Higher education in prehistory and archaeology

a matter of market?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rap.v13i2.8658295

Palavras-chave:

Educação, Pré-história, Arquelogia, Humanidades, Tomar

Resumo

A crescente divisão entre ciências e humanidades conduziu, nas últimas décadas, ao seu enfraquecimento global,levando a um império pragmático de soluções tecnológicas, privadas de significado e raciocínio global. Paralelamente, a fonte de muitos processos disruptivos atuais é a incapacidade de entender as implicações da fusão global de economias e sociedades, mas também a tendência de segregar novas identidades e redes culturais. Consideramos que a educação e o treinamento são elementos-chave no processo de construção de paisagens compartilhadas, ou seja, perceções convergentes compartilhadas dos territórios, e que a educação em pré-história e arqueologia deve ser estruturada nesse contexto. Refletindo sobre as preocupações e perspetivas gerais da educação em Humanidades em geral, e sobre restrições específicas na Europa e em Portugal, argumentamos que a relevância específica da arqueologia num programa global de ciências humanas diz respeito à sua experiência na avaliação de mecanismos de adaptação, equilíbrios economia-ambiente, técnicas e tecnologia, bem como à sua abordagem interdisciplinar, que vai além das humanidades e envolve as ciências sociais e naturais. O texto conclui apresentando a estrutura e a estratégia do programa de Mestrado em Arqueologia Pré-Histórica e Arte Rupestre, como parte de um programa mais amplo de educação em arqueologia e patrimônio cultural no Instituto Politécnico de Tomar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luiz Oosterbeek, Instituto Politécnico de Tomar

Professor Coordenador do Instituto Politécnico de Tomar. Centro de Geociências da Universidade de Coimbra. Titular da Cátedra UNESCO-IPT em Humanidades e Gestão Cultural Integrada do Território.

Referências

Arnold, K. (2006). Cabinets for the curious: looking back at early English museums. London: Ashgate.

Böhme, G. & Stehr, N. (1986). The Knowledge Society: The Growing Impact of Scientific Knowledge on Social Relations. Dordrecht, D. Reidel Publishing Company.

Bourdieu, P., Passeron, J. C. (1977). Reproduction in Education, Society and Culture. London: Sage.

Carr, N. (2011). The shallows: What the internet is doing to our brains. NY: W.W. Norton & Co.

Castells, M. (2010). The Rise of the Network Society: Economy, Society, and Culture, 2.ª Ed., Vol. I – Information Age. Oxford: Wiley-Blackwell.

Crowley, J. (2016). Sustainability as narrative. From scientific abstraction to social representation. In: Oosterbeek, L.; Quagliuolo, M.; Caron, L. (2016, eds,). Sustainability Dilemmas.Transdisciplinary contributions to integrated cultural landscape management.ITM, série ARKEOS, vol. 38-39, pp. 37-53.

Derrida, J. (1967). L’Écriture Et La Différence. Paris: Les Éditions du Seuil.

Fabião, Carlos (1999). Um século de Arqueologia em Portugal – I. In: Al-madan. – Almada: Centro de Arqueologia de Almada. – ISSN 0871-066X. – Sér. 2, n.º 8, pp. 104-126.

Fabião, Carlos (2006). A Universidade e as Empresas de Arqueologia: vias para uma relação desejável. In: Era Arqueologia. – Lisboa: Era Arqueologia. – ISSN 0874-9701. – N.º 7 (Fev.), pp. 30-40.

Fiorillo, Celso A. P. (2015). Princípios constitucionais do direito da sociedade da informação São Paulo: Editora Saraiva.

Hellier, J. (2012). North-South Globalization and Inequality. In: ECINEQ Working paper series. 273 (www.ecineq.org/milano/WP/ECINEQ2012-273.pdf).

ISSC, IDS and UNESCO (2016). World Social Science Report 2016 Challenging inequalities: pathways to a just world. Paris: UNESCO publishing.

Leonhard, G. (2016). Technology vs Humanity. UK: Fast Future Publishing.

Lopes, Flávio; Correia, Miguel Brito (2004). Património Arquitectónico e Arqueológico:Cartas, Recomendações e Convenções Internacionais , Livros Horizonte, Lisboa, 2004.

Miranda, J. M., Meseguer, J. S., Ramírez, A. (1986). Bases para el estudio de las relaciones entre el medio geográfico y los asentamientos humanos. IN: Arqueología espacial, vol. 7, pp. 199-212.

Oosterbeek, L. (2007). Arqueologia, património e gestão do território: polémicas. Erechim: Habilis, 199, [1] p.

Oosterbeek, L. (1999). Artes, Ciências e Tecnologia: dialéctica da educação ou o paradoxo da modernidade politécnica, IN: A. R. Cruz, L. Oosterbeek, coord. (1999), Perspectivas em Diálogo 1 º Curso Intensivo de Arte Pré-Histórica Europeia, série ARKEOS, vol. 6, tomo I, Centro Europeu de Investigação da Pré-História do Alto Ribatejo, pp. 179-186.

Oosterbeek, L. (2011a). Is There a Role for the Humanities in Face of the Global Warming and Social Crisis? Journal of Iberian Archaeology, vol. 14, pp. 97-103.

Oosterbeek, L. (2014b). Changing the gestures of the eyes to invent new landscapes. In: Oosterbeek, L.; Pollice, F. Cultural heritage and local development Local communities through heritage awareness and global understanding Ravello: appendix to Territori della Cultura n 18, pp. 108-117.

Oosterbeek, L. (2011c). Um Século e Meio de Conflitos na Arqueologia Preventiva em Portugal: entre o dever e o esquecimento. Area Domeniu vol. 4, pp. 35-56.

Oosterbeek, L. (2014a). Gestão Integrada de Território em Morro do Pilar: uma nova visão para o uso inteligente do território. IN: Oliveira, L. C. (coord,) Morro do Pilar: cultura, memória, sustentabilidade e a antecipação do futuro. Morro do Pilar: Instituto do Espinhaço, pp. 288-313.

Oosterbeek, L. (2016). Becoming Human. New approaches for uncertain times. In: Oosterbeek, L.; Quagliuolo, M.; Caron, L. (2016, eds,). Sustainability Dilemmas Transdisciplinary contributions to integrated cultural landscape management ITM, série ARKEOS, vol. 38-39, pp. 85-107.

Oosterbeek, L. (2017a). Kóios and Phoïbe: knowledge through sociocultural matrices, in the framework of cultural integrated landscape management and sustainability science. In: Oosterbeek, L.; Werlen, B.; Caron, L. (2017, eds,). Sociocultural matrices Transdisciplinary contributions to integrated cultural landscape management – Vol. 1 ITM, série ARKEOS, vol. 40, pp. 45-64.

Oosterbeek, L. (2017b). Encrypting and decrypting territories: training, education and communication within landscapes. In: Oosterbeek L., Gudauskas R., Caron L. (eds, 2017). Education, training and communication in cultural management of landscapes. Transdisciplinary contributions to Cultural Integrated Landscape Management. Mação: Instituto Terra e Memória, série Arkeos, vol. 42., pp. 11-18.

Oosterbeek, L., Scheunemann, Inguelore, Rosina, P., Tristao, A., Anastacio, R., Guimaraes, A., Santos, F.D. (2011). Gestao integrada de grandes espacos urbanos - Uma reflexao transatlantica. IN: Revista Internacional em Lingua Portuguesa, III serie, no 23, pp. 163-176.

Piaget, J. (1954). The construction of reality in the child. New York: Basic Books.

Raposo, Luís (1999). Arqueologia e museus em Portugal desde finais do século XIX. In: Al-madan. – Almada: Centro de Arqueologia de Almada. – ISSN 0871- 066X. – Sér. 2, n.º 8 (Out.), pp. 169-17.

Scheunemann, I.; Oosterbeek, L. (Eds) (2012). A new paradigm of sustainability: theory and praxis of integrated landscape management.Rio de Janeiro: IBIO.

Schwartzman, R. (2013). Consequences of commodifying education.Academic Exchange Quarterly, 17(3), 41-46.

Silva, António Carlos (2002). Das propostas de Estácio da Veiga (1880) à criação do Instituto Português de Arqueologia (1996): cem anos de equívocos na gestão do património arqueológico. In: Arqueologia e história. – Lisboa: Associação dos Arqueólogos Portugueses. – Vol. 54, pp. 299-315.

Sousa, D. A.; Pilecki, T. (2013). From STEM to STEAM. Thousand Oaks, California: Corwin.

Stiglitz, Joseph E. (2012). The Price of Inequality: How Today’s Divided Society Endangers Our Future.New York: W.W. Norton & Company.

UNESCO (2015). Re-shaping cultural policies. A decade promoting the diversity of cultural expressions for development.Luxembourg: Imprimerie Centrale.

Vasile, C. (2012). Digital era psychology – studies on cognitive changes. Procedia - Social and Behavioural Sciences, 33, pp. 732-736.

Downloads

Publicado

2019-12-19

Como Citar

OOSTERBEEK, L. Higher education in prehistory and archaeology: a matter of market?. Revista Arqueologia Pública, Campinas, SP, v. 13, n. 2, p. 23–40, 2019. DOI: 10.20396/rap.v13i2.8658295. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rap/article/view/8658295. Acesso em: 30 nov. 2021.