Banner Portal
Higher education in prehistory and archaeology
PDF

Palavras-chave

Educação
Pré-história
Arquelogia
Humanidades
Tomar

Como Citar

OOSTERBEEK, Luiz. Higher education in prehistory and archaeology: a matter of market?. Revista Arqueologia Pública, Campinas, SP, v. 13, n. 2, p. 23–40, 2019. DOI: 10.20396/rap.v13i2.8658295. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rap/article/view/8658295. Acesso em: 18 maio. 2024.

Resumo

A crescente divisão entre ciências e humanidades conduziu, nas últimas décadas, ao seu enfraquecimento global,levando a um império pragmático de soluções tecnológicas, privadas de significado e raciocínio global. Paralelamente, a fonte de muitos processos disruptivos atuais é a incapacidade de entender as implicações da fusão global de economias e sociedades, mas também a tendência de segregar novas identidades e redes culturais. Consideramos que a educação e o treinamento são elementos-chave no processo de construção de paisagens compartilhadas, ou seja, perceções convergentes compartilhadas dos territórios, e que a educação em pré-história e arqueologia deve ser estruturada nesse contexto. Refletindo sobre as preocupações e perspetivas gerais da educação em Humanidades em geral, e sobre restrições específicas na Europa e em Portugal, argumentamos que a relevância específica da arqueologia num programa global de ciências humanas diz respeito à sua experiência na avaliação de mecanismos de adaptação, equilíbrios economia-ambiente, técnicas e tecnologia, bem como à sua abordagem interdisciplinar, que vai além das humanidades e envolve as ciências sociais e naturais. O texto conclui apresentando a estrutura e a estratégia do programa de Mestrado em Arqueologia Pré-Histórica e Arte Rupestre, como parte de um programa mais amplo de educação em arqueologia e patrimônio cultural no Instituto Politécnico de Tomar.

https://doi.org/10.20396/rap.v13i2.8658295
PDF

Referências

Arnold, K. (2006). Cabinets for the curious: looking back at early English museums. London: Ashgate.

Böhme, G. & Stehr, N. (1986). The Knowledge Society: The Growing Impact of Scientific Knowledge on Social Relations. Dordrecht, D. Reidel Publishing Company.

Bourdieu, P., Passeron, J. C. (1977). Reproduction in Education, Society and Culture. London: Sage.

Carr, N. (2011). The shallows: What the internet is doing to our brains. NY: W.W. Norton & Co.

Castells, M. (2010). The Rise of the Network Society: Economy, Society, and Culture, 2.ª Ed., Vol. I – Information Age. Oxford: Wiley-Blackwell.

Crowley, J. (2016). Sustainability as narrative. From scientific abstraction to social representation. In: Oosterbeek, L.; Quagliuolo, M.; Caron, L. (2016, eds,). Sustainability Dilemmas.Transdisciplinary contributions to integrated cultural landscape management.ITM, série ARKEOS, vol. 38-39, pp. 37-53.

Derrida, J. (1967). L’Écriture Et La Différence. Paris: Les Éditions du Seuil.

Fabião, Carlos (1999). Um século de Arqueologia em Portugal – I. In: Al-madan. – Almada: Centro de Arqueologia de Almada. – ISSN 0871-066X. – Sér. 2, n.º 8, pp. 104-126.

Fabião, Carlos (2006). A Universidade e as Empresas de Arqueologia: vias para uma relação desejável. In: Era Arqueologia. – Lisboa: Era Arqueologia. – ISSN 0874-9701. – N.º 7 (Fev.), pp. 30-40.

Fiorillo, Celso A. P. (2015). Princípios constitucionais do direito da sociedade da informação São Paulo: Editora Saraiva.

Hellier, J. (2012). North-South Globalization and Inequality. In: ECINEQ Working paper series. 273 (www.ecineq.org/milano/WP/ECINEQ2012-273.pdf).

ISSC, IDS and UNESCO (2016). World Social Science Report 2016 Challenging inequalities: pathways to a just world. Paris: UNESCO publishing.

Leonhard, G. (2016). Technology vs Humanity. UK: Fast Future Publishing.

Lopes, Flávio; Correia, Miguel Brito (2004). Património Arquitectónico e Arqueológico:Cartas, Recomendações e Convenções Internacionais , Livros Horizonte, Lisboa, 2004.

Miranda, J. M., Meseguer, J. S., Ramírez, A. (1986). Bases para el estudio de las relaciones entre el medio geográfico y los asentamientos humanos. IN: Arqueología espacial, vol. 7, pp. 199-212.

Oosterbeek, L. (2007). Arqueologia, património e gestão do território: polémicas. Erechim: Habilis, 199, [1] p.

Oosterbeek, L. (1999). Artes, Ciências e Tecnologia: dialéctica da educação ou o paradoxo da modernidade politécnica, IN: A. R. Cruz, L. Oosterbeek, coord. (1999), Perspectivas em Diálogo 1 º Curso Intensivo de Arte Pré-Histórica Europeia, série ARKEOS, vol. 6, tomo I, Centro Europeu de Investigação da Pré-História do Alto Ribatejo, pp. 179-186.

Oosterbeek, L. (2011a). Is There a Role for the Humanities in Face of the Global Warming and Social Crisis? Journal of Iberian Archaeology, vol. 14, pp. 97-103.

Oosterbeek, L. (2014b). Changing the gestures of the eyes to invent new landscapes. In: Oosterbeek, L.; Pollice, F. Cultural heritage and local development Local communities through heritage awareness and global understanding Ravello: appendix to Territori della Cultura n 18, pp. 108-117.

Oosterbeek, L. (2011c). Um Século e Meio de Conflitos na Arqueologia Preventiva em Portugal: entre o dever e o esquecimento. Area Domeniu vol. 4, pp. 35-56.

Oosterbeek, L. (2014a). Gestão Integrada de Território em Morro do Pilar: uma nova visão para o uso inteligente do território. IN: Oliveira, L. C. (coord,) Morro do Pilar: cultura, memória, sustentabilidade e a antecipação do futuro. Morro do Pilar: Instituto do Espinhaço, pp. 288-313.

Oosterbeek, L. (2016). Becoming Human. New approaches for uncertain times. In: Oosterbeek, L.; Quagliuolo, M.; Caron, L. (2016, eds,). Sustainability Dilemmas Transdisciplinary contributions to integrated cultural landscape management ITM, série ARKEOS, vol. 38-39, pp. 85-107.

Oosterbeek, L. (2017a). Kóios and Phoïbe: knowledge through sociocultural matrices, in the framework of cultural integrated landscape management and sustainability science. In: Oosterbeek, L.; Werlen, B.; Caron, L. (2017, eds,). Sociocultural matrices Transdisciplinary contributions to integrated cultural landscape management – Vol. 1 ITM, série ARKEOS, vol. 40, pp. 45-64.

Oosterbeek, L. (2017b). Encrypting and decrypting territories: training, education and communication within landscapes. In: Oosterbeek L., Gudauskas R., Caron L. (eds, 2017). Education, training and communication in cultural management of landscapes. Transdisciplinary contributions to Cultural Integrated Landscape Management. Mação: Instituto Terra e Memória, série Arkeos, vol. 42., pp. 11-18.

Oosterbeek, L., Scheunemann, Inguelore, Rosina, P., Tristao, A., Anastacio, R., Guimaraes, A., Santos, F.D. (2011). Gestao integrada de grandes espacos urbanos - Uma reflexao transatlantica. IN: Revista Internacional em Lingua Portuguesa, III serie, no 23, pp. 163-176.

Piaget, J. (1954). The construction of reality in the child. New York: Basic Books.

Raposo, Luís (1999). Arqueologia e museus em Portugal desde finais do século XIX. In: Al-madan. – Almada: Centro de Arqueologia de Almada. – ISSN 0871- 066X. – Sér. 2, n.º 8 (Out.), pp. 169-17.

Scheunemann, I.; Oosterbeek, L. (Eds) (2012). A new paradigm of sustainability: theory and praxis of integrated landscape management.Rio de Janeiro: IBIO.

Schwartzman, R. (2013). Consequences of commodifying education.Academic Exchange Quarterly, 17(3), 41-46.

Silva, António Carlos (2002). Das propostas de Estácio da Veiga (1880) à criação do Instituto Português de Arqueologia (1996): cem anos de equívocos na gestão do património arqueológico. In: Arqueologia e história. – Lisboa: Associação dos Arqueólogos Portugueses. – Vol. 54, pp. 299-315.

Sousa, D. A.; Pilecki, T. (2013). From STEM to STEAM. Thousand Oaks, California: Corwin.

Stiglitz, Joseph E. (2012). The Price of Inequality: How Today’s Divided Society Endangers Our Future.New York: W.W. Norton & Company.

UNESCO (2015). Re-shaping cultural policies. A decade promoting the diversity of cultural expressions for development.Luxembourg: Imprimerie Centrale.

Vasile, C. (2012). Digital era psychology – studies on cognitive changes. Procedia - Social and Behavioural Sciences, 33, pp. 732-736.

Revista Arqueologia Pública utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.