Malhar como metáfora da exercitação física

Autores

Palavras-chave:

Atividade física, Educação física, Afeto, Motivação

Resumo

Tendo como objeto de investigação o emprego metafórico, no Brasil, da palavra malhar associado à exercitação física, esta pesquisa busca contribuir para a compreensão vinculada ao problema da motivação para a prática regular de atividades físico-esportivas. Participaram do “método de associação livre” 194 pessoas adultas, citando de uma a três palavras ou expressões que lhes tivessem vindo imediatamente à lembrança, a partir do termo indutor malhar. Na sequência, realizaram-se dez entrevistas. Concluiu-se que há correlação entre a atuação profissional em educação física e o problema investigado. Com a exigência da performance, produz-se um afeto negativo (inconsciente) que opera no corpo como uma força (cansaço, desânimo, sofrimento).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carlos Alberto de Andrade Coelho Filho, Universidade Federal de Juiz de Fora

Professor Associado do Departamento de Ginástica e Arte Corporal na Faculdade de Educação Física e Desportos pela Universidade Federal de Juiz de Fora - UFJF.

Referências

Alves, A. J. (1991). O planejamento de pesquisas qualitativas em educação. Cadernos de Pesquisa, 77, 53-61. Disponível em: https://dialnet.unirioja.es/ejemplar/473883

Arango Vélez, E. F., Patiño Villada, F. A., & Díaz-Cardona, G. (2014). Factores asociados con la adherencia a la actividad física en el tiempo libre. Educación Física y Deporte, 33(1), 129-151. doi: http://doi.org/10.17533/udea.efyd.v33n1a08

Bachelard, G. (2001). O ar e os sonhos: ensaio sobre a imaginação do movimento (2a ed., A. P. Danesi, Trad.). Martins Fontes. (Original publicado em 1943)

Benveniste, É. (2005). Problemas de Linguística Geral I (5a ed., M. G. Novak e M. L. Neri, Trad.). Pontes. (Original publicado em 1966)

Cândido, C. M., Assis, M. R., Ferreira, N. T., & Coelho, L. A. M. C. (2015). A representação da educação física na 18ª temporada da telenovela malhação. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, 29(1), 95-106. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1807-55092015000100095

Carvalho, Y. M. (2020). Correndo da atividade física e seguindo os gestos… para pensar uma educação física mais propositiva. In: F. Wachs, L. Lara, & P. Athayde (Orgs.), Ciências do Esporte, Educação Física e Produção do Conhecimento em 40 Anos de CBCE (Vol. 11, Atividade física e saúde, pp. 51-64). EDUFRN.

Coelho Filho, C. A. A. (2007). Metamorfose de um corpo “andarilho”: busca e reencontro do “algo” melhor Casa do Psicólogo.

Coelho Filho, C. A. A. (2014). Narcisismo e sua relação com a prática de atividades físico-esportivas. Psicologia & Sociedade, 26(1), 194-203. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/psoc/v26n1/21.pdf

Coelho Filho, C. A. A., & Andrade, R. G. N. (2013). Motivos de um indivíduo para praticar atividades físico-esportivas. Psicologia em Estudo, 18(3), 475-485. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pe/v18n3/v18n3a08.pdf

Courtine, J.-J. (1995). Os stakhanovistas do narcisismo: body-building e puritanismo ostentatório na cultura americana do corpo. In: D. B. de Sant’Anna (Org.), Políticas do corpo (pp. 81-114). Estação Liberdade.

Dallo, A. R. (2007). A ginástica como ferramenta pedagógica: o movimento como agente de formação Editora da Universidade de São Paulo.

Ferreira, A. B. H. (2004). Novo dicionário Aurélio da língua portuguesa (3a ed., rev. e atual.). Positivo.

Fraga, A. B. (2006). Exercício da informação: governo dos corpos no mercado da vida ativa Autores Associados.

Freud, S. (1987). Obras psicológicas completas de Sigmund Freud: edição “standard” brasileira (2a ed., Vol. 19, A negativa, pp. 263-269). Imago. (Original publicado em 1925)

Frey, D. (2011). (Apresentação) A obra de Ricoeur e a hermenêutica. In P. Ricoeur, Escritos e conferências 2: hermenêutica (pp. 7-12). Loyola.

Fundação Capes (2019, 3 de julho). Sobre as áreas de avaliação. Disponível em: http://www.capes.gov.br/avaliacao/sobre-as-areas-de-avaliacao

Hansen, R., & Vaz, A. F. (2004). Treino, culto e embelezamento do corpo: um estudo em academias de ginástica e musculação. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, 26(1), 135-152. Disponível em: http://oldarchive.rbceonline.org.br/index.php/RBCE/article/viewFile/109/119

Kaufmann, J.-C. (2013). A entrevista compreensiva: um guia para pesquisa de campo (T. Abreu e L. Florencio, Trad.). Vozes; Edufal. (Original publicado em 1996)

Lima, V. L., & Coelho Filho, C. A. A. (2018). Saúde, estética e educação física: uma aproximação crítica. Instrumento: Revista de Estudo e Pesquisa em Educação, 20(1), 37-49. doi: https://doi.org/10.34019/1984-5499.2018.v20.19105

Malabou, C. (2014). Ontologia do acidente: ensaio sobre a plasticidade destrutiva (F. Scheibe, Trad.). Cultura e Barbárie. (Original publicado em 2009)

Mira, C. A. M. (2000). O declínio de um paradigma: ensaio crítico sobre a relação de causalidade entre exercício físico e saúde [Tese de Doutorado]. Faculdade de Educação Física, Universidade Gama Filho, Rio de Janeiro.

Molina, J. P., & Beltrán, V. J. (2007). Incompetencia motriz e ideología del rendimiento en educación física: el caso de un alumno con discapacidad intelectual. Motricidad. European Journal of Human Movemen, 19, 157-180. Disponível em: https://www.eurjhm.com/index.php/eurjhm/article/view/193/358

Neira, M. G. (2018). O currículo cultural da educação física: pressupostos, princípios e orientações didáticas. Revista e-Curriculum, 16(1), 4-29. doi: http://dx.doi.org/10.23925/1809-3876.2018v16i1p4-28

Organização Pan-Americana da Saúde. (2018, 4 de junho). OMS lança plano de ação global sobre atividade física para reduzir comportamento sedentário e promover a saúde. Disponível em: https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=5692:oms-lanca-plano-de-acao-global-sobre-atividade-fisica-para-reduzir-comportamento-sedentario-e-promover-a-saude&Itemid=839

Palma, A. (2020). Tensões e possibilidades nas interações entre Educação Física, saúde e sociedade. In F. Wachs, L. Lara, & P. Athayde (Orgs.), Ciências do Esporte, Educação Física e Produção do Conhecimento em 40 Anos de CBCE (Vol. 11, Atividade física e saúde, pp. 15-28). Natal, RN: EDUFRN.

Peres, M. (2014). Tem que correr, tem que malhar (em Bodyville). Anamorfose - Revista de Estudos Modernos, 2(1), 135-164. Disponível em: http://www.anamorfose.ridem.net/index.php/anamorfose/article/view/22/16

Ribeiro, C. (2016, 4 de setembro). Haja perna! Revista O Globo, 41.

Ricoeur, P. (1975). La métaphore vive Le Seuil.

Ricoeur, P. (2011). Escritos e conferências 2: hermenêutica (L. P. Souza, Trad.). Loyola. (Original publicado em 2010)

Roble, O. J., Rodrigues, L. S., & Lima, K. A. (2015). Lógica das sensações na atividade física: uma análise dos discursos de academias de ginástica brasileiras e suas projeções na sociedade contemporânea. Saúde e Sociedade, 24(1), 337-349. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902015000100026

Sá, C. P. (1996). Núcleo central das representações sociais Vozes.

Santos, S. C., & Knijnik, J. D. (2006). Motivos de adesão à prática de atividade física na vida adulta intermediária. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte, 5(1), 23-34. Disponível em: http://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/remef/article/view/1299/1002

Santos, I. L., & Neira, M. G. (2019). Tematização e problematização: pressupostos freirianos no currículo cultural da educação física. Pro-Posições, 30, 1-19. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1980-6248-2016-0168

Santos, S. F., & Salles, A. D. (2009). Antropologia de uma academia de musculação: um olhar sobre o corpo e um espaço de representação social. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, 23(2), 87-102. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/rbefe/article/view/16713/18426

Saussure, F. (2004). Escritos de linguística geral (C. A. L. Salum e A. L. Franco, Trad.). Cultrix. (Original publicado em 2002)

Saussure, F. (2006). Curso de linguística geral (27a ed., A. Chelini, J. P. Paes & I. Blikstein, Trad.). Cultrix. (Original publicado em 1916)

Silva, A. C., & Ferreira, J. (2018). Entre remediar e prevenir: uma etnografia sobre o manejo da dor e dos “limites” corporais em academias de ginástica do Rio de Janeiro. Pensar a Prática, 21(1), 107-118. doi: https://doi.org/10.5216/rpp.v21i1.39631

Soares, C. L. (2008). Pedagogias do corpo: higiene, ginásticas, esporte. In M. Rago, & A. Veiga-Neto (Orgs.), Figuras de Foucault (pp. 75-86). Autêntica.

Teixeira, F. L. S., & Caminha, I. O. (2010). A supervitalidade como forma de poder: um olhar a partir das academias de ginástica. Revista Movimento, 16(3), 203-220. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/Movimento/article/view/12295/10016

World Health Organization. (2018, 1 de junho). Global action plan on physical activity 2018–2030: more active people for a healthier world. Disponível em: https://www.who.int/publications/i/item/9789241514187

Publicado

2022-07-06

Como Citar

COELHO FILHO, C. A. de A. . Malhar como metáfora da exercitação física. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 33, p. e20200097, 2022. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8670525. Acesso em: 28 nov. 2022.

Dados de financiamento