O Fausto infausto: sentidos do Barroco e do maravilhoso em “El camino de Santiago”, de Alejo Carpentier

  • Fábio Salem Daie Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Alejo Carpentier. Barroco. Real maravilhoso.

Resumo

O presente artigo explora o universo temático de Alejo Carpentier, com ênfase na definição dos termos Barroco e maravilhoso, fundamentos de sua obra ficcional. A partir de uma abordagem historicista, o objetivo é mostrar como ambos os termos dialogam em seu conto “El camino de Santiago” (1958), complementando mutuamente seus significados, que estariam vinculados à condição relacional de uma perspectiva periférica e constituiriam a solução estética encontrada por Carpentier para questões relativas à vanguarda artística na América Latina. Encarados como princípios formais da ficção carpentieriana, Barroco e maravilhoso são, assim, uma contribuição particular à formação da literatura hispano-americana, que tem no encontro com a cultura popular – tal como Ángel Rama formulou na sua teoria da transculturação – uma de suas providências.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fábio Salem Daie, Universidade de São Paulo
Doutorando no Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas - Programa de Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa

Referências

BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política. São Paulo: Editora Brasiliense, 2011.

BOSCH, Hieronymus. A nave dos loucos. 1490-1500. Óleo sobre tela, 0,58 X 0,33 m. Museu do Louvre, Paris. Disponível em: https://www.louvre.fr/en/oeuvre-notices/ship-fools-or-satire-debauched-revelers. Acesso: 12 dez. 2018.

CARPENTIER, Alejo. Concerto barroco. São Paulo: Editora Brasiliense, 1985a.

CARPENTIER, Alejo. Crónicas. 2 v. La Habana: Editorial Letras Cubanas, 1985b.

CARPENTIER, Alejo. Guerra del tiempo y otros relatos. México, D.F.: Siglo Veintiuno, 1991.

CARPENTIER, Alejo. Guerra del tiempo. Edição crítica organizada por Ana Cairo. La Habana: Editorial Arte y Literatura, 2002a.

CARPENTIER, Alejo. Lo barroco y lo real maravilloso. In: Ensayo cubano del siglo XX: antología. Orgs. Rafael Hernández e Rafael Rojas. México: Fondo de Cultura Económica, 2002b.

CORONEL, Rogelio Rodríguez. O Barroco em Alejo Carpenti¬er. In: GONZÁLEZ, Elena Palmero (org.). No reino de Alejo Carpentier: doze ensaios críticos. Rio Grande: Editora da FURG, 2009.

DONGHI, Tulio Halperín. História da América Latina. Trad. Carlos Nelson Coutinho. São Paulo: Círculo do Livro, [s.d.].

ECHEVARRÍA, Roberto González. A nacionalidade de Alejo Carpentier: história e ficção. In: GONZÁLEZ, Elena Palmero (org.). No reino de Alejo Carpentier: doze ensaios críticos. Rio Grande: Editora da FURG, 2009.

FIRMAT, Gustavo Pérez. Esse idioma: a(s) língua(s) enredada(s) de Alejo Carpentier. In: GONZÁLEZ, Elena Palmero (org.). No reino de Alejo Carpentier: doze ensaios críticos. Rio Grande: Editora da FURG, 2009.

JOZEF, Bella. Carpentier: um clássico da América Latina. In: GONZÁLEZ, Elena Palmero (org.). No reino de Alejo Carpentier: doze ensaios críticos. Rio Grande: Editora da FURG, 2009.

LUKÁCS, György. Ensaios sobre literatura. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 1965.

MAESENEER. Rita de. O longo caminho até “El Camino de Santiago”. In: GONZÁLEZ, Elena Palmero (org.). No reino de Alejo Carpentier: doze ensaios críticos. Rio Grande: Editora da FURG, 2009.

MISKULIN, Sílvia Cezar. Os intelectuais cubanos e a política cultural da Revolução: 1961-1975. São Paulo: Alameda Casa Editorial, 2009.

RAMA, Ángel. La tecnificación narrativa. Hispanoamérica, a. 10, n. 30, 1981, pp. 29-82.

ROMERO, José Luis. América Latina: as cidades e as ideias. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2009.

TAPIÉ, Victor-Lucien. O Barroco. São Paulo: Editora Cultrix, 1983.

VILLANUEVA, Darío. A referência compostelana na teoria do real maravilhoso de Alejo Carpentier. In: GONZÁLEZ, Elena Palmero (org.). No reino de Alejo Carpentier: doze ensaios críticos. Rio Grande: Editora da FURG, 2009.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. A inconstância da alma selvagem. São Paulo: Cosac Naify, 2002[1992].

Publicado
2018-12-19
Como Citar
Daie, F. S. (2018). O Fausto infausto: sentidos do Barroco e do maravilhoso em “El camino de Santiago”, de Alejo Carpentier. Remate De Males, 38(2), 1018-1052. https://doi.org/10.20396/remate.v38i2.8652059