Formação docente e imaginário social

Autores

Palavras-chave:

Imaginário social, Formação continuada de professores de inglês, Decolonialismo

Resumo

Este artigo analisa falas de participantes de um programa de formação continuada em serviço para professores de inglês nos Estados Unidos entre 2010 e 2013. O objetivo é ilustrar e discutir o conceito de imaginário social, perpassando as ditas vocações e aspirações dos docentes. O artigo é de cunho qualitativo, com base teórica do conceito de imaginário social e a perspectiva decolonialista. A metodologia contou com pesquisa bibliográfica, levantamento e análise de currículos publicados na Plataforma Lattes/CNPq, questionários on-line, entrevistas semiestruturadas e depoimentos. Como principal resultado da pesquisa apresentada neste artigo destacamos que esse imaginário oculta os motivos que impedem a melhoria da qualidade da educação pública no país, objetivo do programa em estudo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rosane Karl Ramos, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

Doutorado em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.

Maria Inês Marcondes de Souza, Pontifícia Universidade Católica do Rio

Professora Associada da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.

Referências

Andreotti, V. (2015). The educational challenges of imagining the world differently. Canadian Journal of Development Studies, 37(1), 101-112.

Andreotti, V., Stein, S.; Bruce, J., & Susa, R. (2016). Towards Different Conversations About the Internationalization of Higher Education. Comparative and International Education/Éducation Comparée et Internationale, 45(1), 2-18.

Appadurai, A. (1996). Modernity at large: cultural dimensions of globalization Minneapolis: University of Minnesota Press.

Apple, M., Kenway, J., Singh, M. (Eds.) (2005). Globalizing education: policies, pedagogies, and politics New York: Peter Lang Publishing.

Bernat, E. (2008). Towards a pedagogy of empowerment: The case of ‘impostor syndrome’ among pre-service non-native speaker teachers in TESOL. English Language Teacher Education and Development Journal, 11, 1-8.

Brasil. (2013). Relatório de Gestão da Diretoria de Formação de Professores da Educação Básica – DEB 2009-2013. Brasília, MEC.

Brasil. (2015). Relatório de Gestão da Diretoria de Formação de Professores da Educação Básica – DEB 2009-2014, I Brasília, MEC.

Brasil. (2015). Relatório de Gestão da Diretoria de Formação de Professores da Educação Básica – DEB 2009-2014, II Brasília, MEC.

Jordão, C., Martínez, J. (2015). Entre as aspas das fronteiras: internacionalização como prática agonística. In C. Rocha, D. B. Braga, & R. R. Caldas (Orgs.), Políticas linguísticas, ensino de línguas e formação docente: Desafios em tempos de globalização e internacionalização (pp. 61-87). Campinas: Pontes Editores.

Kachru, B. B. (2005). Asian Englishes: Beyond the Canon Hong Kong: Hong Kong University Press.

Knight, J. (2014). International education hubs: student, talent, knowledge-innovation models New York: Springer.

Memorando de Entendimento sobre Educação entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo dos Estados Unidos da América. (1997). Recuperado de http://dai-mre.serpro.gov.br/atos-internacionais/bilaterais/1997/b_87_2011-09-01-14-10-17/

Mignolo, W. (2003). Globalization and the geopolitics of knowledge: the role of humanities in the corporate university. Neplanta: Views from South, 4(1), 97-119.

Mok, K. H. (2007). Questing for internationalization of universities in Asia: Critical reflections. Journal of Studies in International Education, 11(3-4), 433-454.

Naidoo. R. (2011). Rethinking development: Higher education and the new imperialism. In R. King, S. Marginson, & R. Naidoo (Eds.), Handbook on globalization and higher education (pp. 40-58). Cheltenham: Edward Elgan Publishing.

Ortiz, R. (2003). Mundialização e Cultura São Paulo: Brasiliense.

Quijano, A. (1997). Colonialidad del poder, eurocentrismo y América Latina. Anuario Mariateguiano, 10(9): 113-121. Recuperado de http://www.decolonialtranslation.com/espanol/quijano-colonialidad-del-poder.pdf

Rizvi, F., Lingard, B. (2010). Globalizing education policy New York: Routledge.

Said, E. (2007). Orientalismo: o Oriente como invenção do Ocidente São Paulo: Companhia das Letras.

Santos, B. S. (2007). Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes. Novos estudos Cebrap, 79, 71-94. doi:10.1590/S0101

Spivak, G. (1988). Can the subaltern speak? In C. Nelson, L. Grossberg (Eds.) Marxism and the interpretation of culture (pp. 271-313). Basingstoke: Macmillan Education.

Spring, J. (2014). Globalization of Education: an introduction, 2nd ed., New York: Routledge.

Sridhar, S. N. (2016). A Cultural Warrior Rests His Case- Braj. B. Kachru Recuperado de http://www.iaweworks.org/

Subedi, B. (2013). Decolonizing the curriculum for global perspectives. Educational Theory, 63(6), 621-638.

Tardif, M. (2000). Saberes profissionais dos professores e conhecimentos universitários: Elementos para uma epistemologia da prática profissional dos professores e suas conseqüências em relação à formação para o magistério. Revista Brasileira de Educação, 13, 5-24.

Taylor, C. (2002). Modern social imaginaries. Public Culture, 14(1), 91-124.

Zemach-Bersin, T. (2007). Global citizenship and study abroad: it’s all about US. Critical Literacy: Theories and Practices, 1(2), 16-28.

Downloads

Publicado

2021-08-30

Como Citar

RAMOS, R. K. .; SOUZA, M. I. M. de. Formação docente e imaginário social. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 32, p. e20190007, 2021. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8666801. Acesso em: 25 out. 2021.