M. V. (2013a, janeiro/abril). Vontade de pedagogia – pluralização de pedagogias e condução de sujeitos. Cadernos de Educação, 44, 22-44.

Camozzato, V. C., & Costa, M. V. (2013b, setembro/dezembro). Da pedagogia como arte às artes da pedagogia. Pro-Posições, 24(3), 161-182.

Canclini, N. G. (1998). Culturas híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade (2a. ed.). São Paulo: Edusp.

Dilenburg, D. J., & Teixeira, A. C. (2011, novembro). Uma proposta de avaliação qualitativa em ambientes virtuais de aprendizagem. Anais do 22º Simpósio Brasileiro de Informática na Educação, Aracaju, SE, Brasil.

Ferreira, M. dos S. (2015). Espetacularização da Carreira Docente: Prêmio Professores do Brasil como prática da economia da educação Tese de doutorado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

Foucault, M. (2006). Est-il donc important de penser? In M. Foucault. Dits et écrits IV (1980-1988). Paris: Galimard.

Foucault, M. (2008). O nascimento da biopolítica São Paulo: Martins Fontes.

Foucault, M. (2012). Microfísica do poder (25a ed.). São Paulo: Graal.

Gadelha, S. (2009). Biopolítica, governamentalidade e educação: introdução e conexões a partir de Michel Foucault Belo Horizonte: Autêntica.

Knöpker, M. (2018). Fazendo o neoliberalismo funcionar “dentro de nós” – um estudo sobre a atuação de organizações da sociedade civil sem fins lucrativos na forma(ta)ção docente Tese de doutorado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

López-Ruiz, O. (2007). Os executivos transnacionais e o espírito do capitalismo: capital humano e empreendedorismo como valores sociais Rio de Janeiro: Azougue.

Noguera-Ramírez, C. E. (2011). Pedagogias e governamentalidade ou Da Modernidade como uma sociedade educativa Belo Horizonte: Autêntica.

Peck, J. (2003). Geography and public policy: mapping the penal state. Progress in Human Geography, 27(2), 222-232.

Popkewitz, T. (2008). Cosmopolitanism and the Age of School Reform New York: Routledge – Taylor & Francis Group.

Sibilia. P. (2012). Redes ou paredes: a escola em tempos de dispersão Rio de Janeiro: Contraponto.

Silva, R. R. D. da (2016, setembro). Protagonismo dos estudantes: entre o individualismo e o empoderamento? Pensar a Educação em pauta. Recuperado de http://pensaraeducacao.com.br/pensaraeducacaoempauta/protagonismo-dos-estudantes-entre-o-individualismo-e-o-empoderamento/

Steinberg, S. R. (1997). Kindercultura: a construção da infância pelas grandes corporações. In L. H. da Silva, & J. C. de Azevedo (Orgs.). Identidade Social e a Construção do Conhecimento (pp. 98-145). Porto Alegre: SMED.

The Boston Consulting Group, & Instituto Ayrton Senna (2014). Formação continuada de professores no Brasil: acelerando o desenvolvimento de nossos educadores São Paulo. Retirado em 03 de dezembro de 2018, de http://educacaosec21.org.br/formacaocontinuada

Todos pela Educação (2013). Educação em debate: por um salto de qualidade na educação básica São Paulo: Moderna.

Traversini, C. S. (2003). Programa Alfabetização Solidária: o governamento de todos e de cada um Tese de doutorado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

Varela, J. (2000). Categorias espaço-temporais e socialização escolar: do individualismo ao narcisismo. In Costa, M. V. (Org.). Escola Básica na virada do século: Cultura, política e Currículo (2a. ed., pp. 73-106). São Paulo: Cortez.

Veiga-Neto, A. (2004). Algumas raízes da Pedagogia moderna. In C. M. Zorzo, L. D. Silva, & T. Polenz (Orgs). Pedagogia em conexão (pp. 65-83). Canoas: Editora da Ulbra.

Veiga-Neto, A. (2011). Foucault & a Educação, 3a. ed. Belo Horizonte: Autêntica.

Downloads

Publicado

2021-08-30

Como Citar

KNÖPKER, M. .; COSTA, M. V. . Fazendo o neoliberalismo funcionar “dentro de nós”: pedagogia das organizações da sociedade civil sem fins lucrativos e formação docente. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 32, p. e20180137, 2021. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8666800. Acesso em: 25 out. 2021.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)