Banner Portal
Indígenas em movimento. Literatura como ativismo
PDF

Palavras-chave

Movimento indígena. Literatura indígena. Ativismo.

Como Citar

DANNER, Leno Francisco; DORRICO, Julie; DANNER, Fernando. Indígenas em movimento. Literatura como ativismo. Remate de Males, Campinas, SP, v. 38, n. 2, p. 919–959, 2018. DOI: 10.20396/remate.v38i2.8652191. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/remate/article/view/8652191. Acesso em: 24 maio. 2024.

Resumo

Neste artigo, correlacionamos o desenvolvimento e o protagonismo público-políticos do Movimento Indígena brasileiro, a partir de meados de 1970, com a emergência e a consolidação da literatura indígena brasileira, a partir de 1990. Argumentaremos que, assim como as lideranças e os intelectuais indígenas fundadores do Movimento Indígena perceberam que somente a publicização e a politização de sua condição e de sua causa a partir da dinamização de uma voz-práxis direta, dos próprios indígenas por si mesmos e desde si mesmos, sem mediações institucionalistas, poderiam desvelar e problematizar a situação indígena no país, os escritores indígenas perceberam que somente produzindo suas próprias obras poderiam tanto descontruir a imagem caricata, folclórica e negativa feita de modo extemporâneo sobre seus povos, quanto reorientar o olhar, reformular a compreensão e recriar a imagem desses mesmos indígenas. Nesse sentido, a literatura indígena brasileira vincula-se diretamente ao Movimento Indígena e objetiva a publicização e a politização dos povos indígenas, constituindo-se em uma voz-práxis ativista, militante e engajada, em que o eu-nós lírico-político assume a promoção da singularidade antropológica e da diversidade cultural, e a denúncia da exclusão, da marginalização e da violência como seu objetivo e seu direcionamento mais básicos, buscando superar a invisibilização, o silenciamento e o privatismo a que os povos indígenas foram submetidos em nossa sociedade.

https://doi.org/10.20396/remate.v38i2.8652191
PDF

Referências

ALMEIDA, Maria Inês de; QUEIROZ, Sônia. Na captura da voz: as edições da narrativa oral no Brasil. Belo Horizonte: Autêntica; FALE/UFMG, 2004.

Articulação dos Povos Indígenas Brasil – APIB. Disponível em: www.apib.info/apib/. Data de acesso: 26 jul. 2018.

BANIWA, Gersem dos Santos Luciano. O índio brasileiro: o que você precisa saber sobre os povos indígenas no Brasil de hoje. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade; LACED/Museu Nacional, 2006.

BEHR, Heloïse. A emergência de novas vozes brasileiras: uma introdução à literatura indígena no Brasil. In: MELLO, Ana Maria Lisboa de; PENJOM, Jacqueline; BOAVENTURA, Maria Eugenia (orgs.). Momentos da ficção brasileira. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2017, pp. 259-279.

BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política. São Paulo: Brasiliense, 1987.

ESBELL, Jaider. Tardes de agosto, manhãs de setembro, noites de outubro. Boa Vista: Edi-ção do Autor, 2013.

FANON, Franz. Os condenados da Terra. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968.

GRAÚNA, Graça. Contrapontos da literatura indígena contemporânea no Brasil. Belo Hori-zonte: Mazza Edições, 2013.

HAKIY, Tiago. Awyató-Pót: histórias indígenas para crianças. São Paulo: Paulinas, 2011.

JECUPÉ, Kaká Werá. Oré Awé Roiru’a Ma: todas as vezes que dissemos adeus. São Paulo: Triom, 2002.

JEKUPÉ, Olívio. Literatura escrita pelos povos indígenas. São Paulo: Scortecci Editora, 2009.

KATY, Sulami. Meu lugar no mundo. São Paulo: Ática, 2005.

KITHÃULU, Renê. Irakisu: o menino criador. Ilustrações do autor e das crianças Nam-bikwara. São Paulo: Peirópolis, 2002.

KOPENAWA, Davi; ALBERT, Bruce. A queda do céu: palavras de um xamã yanomami. Trad. Beatriz Perrone-Moisés. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

KRENAK, Ailton. Encontros. Org. Sergio Cohn. Rio de Janeiro: Azougue Editorial, 2015.

KRENAK, Ailton. Ailton Krenak. Org. Sergio Cohn e Idjahure Kadiwel. Rio de Janeiro: Azougue Editorial, 2017.

KRENAK, Edson. O sonho de Borum. Ilustrações Mauricio Negro. Belo Horizonte: Autênti-ca, 2015.

MUNDURUKU, Daniel. O caráter educativo do movimento indígena brasileiro (1970-1990). São Paulo: Paulinas, 2012.

MUNDURUKU, Daniel. Catálogo de obras de Daniel Munduruku – atualizado. São Paulo: DM Projetos Especiais/UK’A Editorial, 2016a.

MUNDURUKU, Daniel. Memórias de índio: uma quase autobiografia. Porto Alegre: EDEL-BRA, 2016b.

MUNDURUKU, Daniel. Mundurukando II: roda de conversa com educadores. Lorena: UK’A Editorial, 2017.

POTIGUARA, Eliane. Metade cara, metade máscara. São Paulo: Global, 2004.

SÁ, Lúcia. Literaturas da floresta: textos amazônicos e cultura latino-americana. Rio de Janei-ro: Eduerj, 2012.

SULAMY, Katy. Nós somos só filhos. Ilustrações Mauricio Negro. Rio de Janeiro: ZIT, 2011.

THIÉL, Janice. Pele silenciosa, pele sonora: a literatura indígena em destaque. Belo Horizon-te: Autêntica Editora, 2012.

TUKANO, Álvaro. Álvaro Tukano. Org. Sergio Cohn e Idjahure Kadiwel. Rio de Janeiro: Azougue Editorial, 2017.

VALENTE, Rubens. Os fuzis e as flechas: história de sangue e resistência indígena na ditadu-ra. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

WERÁ, Kaká. Kaká Werá. Org. Sergio Cohn e Idjahure Kadiwel. Rio de Janeiro: Azougue Editorial, 2017.

WERÁ, Kaká. O trovão e o vento: um caminho de evolução pelo xamanismo tupi-guarani. São Paulo: Polar, 2016.

Licença Creative Commons
O periódico Remate de Males utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.