Nuno e a linguagem das coisas abandonadas

Autores

  • Ricardo Pinto de Souza Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Flavia Trocoli Universidade Federal do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.20396/remate.v35i1.8641515

Palavras-chave:

Nuno Ramos. Psicose. Narrativa brasileira contemporânea. Representação da melancolia

Resumo

Gostaríamos de ressaltar o quanto as ficções participam de uma estrutura de verdade, o quanto o discurso que constrói a verdade reflete – especula – o seu antípoda de uma forma que não é propriamente crítica. No fundo, talvez esta seja uma forma de dizer que tanto ciência quanto literatura se constróem através de linguagem, e que ambas estão necessariamente atadas à dimensão do simbólico, à necessidade de mediação, de duplos e de fantasmas que afastam o grande e insuportável real, e assim criam a possibilidade de registrá-lo e referi-lo. A literatura, talvez, e a literatura de Nuno Ramos, certamente, diferentemente da ciência mostra o efeito da barra que, separando significante e significado, enunciação e enunciado, faz com que todas as junções se tornem precárias, provisórias, díspares em sua unidade estilhaçada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ricardo Pinto de Souza, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Possui graduação em Português Literaturas pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2001), mestrado (2005) e doutorado (2010) em Letras (Ciência da Literatura) pela UFRJ. Atualmente é professor adjunto de Teoria Literária na Faculdade de Letras da UFRJ, com pesquisa sobre estética, especialmente a recepção da Tragédia Grega. É também editor. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Literatura Comparada.

Flavia Trocoli, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Professora adjunta da UFRJ. Possui graduação em Licenciatura em Letras pela UNICAMP (1997), mestrado em Teoria e História Literária pela UNICAMP (2000), doutorado em Teoria e História Literária pela UNICAMP (2004) e Pós-Doutorado em Linguística (2004-2007) pela UNICAMP. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Teoria Literária, Literatura Comparada e Literatura e Psicanálise. É membro-fundador do Centro de Pesquisas Outrarte - psicanálise entre ciência e arte, do IEL/UNICAMP e autora de  A paixão inútil do ser: figurações do narrador moderno (Mercado de Letras, 2015), entre outros.

Referências

ARÊAS, Vilma. As metamorfoses de Nuno Ramos [2003]. Disponível em: http://www.nunoramos.com.br/portu/depo2.asp?flg_Lingua=1&cod_Depoimento=29. Acesso em 2 de outubro de 2013.

BATAILLE, Georges. A parte maldita, precedida de “A noção de dispêndio”. 2. ed. Rev. e trad. Júlio Castañon Guimarães. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

BENJAMIN, Walter. Doctrine of the similar [1933]. Trad. Knut Tarnowski. New German Critique. Spec. Issue Walter Benjamin. Durham: Duke University, n.17, p. 65-69, 1979.

BENJAMIN, Walter. A origem do drama barroco alemão. Trad. Sergio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 1984.

BENJAMIN, Walter. Sobre o conceito de história. In: Obras escolhidas. V. 2: magia e técnica, arte e política. Trad. Sérgio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 1994.

BENJAMIN, Walter. O conceito de crítica de arte no romantismo alemão. 3. ed. Trad. Márcio Seligman-Silva. São Paulo: Iluminuras, 2002.

DIAS, Angela. Nuno Ramos e suas torres de Babel: o criador como tradutor. In. ALENCAR, Ana; LEAL, Izabela; MEIRA, Caio. Tradução literária: a vertigem do real. Rio de Janeiro: Azougue, 2011.

FREUD, Sigmund. Luto e melancolia. Trad., introd. e notas de Marilene Carone. São Paulo: Cosac Naify, 2011.

LACAN, Jacques. O seminário, livro 3: as psicoses, 1955-1956. Texto estabelecido por Jacques Alain-Miller. 2. ed. rev. [versão brasileira de Aluisio Menezes]. Rio de Janeiro: Zahar, 2002.

NOVALIS [Friedrich von Hardenberg]. Pólen. Trad. Rubens R. Torres Filho. São Paulo: Iluminuras, 2001.

RAMOS, Nuno. Cujo. São Paulo: Ed. 34, 1993.

RAMOS, Nuno. Minha Fantasma. São Paulo, 1999. (Edição do autor)

RAMOS, Nuno. Ensaio Geral: roteiros, ensaios, memórias. São Paulo: Globo, 2007.

RAMOS, Nuno. Ó. São Paulo: Iluminuras, 2008.

RAMOS, Nuno. O mau vidraceiro. São Paulo: Globo, 2010.

SCHLEGEL, Friedrich. O dialeto dos fragmentos. Trad. Marcio Suzuki. São Paulo: Iluminuras, 1997.

SCHWARZ, Roberto. Uma barata é uma barata é uma barata. In: A sereia e o desconfiado. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1981.

TROCOLI, Flavia. A tragédia da destinação: Machado de Assis, Graciliano Ramos, Nuno Ramos. In: MILÁN-RAMOS, J.G.; LEITE, Nina. Terra-Mar: litorais em psicanálise. Campinas: Mercado de Letras, 2010.

Downloads

Publicado

2015-04-22

Como Citar

SOUZA, R. P. de; TROCOLI, F. Nuno e a linguagem das coisas abandonadas. Remate de Males, Campinas, SP, v. 35, n. 1, p. 231–245, 2015. DOI: 10.20396/remate.v35i1.8641515. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/remate/article/view/8641515. Acesso em: 14 ago. 2022.