As pós-graduações do IPHAN como termômetro da gestão do patrimônio arqueológico

Autores

  • Alejandra Saladino Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro
  • Luana Campos Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional
  • Lia Motta Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional
  • Juliana Sorgine Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional

DOI:

https://doi.org/10.20396/rap.v13i2.8657360

Palavras-chave:

Formação, Gestão, Patrimônio arqueológico, IPHAN

Resumo

A partir da observação das vagas de alunos oferecidas por unidades do IPHAN à Coordenação do Mestrado Profissional em Preservação do Patrimônio Cultural da própria instituição, objetivamos refletir sobre as especificidades e os desafios da formação e atuação dos agentes voltados para a gestão do patrimônio arqueológicos. As análises das demandas apresentadas ao Mestrado, das atividades práticas supervisionada oferecidas pelas unidades institucionais, do corpo discente selecionado e a reflexão sobre os objetivos do curso, conteúdo programático e recursos metodológicos aplicados na disciplina do Mestrado, intitulada “Patrimônio Arqueológico: legislação e pesquisa”, confirmam a vocação transdisciplinar da gestão do patrimônio arqueológico e o desafio de adequar os tópicos específicos da Arqueologia para torná-los acessíveis e aplicáveis por parte dos recém-formados agentes patrimoniais cultural nos seus postos de atuação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alejandra Saladino, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Doutora em Ciências Sociais pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Professora Associada do Departamento de Estudos e Processos Museológicos, Escola de Museologia, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro.

Luana Campos, Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional

Professora do Mestrado Profissional em Preservação do patrimônio Cultural do IPHAN.

Lia Motta , Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional

Doutora em Urbanismo pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Servidora do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN).

Juliana Sorgine , Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional

Mestrado em História Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Historiadora do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional.

 

Referências

BEZERRA, Marcia. Bicho de nove cabeças: os cursos de graduação e a formação de arqueólogos no Brasil. Revista de Arqueologia, v.21.2, p.139-154, 2008.

BRUNO, Maria Cristina de Oliveira. Museus de Arqueologia no Brasil: uma estratigrafia de abandonos e de desafios. BRAGA, Eneida; COSTA, Ana Lourdes de Aguiar (orgs.) Anais 200 anos de museus no Brasil: desafios e perspectivas. Brasília: IBRAM, 2018. < https://www.museus.gov.br/wp-content/uploads/2019/08/Anais-200anosMuseusBrasil_FINAL.pdf > [Acesso em 10 de outubro de 2019]

CASTILLO MENA, Alicia; DOMINGUEZ, Marta; SALTO-WEISS; Isabel (2014), “Citinzenship and Heritage Commitment: Looking for Participatory Methodologies Adopted to the Urban Cultural Heritage Context”. DI STEFANO, Maurizio (org.), 18th ICOMOS General Assembly – Conference Proceedings. Charenton-le-Pont/Firenze: ICOMOS/Edizioni Scientifiche Italiane, 415-421.

CHUVA, Marcia. Fundando a nação: a representação de um Brasil barroco, modernos e civilizado. Topoi, 4(7):313 – 333, 2003.

FUNARI, Pedro Paulo. Arqueologia. São Paulo: Contexto, 2003.

FUNARI, P. P. A Arqueologia no Brasil e no mundo: origens, problemáticas e tendências. Cienc. Cult. São Paulo, v. 65, n. 2, p. 23-25, 2013.

GONÇALVES, Wille de Barros. Ciência do Patrimônio. Associação Nacional de Pesquisa em Tecnologia e Ciência do Patrimônio. < http://lacicor.eba.ufmg.br/antecipa/index.php/ciencia-do-patrimonio/ > [Acesso em 20 de outubro de 2019]

GONÇALVES, José Reginaldo Santos. O patrimônio como categoria de pensamento. In. ABREU, Regina; CHAGAS, Mário (orgs.). Memória e patrimônio: ensaios contemporâneos. 2ª ed. Rio de Janeiro: Lamparina, pp.25-33, 2009.

HARTOG, François. Tempo e Patrimônio. Varia História. 22(36): 261-273, 2006.

INGOLD, Tim. Trazendo as coisas de volta à vida: emaranhados criativos num mundo de materiais. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 18, n.37, p.25-34, jan/jun 2012.

IPHAN. Plano Intermediário para Gestão do Patrimônio Arqueológico. Brasília: IPHAN, 2011.

LIMA, Tania Andrade. Cultura material: a dimensão concreta das relações sociais. Boletim do Museu Paraense Emilio Goeldi, v.6, n.1, p.11-23, jan-abr.2011. < http://www.scielo.br/pdf/bgoeldi/v6n1/a02v6n1 > [Acesso em 20 de julho de 2019]

LINDSKOUGH, Henrik B. “Coleccionando naturaleza, creando cultura: construcción de la docotomía naturaliza/cultura en museos. Antípoda. Revista

de Antropología y Arqueología, n. 36, Bogotá, julio-septiembre, 2019, p.11-32. < https://issuu.com/publicacionesfaciso/docs/revista_antipoda_no._36 > [Acesso em 20 de julho de 2019]

MARTOS, Marta. Herramientas para la gestión turística del patrimonio cultural. Gijón: Ediciones Trea, 2016.

MOLINA, Marta Martos. Herramientas para la gestión turística del patrimônio cultural. Gijón: Ediciones Trea, 2016.

PARDI, Maria Lúcia Franco. Gestão de Patrimônio Arqueológico, Documentação e Política de Preservação. Mestrado Profissionalizante em Gestão do Patrimônio Cultural. Goiânia: Instituto Goiano de Pré-História e Antropologia, 2002.

PROUS, André. Arqueologia Brasileira. Brasília: EDUNB, 1992.

QUEROL, María Ángeles. Manual para la gestión del patrimonio cultural. Madrid: Akal, 2008.

SALADINO, Alejandra. Prospecções: o patrimônio arqueológico nas práticas e trajetória do IPHAN. Tese de Doutorado. Rio de Janeiro: UERJ, 2010.

SILVA, Regina Coeli Pinheiro. Compatibilizando os instrumentos legais de preservação arqueológica no Brasil: o Decreto-Lei nº 25/37 e a lei nº 3.924/61.Revista de arqueologia, 9:9-23,1996.

STANCHI, Roberto. O patrimônio arqueológico: oitenta anos de delegações. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, n.35, 2017, p. 171-202 < http://portal.iphan.gov.br/uploads/publicacao/revpat_35.pdf > [Acesso em 21 de julho de 2017]

STRLIČ, Matijia. Angewandte Journal, 57, 2018, p. 2-4. < http://www.e-rihs.eu/prof-strlic-introduces-heritage-science-means/ > [Acesso em 20 de outubro de 2019]

TILDEN, Freeman. Interpreting our heritage. North Carolina: University of North Carolina Press, 1977.

VIANA, Sibeli; BEZERRA, Marcia, EREMITES, Jorge (orgs.). Revista Habitus, 2015.

Downloads

Publicado

2019-12-19

Como Citar

SALADINO, A.; CAMPOS, L.; MOTTA , L. .; SORGINE , J. . As pós-graduações do IPHAN como termômetro da gestão do patrimônio arqueológico. Revista Arqueologia Pública, Campinas, SP, v. 13, n. 2, p. 146–168, 2019. DOI: 10.20396/rap.v13i2.8657360. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rap/article/view/8657360. Acesso em: 5 dez. 2021.