A musealização da arqueologia pela perspectiva do putafeminismo

materialidades e narrativas de trabalhadoras sexuais em uma exposição na cidade de Pelotas (RS)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rap.v16i1.8663866

Palavras-chave:

Musealização da arqueologia, Trabalhadoras sexuais, Putafeminismo , Exposição, Patrimônio

Resumo

ARTIGO.© Rev. Arqueologia PúblicaCampinas, SPv.16n.1p.14506/2021ISSN 2237-8294DOI10.20396/rap.v16i1.8663866A MUSEALIZAÇÃO DA ARQUEOLOGIA PELA PERSPECTIVA DO PUTAFEMINISMO:MATERIALIDADES E NARRATIVAS DE TRABALHADORAS SEXUAIS EM UMA EXPOSIÇÃO NA CIDADE DE PELOTAS Vanessa Avila Costa1Louise Prado Alfonso2RESUMOEste artigo propõe a musealizaçãode uma arqueologia que envolva as trabalhadoras sexuais, abarcando suas materialidades e narrativas no espaço dos museus e que considere suas demandas contemporâneas. Partindo dessa perspectiva, reivindicamos um fazer arqueológico engajado com o ativismo político do putafeminismo, movimento este travado por trabalhadoras sexuais, que tem como objetivo lutar contra o estigma que cerca a profissão e pela garantia de direitos trabalhistas. Os museus são espaços que, tradicionalmente, privilegiam uma narrativahegemônica branca, elitista, androcêntrica e cis-heteronormativa, o que acaba por suprimir as histórias de trabalhadoras sexuais. Nesse sentido, nos debruçaremos sobre a experiência de construção do módulo “A luta das trabalhadoras pelo direito de habitara cidade de Pelotas”, de uma exposição que fez parte das comemorações do Dia do Patrimônio em Pelotas (RS) no ano de 2019.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vanessa Avila Costa, Universidade Federal de Pelotas - UFPel

Bacharela em Arqueologia pela Universidade Federal do Rio Grande (FURG) e mestra em Antropologia (área de concentração em Arqueologia) pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel). É integrante do Grupo de Estudos Etnográficos Urbanos – GEEUR da UFPel e pesquisadora do Liber Studium – Laboratório de Arqueologia do Capitalismo da FURG.

Louise Prado Alfonso, Universidade Federal de Pelotas - UFPel

Doutora em Arqueologia pelo Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo (MAE/USP). Professora do Departamento de Antropologia e Arqueologia (DAA) e do Programa de Pós Graduação em Antropologia (PPGAnt) do Instituto de Ciências Humanas (ICH) da Universidade Federal de Pelotas (UFPel). Professora do Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo (PROGRAU) da UFPel. Integrante do Grupo de Estudos Etnográficos Urbanos (GEEUR/UFPel). 

Referências

AGIER, Michel. Do direito à cidade ao fazer-cidade. O antropólogo, a margem e o centro. Mana, Rio de Janeiro, v. 21, n. 3, p. 483-498, 2015.

ALABAO, Nuria. “El sexo para las mujeres há sido siempre un trabajo”. Entrevista com Silvia Federici. Revista Contexto. N. 194, 2018. Disponível em: https://ctxt.es/es/20181114/Politica/22841/silvia-federici-el-sexo-ha-sido-un-trabajopara-las-mujeres.htm. Acesso: 20/11/2020.

ALFONSO, Louise. Arqueologia e Turismo: sustentabilidade e inclusão social. 2012. Tese (Doutorado em Arqueologia) – Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

ALFONSO, Louise; RIETH, Flávia. Narrativas de Pelotas e Pelotas Antiga: a cidade enquanto Bem Cultural. In: Patrimônios plurais: iniciativas e desafios. SCHIAVON, Carmem; PELEGRINI, Sandra (org.). Editora da FURG, Rio Grande – RS, 2016.

ANDERSON, Benedict. Comunidades imaginadas: reflexões sobre a origem e a difusão do nacionalismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

BAUDELAIRE, Violet. Relatório de Estágio de Campo – Pintando o que é invisível... (Bacharelado em Arqueologia – FURG), Rio Grande, RS, 2019.

BENDER, Barbara. Landscape and Politics. In: The Material Culture Reader. Edited by Victor Buchli. Berg Publitions, Oxford, New York, 2002.

BRUNO, Maria Cristina. Arqueologia e antropofagia: a musealização de sítios arqueológicos. Revista do Patrimônio Histórico Artístico Nacional, n. 31, p. 234-247, 2005.

BRUNO, Maria Cristina. Musealização da Arqueologia: caminhos percorridos. Revista de Arqueologia, São Paulo, v. 26, n. 2, p. 4-15, 2013.

CHAGAS, Mário. Museus, memórias e movimentos sociais. Cadernos de Sociomuseologia, n. 41, 2011.

COSTA, Vanessa. Arqueologia das margens: pensando paisagens e fronteiras. Tessituras, Pelotas, v. 6, n. 1, p. 21-28, jan./jun. 2018.

COSTA, Vanessa. As Manifestações das Paisagens Ocultadas: Arqueologia da Pelotas de Trabalhadoras Sexuais. Dissertação (Mestrado em Antropologia com área de concentração em Arqueologia) – Programa de Pós-Graduação em Antropologia, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2020.

DODE, Maritza. “Fazer-me um cortiço debaixo das janelas!...”: os cortiços na paisagem urbana da Rio Grande oitocentista. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Arqueologia) – FURG, Rio Grande, RS, 2012.

FEDERICI, Silvia. Calibã e a bruxa: mulheres, corpo e acumulação primitiva. Tradução Sycorax. Editora Elefante. 1ª Ed. São Paulo, 2017.

FREIRE, Paulo; FAUNDEZ, Antonio. Por uma Pedagogia da Pergunta. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1998.

GNECCO, Cristobal. Escavando arqueologias alternativas. Revista de Arqueologia, v. 25, n. 2, p. 8-22, 2012.

GONZÁLEZ-RUIBAL, Alfredo. Time to destroy an archaeology of supermodernity. Current Anthropology. V. 49, N. 2, 2008.

GONZÁLEZ-RUIBAL, Alfredo; GONZÁLEZ, Pablo; CRIADO-BOADO, Felipe. Em contra del populismo reaccionario: hacia una nueva arqueología pública. Chungara - Revista de Antropología Chilena, p. 1-7, 2018.

hooks, bell. Ensinando a transgredir: a educação como prática da liberdade. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2ª ed. 2020.

LIMA, Tania; SENE, Glaucia; SOUZA, Marcos André. Em busca do Cais do Valongo, Rio de Janeiro, século XIX. Anais do Museu Paulista, v. 24, n. 1, p. 299-391, 2016.

MOIRA, Amara. E se eu fosse pura. Hoo Editora, São Paulo, 2018.

OLSEN, Bjorn, et al. Archaeology: the discipline of things. Berkeley: University of California Press, 2012.

PRADA, Monique. Putafeminista. São Paulo: Editora Veneta, 1ª ed. 2018.

PHETERSON, Gail. The whore stigma – female dishonor and male unworthiness. Den Haag: Ministerie van Sociale Zaken en Werkgelegenheid, 1986.

RAGO, Margareth. Os prazeres da noite: prostituição e códigos de sexualidade feminina em São Paulo (1890-1930). Paz e Terra, Rio de Janeiro, 1991.

RIBEIRO, Djamila. Pequeno Manual Antirracista. Companhia das Letras, São Paulo, 2019.

SILVA, Yasmin. Arqueologia da Geribanda: (re)existências no passado-presente. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Arqueologia) – FURG, Rio Grande, RS, 2018.

SOUSA, Ana Cristina. Arqueologia da paisagem e a potencialidade interpretativa dos espaços sociais. Revista Habitus, Goiânia, v.3, n.2, p. 291-300, 2005.

SOUZA, Santuzza. Relato de uma trabalhadora sexual brasileira. Vice. 2018. Disponível em: https://www.vice.com/pt_br/article/qvnazw/relato-de-umatrabalhadora-sexual-brasileira. Acesso: 22/04/2019.

THIESEN, Beatriz. As paisagens da cidade: Arqueologia da área central da Porto Alegre do século XIX. Dissertação (Mestrado em História) – PUCRS, Rio Grande do Sul, 1999.

THIESEN, Beatriz. Invisibilidade, memória e poder: a identidade imigrante e a construção da paisagem da cidade – Rio Grande (RS). Universidade de Caxias do Sul. Revista Métis: História & Cultura. V. 8, N. 16., 2009.

THIESEN, Beatriz, et al. Vestígios de uma ausência: uma arqueologia da repressão. Revista de Arqueologia Pública, V. 10, p. 231-250, 2014.

TRAMASOLI, Felipe. Arqueologia da Cidade Cinza: paisagem e discurso na cidade do Rio Grande. Dissertação (Mestrado em Arqueologia). Rio de Janeiro, Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2015.

WICHERS, Camila. Narrativas arqueológicas e museológicas sob rasura: provocações feministas. Revista de Arqueologia, São Paulo, v. 30, n. 2, 2017a.

WICHERS, Camila. Musealização da Arqueologia: provocações e proposições feministas. III Sebramus, 2017b.

WICHERS, Camila. Museologia, feminismos e suas ondas de renovação. Museologia & Interdisciplinaridade. Universidade de Brasília, v. 7, n. 13, 2018.

Downloads

Publicado

2021-06-28

Como Citar

AVILA COSTA, V.; PRADO ALFONSO, L. . A musealização da arqueologia pela perspectiva do putafeminismo: materialidades e narrativas de trabalhadoras sexuais em uma exposição na cidade de Pelotas (RS). Revista Arqueologia Pública, Campinas, SP, v. 16, n. 1, p. 145–165, 2021. DOI: 10.20396/rap.v16i1.8663866. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rap/article/view/8663866. Acesso em: 1 dez. 2021.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)