Igualdade, diferença e conhecimento

o que pode uma base curricular comum em meio à “tensão” entre direitos?

Autores

Palavras-chave:

Desigualdades socioeducacionais, Diferenças socioculturais, Conhecimento, Base nacional comum

Resumo

Partindo de um cenário de desigualdades educacionais que há muito caracteriza a realidade brasileira, o presente texto busca investigar algumas das diferentes concepções sobre o conhecimento escolar e sua distribuição, que preveem justificativas e encaminhamentos distintos para esse quadro. Nesse processo, destacam-se o papel que uma base curricular comum poderia desempenhar nas diferentes perspectivas e as controvérsias que giram em torno da proposta, a partir de um tensionamento entre o direito à igualdade e à diferença. Uma terceira dimensão de direito é então abordada, como parte de uma tentativa de superação daquilo que alguns autores vêm considerando ser uma “crise” nas teorias sobre currículo (Young).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marina Meira, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

Doutoranda em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - PUC-Rio.

Referências

Alves, M. T., Soares, J. F., & Xavier, F. P. (2016). Desigualdades educacionais no ensino fundamental de 2005 a 2013. Hiato entre grupos sociais. Revista Brasileira de Sociologia, 4, 49-81.

Apple, M. (1982). Ideologia e currículo São Paulo: Brasiliense.

Avelar, M., & Ball, S. J. (2017) Mapping new philanthropy and the heterarchical state: The mobilization for the national learning standards in Brazil. International Journal of Educational Development http://dx.doi.org/10.1016/j.ijedudev.2017.09.007

Bourdieu, P. (2015) A escola conservadora: as desigualdades frente à escola e à cultura. In M. A. Nogueira, & A. Catani, (Orgs.), Escritos de Educação (16ª ed., pp. 43-72). Vozes.

Brasil (2017). Ministério da Educação. Base Nacional Curricular Comum. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br.

» http://basenacionalcomum.mec.gov.br

Candau, V. M. (2000). O currículo entre o relativismo e o universalismo: dialogando com Jean-Claude Forquin. Educação & Sociedade, 21(73), 79-83.

Candau, V. M. (2008). Direitos humanos, educação e interculturalidade: as tensões entre igualdade e diferença.Revista Brasileira de Educação, 13(37), 45-56.

Candau, V. M. (2009). Educação escolar e cultura(s): multiculturalismo, universalismo e currículo. In V. M. CANDAU (Org), Didática: Questões contemporâneas (1. ed., pp. 47-62). Forma & Ação.

CENPEC. (2015). Consensos e dissensos sobre a Base Nacional Comum Curricular. Disponível em: http://www.cenpec.org.br/2015/09/21/relatorio-da-pesquisa-consensos-e-dissensos-sobre-a-base-nacional-comum-curricular

Cossetin, V. L. F.(2017). Uma leitura ambivalente sobre a adoção de uma base curricular nacional: para fazer justiça à reflexividade da filosofia da educação.Educar em Revista, 66, 295-311.

Costa, V. S. S. (2018). Base Nacional Comum Curricular como política de regulação do currículo, da dimensão global ao local: o que pensam os professores? (Tese de Doutorado). Disponível em: http://bdtd.ibict.br/vufind/Record/PUC_SP-1_5fefe3ea959e26c9660dfe8d4619fed3

Dubet, F. (2004). O que é uma escola justa? Cadernos de Pesquisa, 343(123), 539-555.

Fernandes, D. C. (2005). Race, Socioeconomic development and the education stratification process in Brazil. Research in Social Stratification and Mobility, 22, 365-422.

Forquin, J. (2000) O currículo entre o relativismo e o universalismo. Educação & Sociedade, 21(73), 47-70.

Freitas, L. C. (2014). Os reformadores empresariais da educação e a disputa pelo controle do processo pedagógico na escola. Educação & Sociedade, 35(129), 1085-1114.

Galian, C. V. A., & Louzano, P. B. J. (2014). Michael Young e o campo do currículo: da ênfase no “conhecimento dos poderosos” à defesa do “conhecimento poderoso”. Educação e Pesquisa, 40(4), 1109-1124.

Hall, S. (1997). A centralidade da cultura: notas sobre as revoluções culturais do nosso tempo. Educação e Realidade, 2(22), 15-46.

Lopes, A. C. (2013). Teorias pós-críticas, política e currículo. Educação, Sociedade & Culturas, 39, 7-23.

McIntyre, L. (2018). Post-Truth MIT Press.

McLaren, P. (1997). Multiculturalismo crítico Cortez.

Micarello, H. A. L. S. (2016). A BNCC no contexto de ameaças ao Estado Democrático de Direito. EccoS – Revista Científica, 41, 61-75.

Moreira, A. F. B. (2003). Currículos e programas no Brasil (10ª ed.). Papirus.

Moreira, A. F. B. (2012). Os princípios norteadores de políticas e decisões curriculares. RBPAE, 28(1), 180-194.

Nogueira, M. A. (1995). A Sociologia da Educação no imediato Pós-Guerra: orientações teórico-metodológicas. Caderno de Ciências Sociais, 4(6), 43-66.

Nunes, C. (2000). O “velho” e “bom” ensino secundário: momentos decisivos. Revista Brasileira de Educação, 14, 35-60.

Oliveira, R. P., & Araujo, G. C. (2005). Qualidade do ensino: uma nova dimensão da luta pelo direito à educação. Revista Brasileira de Educação, 28, 5-24.

Parsons, T. (1974). O sistema das sociedades modernas Pioneira.

Ramos, M. N. (2016). Políticas educacionais: da pedagogia das competências à pedagogia histórico-crítica. In M. V. Barbosa, S. Miller, & S. A. Mello (Orgs.), Teoria Histórico-Cultural: Questões Fundamentais para a Educação Escolar Cultura Acadêmica.

Schwartzman, S. Bomeny, H. M. B., & Costa, W. M. R. (2000). Tempos de Capanema Paz e Terra; Fundação Getúlio Vargas.

Silva, N. V. (2003). Expansão escolar e estratificação educacional no Brasil. In N. V. Silva, & C. Hasenbalg (Eds.). Origens e destinos: desigualdades sociais ao longo da vida (pp. 105-138). Topbooks.

Silva, T. T.(2000). Currículo, universalismo e relativismo:uma discussão com Jean-Claude Forquin. Educação & Sociedade, 21(73), 71-78.

Soares, M. (2014). Linguagem e escola: uma perspectiva social (17ª ed.). Ática.

Süssekind, M. L. (2014). As (im)possibilidades de uma Base Comum Nacional. Revista e-Curriculum, 12(3), 1512-1529.

Valle, I. R. (2014). Sociologia da Educação: currículo e saberes escolares (2ª ed.). Editora da UFSC.

Young, M. (2009). Curriculum theory and the problem of knowledge: a personal journey and an unfinished project. In L. Waks, & E. Short (Eds.), Leaders in curriculum studies: Intellectual self portraits Sense Publishers.

Young, M. (2013). Superando a crise na teoria do currículo: uma abordagem baseada no conhecimento. Cadernos Cenpec, 3(2), 225-250.

Young, M. F. D. (Ed.) (1971). Knowledge and control: new directions for the sociology of education Collier Macmillan

Zanardi (2013, setembro 29-outubro 02). A. C. Conhecimento poderoso e conhecimento contextualizado: o currículo entre Young e Freire 36ª Reunião Nacional da ANPED, Cidade.

Publicado

2022-06-15

Como Citar

MEIRA, M. Igualdade, diferença e conhecimento: o que pode uma base curricular comum em meio à “tensão” entre direitos?. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 33, p. e20200012, 2022. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8670486. Acesso em: 2 dez. 2022.