Banner Portal
Autoridade, violência e educação
REMOTO
REMOTO (English)

Palavras-chave

Autoridade
Violência
Professor
Hermenêutica
Biopolítica

Como Citar

TREVISAN, Amarildo Luiz. Autoridade, violência e educação. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 32, p. e20190016, 2021. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8668512. Acesso em: 16 abr. 2024.

Resumo

O artigo procura enfocar a relação entre violência e a crise de autoridade no contexto educativo, tendo em vista o ambiente saturado da biopolítica. Procura interpretar a obra da fase final da vida de Sigmund Freud, O homem Moisés e a religião monoteísta como um testemunho contra-hegemônico da biopolítica. A partir de algumas teses defendidas na obra, especialmente a do lugar vago da imagem do pai, estabelece relações com o papel do docente diante do cenário de violência e falta de reconhecimento da sua atuação. Conclui que é necessário desconstruir o panorama que motivou a eclosão da violência original, cabendo, agora, reconstruí-lo na perspectiva hermenêutica. Bem como indica a necessidade de repensar a biopolítica na vida do professor, sempre desafiada a tomar partido por uma autoridade repressiva ou moral.

REMOTO
REMOTO (English)

Referências

Abagnano, N. (2000). Dicionário de filosofia São Paulo: Martins Fontes.

Abramovay, M., Avancini, M., Oliveira, H. (2006). Violência nas escolas. In H. Oliveira (Org.), Direitos negados: a violência contra a criança e o adolescente no Brasil (2a ed., pp. 28-53). Brasília, DF: Unicef.

Adorno, T. (1995). Educação e emancipação São Paulo: Paz e Terra.

Agamben, G. (2005). O que é um dispositivo? Outra Travessia, 5, 9-6.

Agamben, G. (2007). Homo Sacer: o poder soberano e a vida nua I Belo Horizonte: UFMG.

Arendt, H. (1992). Entre o passado e o futuro São Paulo: Perspectiva.

Bauman, Z. (2001). Modernidade líquida Rio de Janeiro: Zahar.

Bernstein, R. J. (2000). Freud e o legado de Moisés Rio de Janeiro: Imago.

Brandão, J. S. (2003). Mitologia grega (14a ed., Vol. II). Rio de Janeiro: Vozes.

Calvino, Í. (1993). Por que ler os clássicos São Paulo: Companhia das Letras.

Cavalcante, T. (2016). Lei que proíbe professores de opinar é aprovada em AL. Disponível em: http://g1.globo.com/jornal-hoje/noticia/2016/05/lei-que-proibe-professores-de-opinar-em-sala-de-aula-e-aprovada-em-al.html

Costa Pereira, M. E. (2008). Pânico e desamparo São Paulo: Ed. Escuta.

Esposito, R. (2011). Bíos, biopolítica y filosofia Buenos Aires: Amorrortu.

Fanlo, L. G. (2011, março). Qué es un dispositivo?: Foucault, Deleuze, Agamben. A Parte Rei ? Revista de Filosofia, 74. Disponível em: https://philpapers.org/archive/FANQE.pdf

Freud, S. (1980). O mal-estar na civilização. In Edição Standart Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud Vol. XXI Rio de Janeiro: Imago.

Freud, S. (2015). O Moisés, de Michelangelo. In Arte, literatura e os artistas (E. Chaves, trad., pp. 183-219). Belo Horizonte: Autêntica.

Freud, S. (2018). O homem Moisés e a religião monoteísta: três ensaios Porto Alegre: L&PM.

Freud, S. (2019). Psicologia das massas e análise do eu Porto Alegre: L&PM.

Fuks, B. B. (2018). Prefácio: o legado de Freud. In S. Freud, O homem Moisés e a religião monoteísta: três ensaios (pp. 17-32). Porto Alegre: L&PM.

Ginsberg, B. (2014). Judeus contra Hitler: destruindo o mito da passividade São Paulo: Cultrix.

Gonçalves, L. A. O., Sposito, M. P. (2002). Iniciativas públicas de redução da violência escolar no Brasil. Cadernos de Pesquisa, 115, 101-138.

Harvey, D. (1992). Condição pós-moderna: uma pesquisa sobre as origens da mudança cultural São Paulo: Edições Loyola.

Palhares, I. (2018). Brasil é o último em ranking sobre prestígio do professor. Disponível em: https://www.terra.com.br/noticias/mundo/brasil-cai-para-ultima-posicao-em-ranking-sobre-prestigio-do-professor,ffc892ab8dcc786fa7a30f2e461e820ajhe9xpst.html

Pereira, M. R. (2008). A impostura do mestre Belo Horizonte: Argvmentvm.

Said, E. W. (2004). Freud e os não-europeus São Paulo: Boitempo.

Sposito, M. P. (2001). Um breve balanço da pesquisa sobre violência escolar no Brasil. Educação e Pesquisa, 27(1), 87-103.

Trevisan, A. L. (2018). Epistemologia da violência na educação no contexto da biopolítica contemporânea. Roteiro, 43(2), 561-582.

Trevisan, A. L., Fagundes, A. O., Pedroso, E. R. F. (2018). Santa Maria, trauma e resistência: a experiência estética na dor do outro. In A. C. M. Silveira (Org.), Midiatização da catástrofe de Santa Maria. A tragédia biopolítica (Vol. 1, pp. 359-376). Santa Maria: FACOS-UFSM.

Trevisan, A. L., Rosa, A. G. (2018). Indústria cultural, biopolítica e educação. Pro-Posicões, 29(3), 423-442.

Warat, L. A. (Org.). (1998). Em nome do acordo: a mediação no direito Buenos Aires: Angra Impresiones.

Zuin, A. A. S. (2013). Copiar, colar e deletar: a Internet e a atualidade da semiformação. Pro-Posições, 24(3), 139-159.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2021 Amarildo Luiz Trevisan

Downloads

Não há dados estatísticos.