Banner Portal
Educação patrimonial e processo pedagógico
PDF

Palavras-chave

Processo pedagógico
Arqueologia
Educação dialógica
Cultura indígena

Como Citar

TEIXEIRA, A. K. R.; CAMPOS, J. B. .; VOLPATO, G.; SANTOS, M. C. P. Educação patrimonial e processo pedagógico: dialogando com Paulo Freire e aprendendo com os povos indígenas. Revista Arqueologia Pública, Campinas, SP, v. 16, n. 2, p. 84–103, 2021. DOI: 10.20396/rap.v16i2.8666583. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rap/article/view/8666583. Acesso em: 3 mar. 2024.

Resumo

Neste artigo apresentamos o resultado de um estudo que teve como objetivo compreender o processo educativo proposto pelo Projeto Aprendendo com os Povos Indígenas, PACPI e as contribuições da Arqueologia por meio de evidências científicas para a aprendizagem e o reconhecimento do patrimônio cultural dos povos originários, a valorização de suas identidades e percepções de ambiente e natureza. O projeto foi realizado com crianças do Primeiro Ano do Ensino Fundamental I do Colégio UNESC, localizado no município de Criciúma, SC, no ano de 2018. A abordagem foi qualitativa tendo a observação participante e a análise documental como técnica e escolha metodológica. Os dados mostraram que as atividades desenvolvidas por meio de visitação, oficinas e registros no decorrer do projeto provocaram engajamento, reflexão e empatia dos estudantes para com os povos indígenas e seu patrimônio cultural. Concluiu-se por meio desse estudo que é imprescindível um processo pedagógico de educação patrimonial qualificado, que proporcione experiências e ações significativas aos estudantes, capazes de desenvolver um olhar de compaixão, respeito e admiração aos povos indígenas, à sua história, seus costumes e sua cultura.

https://doi.org/10.20396/rap.v16i2.8666583
PDF

Referências

BAUER, M. W.; GASKELL, G. Pesquisa qualitativa com texto: imagem e som: um manual prático. (Edit.). GUARESCHI, P. A. (Trad.). Petrópolis: Vozes, 2002.

BOURDIEU, P. O poder simbólico. Lisboa: Difel, 1989.

BOURDIEU, P. A distinção: crítica social do julgamento. São Paulo: Edusp, 2007.

CORREIA, M. C. A Observação Participante enquanto técnica de investigação. Pensar Enfermagem, v. 13, n. 2, p. 30-36, 1999.

FAGAN, B. Uma breve história da arqueologia. MARCOANTONIO, J. (Trad). 1. ed. Porto Alegre: L&PM, 2019.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia. 43. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2011.

GOLDENBERG, M. A arte de pesquisar: como fazer pesquisa qualitativa em Ciências Sociais. 8. ed. Rio de Janeiro: Record, 2004.

HORTA, M. D. L. P.; GRUNBERG, E.; MONTEIRO, A. Q. Guia Básico de Educação Patrimonial. Brasília: Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional / Museu Imperial, 1999.

PELEGRINI, S. C. A. Patrimônio cultural: consciência e preservação. São Paulo: Brasiliense, 2009.

PRATES, M. P. Da instabilidade e dos afetos Mbyá: pacificando relações, amansando outros. Porto Alegre: Editora da UFCSPA, 2019.

QUEIROZ, D. T. et al. Observação participante na pesquisa qualitativa: conceitos e aplicações na área da saúde. Biblioteca Virtual em Saúde. 2007. Disponível em: https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/bde-14792. Acesso em: 19 jul. 2021.

REIS, M. L. M. dos. Antropologia: Caderno pedagógico. Florianópolis: UDESC/CEAD, 2011.

SANTOS, M. Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. 15. ed. Rio de Janeiro: Record, 2008.

SOARES, M. Alfabetização e letramento. São Paulo: Editora Contexto, 2017.

TELLES, N. A imagem do índio no livro didático: equivocada, enganadora. In: LOPES DA SILVA, A. (Org.). A questão indígena na sala de aula - Subsídios para professores de 1° e 2º graus. São Paulo: Brasiliense, 1987. p. 73-89.

YIN, R. K. Pesquisa qualitativa do início ao fim. Porto Alegre: Penso, 2016.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2021 Revista Arqueologia Pública

Downloads

Não há dados estatísticos.