O modo e a ordem de conhecer na Suma Teológica de Tomás de Aquino

aspectos essenciais para a formação do mestre na universidade medieval

Autores

Palavras-chave:

Filosofia da educação, Formação docente, Conhecimento da realidade, Intelectuais

Resumo

O objetivo do artigo é analisar o modo como o teólogo dominicano Tomás de Aquino entende os procedimentos pelos quais o intelecto humano conhece as coisas inferiores a si mesmo, bem como a importância de se conhecer esse processo para a formação do mestre no Ocidente medieval. A fonte para o desenvolvimento deste estudo é a Questão 85 da Primeira Parte da Suma Teológica, intitulada “O modo e a ordem de conhecer”. A Questão supracitada apresenta um dos fundamentos da Filosofia da Educação tomasiana e pode, a nosso ver, ensinar lições importantes para os professores do século XXI. O método empregado para o desenvolvimento da pesquisa é o da História Social, cujos pressupostos teóricos remontam às obras de Bloch, Febvre, Braudel e outros historiadores ‘herdeiros’ da escola dos Annales.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rafael Henrique Santin, Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Paraná

Doutorado em Educação pelo Universidade Estadual de Maringá. Professor do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Paraná - Campus Campo Largo, Curitiba, PR, Brasil. 

 

 

Terezinha Oliveira, Universidade Estadual de Maringá

 Pós -Doutorado em História da Educação pela Universidade de São Paulo.  Professor Titular pela Universidade Estadual de Maringá.

Referências

Amatuzzi, M. M. (2008). A alma humana em Tomás de Aquino: Um debate antigo e atual Editora Alínea.

Aquino, T. de. (1999). A Unidade do Intelecto contra os Averroístas Edições 70.

Aquino, T. de. (2002). O modo e a ordem de conhecer (ST, I, q. 85). In Tomás de Aquino, Suma Teológica (vol. II, pp. 521-544). Edições Loyola.

Aquino, T. de. (2004). Sobre o ensino (DV, q. 11). In Tomás de Aquino, Sobre o ensino (De Magistro): Os sete pecados capitais (pp. 23-62). Martins Fontes.

Aquino, T. de. (2012). Questões disputadas sobre a alma É Realizações.

Aquino, T. de. (2015). Suma Contra os Gentios (Livro II.). Edições Loyola.

Aquino, T. de. (2016). Da vida ativa (ST, II-II, q. 181). In Tomás de Aquino, Suma Teológica (pp. 1011-1016). Ecclesiae.

Aquino, T. de. (2017). Questões disputadas sobre as criaturas espirituais É Realizações.

Balzac, H. de. (1959). O filho maldito. In H. de Balzac. A comédia humana (vol. XVI). Globo.

Benmakhlouf, A. (2018). Tomás de Aquino. In J. Le Goff, Homens e mulheres da idade média (pp. 250-253). Estação Liberdade.

Bloch, M. L. B. (2001). Apologia da história, ou, O ofício do historiador Jorge Zahar Ed.

Boehner, P., & Gilson, E. (2007). História da filosofia cristã Vozes.

Braudel, F. (2014). Escritos sobre a história Perspectiva.

Cuccia, E. J. (2017). El sentido de la abstracción en Tomás de Aquino. Una revisión a partir del uso textual del término. Scripta Medievalia. Revista de pensamiento medieval, 10(1), 81-110. http://revistas.uncuyo.edu.ar/ojs/index.php/scripta/article/view/1076

Cuccia, E. J., & Muñoz, C. P. D. (2018). La abstracción en Tomás de Aquino: una vía más allá de la epistemología tomista. ARETÉ Revista de Filosofía, XXX (2), 245-269. http://revistas.pucp.edu.pe/index.php/arete/article/view/20417/20338

Dalrymple, T. (2015). Podres de mimados: As consequências do sentimentalismo tóxico É Realizações.

Febvre, L. (1985). Combates pela história Editorial Presença.

Gasparin, J. L. (2009). Uma didática para a pedagogia histórico-crítica Autores Associados.

Gilson, E. (1995). A filosofia na Idade Média Martins Fontes.

Le Goff, J. (2010). Os Intelectuais na Idade Média José Olympio.

Libâneo, J. C. (2013). Didática Cortez.

Libera, A. (1990). A filosofia medieval Jorge Zahar Editor.

Mendes, C. M. M. (2011). A importância da pesquisa de fontes para os estudos históricos. Acta Scientiarum. Education, 33(2), 205-209. http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/ActaSciEduc/article/view/14174

Muñoz, C. P. D. (2012). Em torno a dos lecturas posibles sobre el conocimiento de las esencias en Tomás de Aquino. Tópicos, MX(43), 123-151. http://www.scielo.org.mx/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0188-66492012000200005

Nietzsche, F. (2019). Da utilidade e do inconveniente da história para a vida Lafonte.

Oliveira, T. (2005). Escolástica Editora Mandruvá: Universidade do Porto.

Oliveira, T., Mendes, C. M. M., & Santin, R. H. (2016). Contribuições de Jacques Le Goff para a História da Educação Medieval: Totalidade e Longa Duração nos estudos sobre os intelectuais. Brathair, 16, 235-250. https://ppg.revistas.uema.br/index.php/brathair/article/view/1263/991

Rousselot, P. (1999). A teoria da inteligência segundo Tomás de Aquino Edições Loyola.

Sanguineti, J. J. (2011). La especie cognitiva en Tomás de Aquino. Tópicos, MX(40), 63-103. http://www.scielo.org.mx/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0188-66492011000100004

Santin, R. H. (2018). A proposta tomasiana para a formação do educador no Ocidente Medieval do século XIII: O intelecto como princípio essencial da sabedoria magistral [Tese de doutorado] Universidade Estadual de Maringá.

Saviani, D. (2012). Pedagogia histórico-crítica: Primeiras aproximações Autores Associados.

Publicado

2022-04-14

Como Citar

SANTIN, R. H.; OLIVEIRA, T. . O modo e a ordem de conhecer na Suma Teológica de Tomás de Aquino: aspectos essenciais para a formação do mestre na universidade medieval. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 33, p. e20200064, 2022. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8669264. Acesso em: 2 dez. 2022.

Dados de financiamento