Corpos, silêncios e disciplinas

sobre modos de confinamento e suas educações possíveis

Autores

Palavras-chave:

Silêncio, Silêncio e disciplina, Corpo e educação, Pedagogias do silêncio

Resumo

O texto analisa a questão do silêncio sob uma ambiência contemporânea, pensando-o a partir de sua dupla acepção latina: a de taceo, associada ao silenciamento; e a de sileo, silêncio que amplia espaços subjetivos de criação pela suspensão de codificações significantes previamente existentes. A análise percorre então, sobretudo a partir do pensamento de Michel Foucault e de José Gil, as relações entre modos de silenciar e de disciplinar(-se) e suas reverberações nos corpos, culminando no olhar sobre o silêncio que ora opera como pedagogia moralizante, ora como ato pedagógico que abre espaço para novos modos de existência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

André Bocchetti, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Doutor em Educação pela Universidade de São Paulo. Professor em Educação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ, Administração Educacional, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Referências

Bento, B. (2018). Necrobiopoder: quem pode habitar o Estado-nação?. Cadernos pagu [online], (53), e185305. https://dx.doi.org/10.1590/18094449201800530005.

Bocchetti, A. (2017). O furor como método: sentidos educacionais de uma prática somática. Cocar, 4(esp), 28-56.

Bocchetti, A. (2019). De toques sutis a voadoras: por uma ética educacional a partir dos corpos. Artes de Educar, 5(3), 475-490. https://dx.doi.org/10.12957/riae.2019.45745.

Brechner, Á. (Diretor). (2018). Uma noite de 12 anos [filme]. Tornasol Films S.A.; Manny Films; Alcaravan Aie.

Butler, J. (2018). Corpos em aliança e a política das ruas: notas para uma teoria performativa de assembleia. Civilização Brasileira.

Câmara dos Deputados. Projeto de lei 3019 (2020). Altera a Lei Antiterrorismo n.º 13 260, de 16 de março de 2016, a fim de tipificar os grupos “antifas” (antifascistas) como organizações terroristas. Brasília: Autor. Disponível em: https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra;jsessionid=6DB57B5EED766310EA1EA5A95C28CCFA.proposicoesWebExterno1?codteor=1899405&filename=PL+3019/2020

Collucci, C. (2020, 9 abr.). Diretor do Einstein nega que hospital dê cloroquina no início da Covid-19 e diz que medicina virou BBB. Folha de S. Paulo. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/equilibrioesaude/2020/04/diretor-do-einstein-nega-que-hospital-de-cloroquina-no-inicio-da-covid-19-e-diz-que-medicina-virou-bbb.shtml

Deleuze, G., & Parnet, C. (1998). Diálogos Escuta.

Dreyfus, H., & Rabinow, P. (1995). Michel Foucault entrevistado por Hubert L. Dreyfus e Paul Rabinow. In H. Dreyfus, & P. Rabinow, Michel Foucault: uma trajetória filosófica – Para além do estruturalismo e da hermenêutica. Forense Universitária, 253-278.

Dussel, I., & Caruso, M. (2003). A invenção da sala de aula: uma genealogia das formas de ensinar Moderna.

Foucault, M. (1987). Vigiar e Punir Vozes.

Foucault, M. (1988). História da sexualidade 1: a vontade de saber Graal.

Foucault, M. (1993). História da loucura Perspectiva.

Foucault, M. (2014). Do governo dos vivos: curso no Collège de France (1979-1980). WMF Martins Fontes.

Foucault, M. (2018). O enigma da revolta: entrevistas inéditas sobre a Revolução Iraniana. N.-1.

G1 Rio. (2020, 26 maio). Mudança em método da prefeitura faz Rio registrar menos 1.177 óbitos por Covid-19. G1. Disponível em: https://g1.globo.com/rj/rio-de-janeiro/noticia/2020/05/26/prefeitura-muda-metodo-e-rio-registra-menos-1177-obitos-por-covid-19.ghtml

Garcia, G., Gomes, P, H., & Viana, H. (2020, 28 abr.). “E daí? Lamento. Quer que eu faça o quê?”, diz Bolsonaro sobre mortes por coronavírus; “Sou Messias, mas não faço milagre”. G1. Disonível em: https://g1.globo.com/politica/noticia/2020/04/28/e-dai-lamento-quer-que-eu-faca-o-que-diz-bolsonaro-sobre-mortes-por-coronavirus-no-brasil.ghtml

Gil, J. (2018). Caos e ritmo Relógio d’Água.

Gil, J. (2019). Trajectos filosóficos Relógio d’Água.

Le Moal, P. (2008). Dictionnaire de la danse Larrousse.

Lepecki, A. (2012). Exaurir a dança: performance e a política do movimento Annablume.

Masschelein, J., & Simons, M. (2014). A pedagogia, a democracia, a escola Autêntica.

Matos, M. P. S. R. (2018). Silêncio e sentido em Gilles Deleuze. O Manguezal, 1(2), 63-76.

Mbembe, A. (2018). Necropolítica N-1.

Mendes, I. (2017). A pequena prisão N-1.

Morgan, C. L. (1923). Emergent evolution Williams and Norgate.

Murakami, H. (2010). Do que eu falo quando eu falo de corrida Objetiva.

Nadai, L., Cesar, R. N., & Veiga, C. (2019). De venenos, escutas e assombrações: caminhos para etnografar o silêncio. Mana, 25(3), 837-850.

Nancy, J-L. (2014). À escuta Chão da Feira.

Narodovsky, M. (2001). Infância e Poder: conformação da pedagogia moderna. Editora da Universidade São Francisco.

Orlandi, E. P. (2007). As formas do silêncio: no movimento dos sentidos Ed. Unicamp.

Power-Carter, S. (2020). Re-theorizing silence(s). Trab. Ling. Aplic, 59(1), 99-128.

Rolnik, S. (2018). Esferas da insurreição N-1.

Schnabel, J. (Diretor). (2019). No portal da eternidade [filme]. Iconoclast; Riverstone Pictures.

Publicado

2022-06-15

Como Citar

BOCCHETTI, A. Corpos, silêncios e disciplinas: sobre modos de confinamento e suas educações possíveis. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 33, p. e20200114, 2022. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8670503. Acesso em: 28 nov. 2022.