E, sem talento, faço um trabalho técnico, violento

Autores

  • Marco Catalão Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/remate.v34i2.8635872

Palavras-chave:

Elegias de Duíno, Depoimentos

Resumo

A concepção romântica do escritor “inspirado” parece estar completamente desacreditada no debate contemporâneo sobre a criação literária. Enquanto, no início do século XX, Rilke ainda declarava ter ouvido do vento as primeiras palavras das Elegias de Duíno e Manuel Bandeira afirmava que “não forçava a mão” ao compor um poema, hoje a inspiração só aparece no discurso dos escritores como coadjuvante no clichê que afirma que a “transpiração” é o elemento decisivo para a criação literária. “Não há inspiração, há trabalho”, afirma José Saramago numa entrevista recente; “a poesia é fruto do trabalho paciente e lúcido do poeta”, já asseverava João Cabral há cinquenta anos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marco Catalão, Universidade Estadual de Campinas

Doutor em Teoria e História Literária pela Universidade Estadual de Campinas. Poeta, dramaturgo e tradutor. Tem experiência na área de Letras e Dramaturgia, atuando e desenvolvendo pesquisas principalmente nos seguintes temas: literaturas de língua espanhola, tradução literária, dramaturgia, teoria literária e teoria do teatro. Autor de Agro Negócio (vencedor do IV Prêmio Luso-Brasileiro de Dramaturgia), Dicionário Apócrifo (vencedor do III Prêmio Ideal Clube de Literatura) e No cravo e na ferradura (vencedor do III Concurso Internacional Literatura para Todos), entre outros.

Downloads

Publicado

2015-03-06

Como Citar

CATALÃO, M. E, sem talento, faço um trabalho técnico, violento. Remate de Males, Campinas, SP, v. 34, n. 2, p. 661–665, 2015. DOI: 10.20396/remate.v34i2.8635872. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/remate/article/view/8635872. Acesso em: 9 dez. 2022.

Edição

Seção

Depoimentos