Florestan Fernandes e a educação pública na Assembleia Nacional Constituinte (1987-1988)

Autores

Palavras-chave:

Educação pública, Assembleia Nacional Constituinte, Florestan Fernandes

Resumo

Discute-se os enfrentamentos na área educacional na Constituinte e suas origens históricas, segundo o percurso teórico e político do sociólogo e deputado constituinte Florestan Fernandes. O desafio de romper o nó górdio da democracia em sua articulação com a pauta da educação pública constitui a chave de leitura pela qual percorremos as manifestações de Florestan à época da ANC. As fontes utilizadas foram seus textos publicados em jornais e seus discursos na Constituinte organizados em coletâneas e que estão disponíveis nos arquivos digitais do congresso. Em consonância com as quatro etapas da ANC, procedeu-se a uma leitura dos textos e discursos de Florestan Fernandes num percurso cronológico que acompanhou os principais momentos da Constituinte. Assim, o material analisado foi organizado em três núcleos temáticos que têm profunda conexão com as esperanças e impasses do processo constituinte: (i) Desafios históricos da Constituinte; (ii) O processo constituinte, a participação popular e a educação; e (iii) Transição Transada e os limites da “Nova República”. Nesta última fase, já aparecem os limites com os quais a Constituinte se deparava e impediam mais uma vez na história brasileira a ruptura do nó górdio das reformas democráticas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fabiana de Cássia Rodrigues, Universidade Estadual de Campinas

Doutorado em Educação pela Universidade Estadual de Campinas. Professora do Departamento de Filosofia e História da Educação da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas.

Referências

Arruda, M. A. do N. (1995). A sociologia no Brasil: Florestan Fernandes e a “escola paulista”. In S. Miceli (Org.), História das ciências sociais no Brasil (Vol. 2, pp. 107-232). São Paulo: Editora Sumaré; Fapesp.

Candido, A. (1987). Amizade com Florestan. In M. A. D’Incao, O saber militante: Ensaios sobre Florestan Fernandes (pp. 31-38). São Paulo: Paz e Terra.

Candido, A. (2007). Apresentação. In F. Fernandes, Que tipo de república? (2ª ed.). Globo.

Cardoso, M. L. (1989). Educação: Ensino público e gratuito para todos. In C. Michiles, Cidadão Constituinte Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Cardoso, M. L. (1996). Florestan Fernandes: A criação de uma problemática. Estudos Avançados, 10(26), 89-128. https://dx.doi.org/10.1590/S0103-40141996000100014

D’Incao, M. A. (1987). O saber militante: Ensaios sobre Florestan Fernandes São Paulo: Paz e Terra.

Fernandes, F. (1966). Educação e sociedade no Brasil São Paulo: Dominus.

Fernandes, F. (1975). Universidade brasileira: Reforma ou revolução? São Paulo: Alfa-Ômega.

Fernandes, F. (1976). A sociologia numa era de Revolução Social (2ª ed.). Rio de Janeiro: Zahar.

Fernandes, F. (1980). A sociologia no Brasil Petrópolis: Vozes.

Fernandes, F. (1981). O que é revolução? São Paulo: Brasiliense.

Fernandes, F. (1986). Nova república? (3ª ed.). Rio de Janeiro: Zahar.

Fernandes, F. (1988). O processo constituinte Brasília, DF: Câmara dos Deputados – Centro de Documentação e Informação.

Fernandes, F. (1989a). A constituição inacabada: Vias históricas e significado político São Paulo: Estação Liberdade.

Fernandes, F. (1989b). Projeto de dispositivos constitucionais. In F. Fernandes, O desafio educacional (pp. 252 - 261-yy). São Paulo: Cortez, Autores Associados.

Fernandes, F. (1989c). O desafio educacional São Paulo: Cortez; Autores Associados.

Fernandes, F. (2006). A revolução burguesa no Brasil (5ª ed.). São Paulo: Globo.

Fernandes, F. (2007). Que tipo de república? (2ª ed.). São Paulo: Globo.

Fernandes, F. (2014). Florestan Fernandes na Constituinte: Leituras para a reforma política São Paulo: Fundação Perseu Abramo; Expressão Popular.

Leher, R. (2012). Florestan Fernandes e a defesa da escola pública. Educação & Sociedade, 33(121), 1157-1173. https://doi.org/10.1590/S0101-73302012000400013

Mazza, D. (2003). A produção sociológica de Florestan Fernandes e a problemática educacional: Uma leitura (1941 – 1964) Taubaté: Cabral Editora e Livraria Universitária.

Michiles, C. (1989). Cidadão constituinte Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Notas taquigráficas da Constituinte de 1987-1988 http://www2.camara.leg.br/deputados/discursos-e-notas-taquigraficas

Pinheiro, M. F. P. (1995), O público e o privado na educação: um conflito fora de moda?. In: FÁVARO, O.(org.), A educação nas constituições brasileiras: 1923-1988 São Paulo: Cortez.

Publicado

2022-05-06

Como Citar

RODRIGUES, F. de C. . Florestan Fernandes e a educação pública na Assembleia Nacional Constituinte (1987-1988) . Pro-Posições, Campinas, SP, v. 33, p. e20190115, 2022. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8669267. Acesso em: 2 dez. 2022.