Banner Portal
Paulo Freire e as subjetividades geradoras
REMOTO

Palavras-chave

Paulo Freire
Vida filosófica
Subjetividade geradora
Dignidade

Como Citar

CARVALHO, Alexandre Filordi de; KOHAN, Walter Omar; GALLO, Silvio. Paulo Freire e as subjetividades geradoras: um modo de vida filosófico para a educação contemporânea. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 32, p. e20210076, 2021. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8668507. Acesso em: 16 abr. 2024.

Resumo

Inspirado no pensamento e na vida de Paulo Freire, este texto afirma, como sentido de uma educação filosófica, as “subjetividades geradoras”, quais sejam, uma forma de trânsito para outras condições existenciais, devires possíveis de vida e de mundos outros. Essa educação filosófica abrange três campos problematizadores: (i) a relação de si mesmo com a alteridade; (ii) a ascese filosófica como forma política da vida social; e (iii) a produção de verdades para além daquelas prefiguradas pelas forças opressivas, antidemocráticas e desumanizadoras. Operamos, assim, um duplo movimento: existencializar a filosofia e filosofar a vida educativa. Dessa forma, indiretamente, também atendemos uma “velha” questão entre nós: é Paulo Freire um filósofo da educação?

REMOTO

Referências

Adorno, T. W. (2003). Educação e emancipação Paz e Terra.

Antunes, R. (2018). O privilégio da servidão: o novo proletariado de serviços na era digital Boitempo.

Bastide, R., & Fernandes, F. (2008). Brancos e negros em São Paulo Global.

Blanchot, M. (2007). A conversa infinita: a experiência limite Escuta.

Blanchot, M. (2010) A conversa infinita: a palavra plural Escuta.

Bolsonaro, J. (2018). O caminho da prosperidade: proposta de plano de governo 2018. Disponível em: https://divulgacandcontas.tse.jus.br/candidaturas/oficial/2018/BR/BR/2022802018/280000614517/proposta_1534284632231.pdf

Brasil. (2018). Base Nacional Comum Curricular Ministério da Educação. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf

Carvalho, A. F. (2020a). Foucault e o neoliberalismo de subjetividades precárias: incidências na escola pública brasileira. Revista Artes de Educar, 6(3), 935-956. https://doi.org/10.12957/riae.2020.54579

Carvalho, A. F. (2020b). A escola contemporânea e a desertificação institucional: o demérito da res publica. In S. Gallo & S. Mendonça (Orgs.), A escola: uma questão política (pp. 85-101). Parábola.

Deleuze, G., & Guattari, F. (1992). O que é a filosofia? Editora 34.

Foucault, M. (1998). História da sexualidade 2: o uso dos prazeres Graal.

Foucault, M. (2004). A hermenêutica do sujeito Martins Fontes.

Foucault, M. (2008). Segurança, território, população Martins Fontes.

Foucault, M. (2014). Do governo dos vivos WMF Martins Fontes.

Foucault, M. (2016). Subjetividade e verdade WMF Martins Fontes.

Freire, P. (1967). Educação como prática da liberdade Paz e Terra.

Freire, P. (1977). Ação cultural para a liberdade e outros escritos Paz e Terra.

Freire, P. (1979). Educação e mudança Paz e Terra.

Freire, P. (1986). Medo e ousadia: o cotidiano do professor Paz e Terra.

Freire, P. (1987). Pedagogia do oprimido Paz e Terra.

Freire, P. (1992). Pedagogia da esperança: um reencontro com a pedagogia do oprimido Paz e Terra.

Freire, P. (1995). Extensão ou comunicação Paz e Terra.

Freire, P. (1997). Professora, sim; tia, não Olho D’Água.

Freire, P. (2000). Pedagogia da indignação: cartas pedagógicas e outros escritos Editora da Unesp.

Freire, P., & Horton, M. (2018). O caminho se faz caminhando: conversas sobre educação e mudança social Vozes.

G1. (2020). MEC prevê adesão de 54 escolas cívico-militares em 2021. Disponível em: https://g1.globo.com/educacao/noticia/2020/12/28/mec-preve-adesao-de-mais-54-escolas-ao-modelo-civico-militar-em-2021.ghtml

Gallego, E. S. (2018). O ódio como política Boitempo.

Gallo, S., & Espinel, O. (2021). Lecturas cruzadas entre Freire y Foucault: a propósito de aleturgias escolares y prácticas de libertad. Pedagogía y Saberes, (55), 41-53. https://doi.org/10.17227/pys.num55-13017

González, F. (1941). El maestro de escuela ABC.

hooks, b. (2020). Ensinando a transgredir. A educação como prática da liberdade. WMF Martins Fontes.

Kinzer, S. (2006). Overthrow: America’s century of regime change from Hawaii to Iraq Times Book.

Kohan, W. (2019). Paulo Freire mais do que nunca: uma biografia filosófica Vestígio.

Lazzarato, M. (2017). O governo do homem endividado N-1.

Lazzarato, M. (2019). Fascismo ou revolução? O neoliberalismo em chave estratégica. N-1.

Levitsky, S., & Ziblatt, D. (2018). Como as democracias morremZahar.

Lovecraft, H. P. (2018). O chamado de Cthulhu e outros contos Pandora.

Mbembe, A. (2018). Necropolítica N-1.

Nietzsche, F. W. (1983). Obras incompletas Abril Cultural.

Organisation for Economic Co-operation and Development. (2018). PISA: Preparing our youth for an inclusive and sustainable world. Disponível em: https://www.oecd.org/pisa/Handbook-PISA-2018-Global-Competence.pdf

Ramose, M. (2011). Sobre a legitimidade e o estudo da filosofia africana. Ensaios Filosóficos, 4, 6-25.

Senado Notícias. (2020). Brasil tem 11 milhões de analfabetos, aponta IBGE. Disponível em: https://www12.senado.leg.br/noticias/audios/2020/11/brasil-tem-11-milhoes-de-analfabetos-aponta-ibge

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2021 Alexandre Filordi de Carvalho, Walter Omar Kohan, Silvio Gallo

Downloads

Não há dados estatísticos.