Banner Portal
Posicionamentos e relações valorativas sobre gêneros e mídias digitais
REMOTO

Palavras-chave

Gênero
Imagem
Mídias digitais
Socialização

Como Citar

ROSSI, Tulio Cunha. Posicionamentos e relações valorativas sobre gêneros e mídias digitais: uma análise sociológica da série 13 Reasons Why. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 32, p. e20190042, 2021. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8668304. Acesso em: 16 abr. 2024.

Resumo

Apresenta-se uma análise sociológica da primeira temporada da série 13 Reasons Why, produzida e disponibilizada pela Netflix. A análise leva em conta elementos do contexto de produção e difusão da série, do ponto de vista sociotécnico de sua relação com novas tecnologias de comunicação e informação e do ponto de vista da construção de relações de gênero e sua articulação com pautas feministas da atualidade. A análise utiliza técnicas da sociologia do cinema de Pierre Sorlin, com ênfase na construção de sistemas relacionais que organizam, na narrativa, as relações entre personagens, bem como com valores e posicionamentos morais e ideológicos que estes evocam. Dentro da construção dos sistemas relacionais de 13 Reasons Why, destacam-se a configuração de uma hierarquia entre os estudantes que é entrelaçada à categoria gênero, e a expressão de posicionamentos valorativos relacionados ao uso, pelos personagens, de instrumentos de tecnologias consideradas analógicas em contraponto a tecnologias digitais.

REMOTO

Referências

Adler, P. A., Steven, K., Adler, P. (1992). Socialization to gender roles: popularity among elementary school boys and girls. Sociology of Education, 65(3), 169-187.

Adorno, T. W. (2014). Educação e emancipação São Paulo: Paz e Terra.

Boyd, N., Ellison, D. (2013). Sociality through Social Network sites. In W. H. Dutton (Ed.), The Oxford Handbook of Internet Studies Oxford: Oxford University Press.

Elias, N. (2001). A sociedade de corte Rio de Janeiro: Zahar.

Foucault, M. (2009). História da sexualidade v.1: a vontade de saber Rio de Janeiro: Graal.

Jenkins, H. (2009). Cultura da convergência São Paulo: Aleph.

Lima, F. R. A. (2018). Da beleza ao empoderamento: a influência do ciberfeminismo na comunicação das marcas. Uma análise da comunicação da Avon no Facebook. In Congresso Internacional Comunicação e Consumo ESPM, São Paulo.

Marchi, R. C. (2009). As teorias da socialização e o novo paradigma para os estudos sociais da infância. Educação & Realidade, 34(1), 227-246.

Matos, M. (2014). Quarta onda feminista e o campo crítico-emancipatório das diferenças no Brasil: entre a destradicionalização social e o neoconservadorismo político. In 38º Encontro Anual da Anpocs Anpocs, Caxambu.

Menezes, P. (2003). Representificação: as relações (im)possíveis entre cinema documental e conhecimento. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 18(51), 87-97.

Merten, D. (1997). The Meaning of Meanness: Popularity, Competition, and Conflict among Junior High School Girls. Sociology of Education, 70(3), 175-191.

Miskolci, R. (2011). Novas conexões: notas teórico metodológicas. Cronos, 12(2), 9-22.

Miskolci, R., Balieiro, F. (2018). Sociologia digital: balanço provisório e desafios. Revista Brasileira de Sociologia, 6(12), 132-156.

Netflix. (2017). 2017 on Netflix – A Year in Bingeing Recuperado de: https://about.netflix.com/en/news/2017-on-netflix-a-year-in-bingeing

Parrot Analytics. (2017). The Global Televison Demand Report Recuperado de: https://insights.parrotanalytics.com/hubfs/Resources/whitepapers/Parrot%20Analytics%20-%20The%20Global%20TV%20Demand%20Report%202017.pdf

Perez, O., Ricoldi, A. (2018). A quarta onda do feminismo? Reflexões sobre movimentos feministas contemporâneos. In 42º Encontro Anual da Anpocs Anpocs, Caxambu.

Rossi, T. (2007). O estereótipo da rebeldia na adolescência: uma abordagem sociológica. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

Rossi, T. (2014). Uma sociologia do amor romântico no cinema: Hollywood, anos 1990-2000 São Paulo: Alameda.

Scott, J. (1995). Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade, 15(2), 71-99.

Sorlin, P. (1982). Sociologie du cinéma Paris: Aubier Montaigne.

Weber, M. (2008). A “objetividade” do conhecimento nas ciências e na política sociais. In Ensaios sobre a teoria das ciências sociais São Paulo: Centauro.

Williams, R. (2016). Televisão: tecnologia e forma cultural São Paulo: Boitempo.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2021 Tulio Cunha Rossi

Downloads

Não há dados estatísticos.