O inferno é verde e “As palavras” de Leslie Kaplan em tradução (inédita) para o português

  • José Roberto Andrade Féres Universidade Federal da Paraíba
Palavras-chave: Leslie Kaplan. Poesia francesa. Tradução.

Resumo

Leslie Kaplan, nascida em Nova Iorque em 1943, mas criada desde muito cedo na França, escreve peças de teatro, romances, poemas, teoria, crítica literária e cinematográfica, tudo isso, sobretudo, em língua francesa. Poucas traduções da sua obra são encontradas no Brasil, e essa escassez de textos seus em português é, certamente, um dos motivos que me levaram a selecionar e traduzir dois de seus poemas longos (ainda inéditos na nossa língua, mas que serão publicados em breve pela editora Luna Parque): O inferno é verde [L’enfer est vert] e “As palavras (escrever, literatura e sociedade)” [Les mots (écrire, littérature et société)]. A poesia de Kaplan traz à mente questões sobre a tradução de poemas que muito se assemelham à prosa (embora seus versos livres nem sempre sejam tão livres assim) e reflexões sobre como se pode traduzir um texto escrito em mais de uma língua e que aproxime culturas aparentemente muito distantes umas das outras, pois O inferno é verde, cujo ponto de partida é uma viagem da escritora a Recife, faz uso das línguas francesa, inglesa e portuguesa. Trechos da tradução são analisados em comparação com os originais e escolhas tradutórias são justificadas com o auxílio de diversos escritos que concernem ao ofício, inclusive com as próprias palavras de Leslie, que afirma que “traduzir é sexy”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Roberto Andrade Féres, Universidade Federal da Paraíba

Departamento de Línguas Estrangeiras Modernas da Universidade Federal da Paraíba.

Referências

ALFERI, Pierre. Rumo à prosa. Trad. Masé Lemos e Paula Glenadel.

ALEA, Rio de Janeiro, v. 15, n. 2, jul./dez. 2013, pp. 423-427.

ARROJO, Rosemary. Oficina de tradução: a teoria na prática. São Paulo: Ática, 1986.

BLANCHOT, Maurice. L’excès-l’usine ou l’infini morcelé. Libération, 24/02/1987, p. 35.

BRITTO, Paulo Henriques. A tradução literária. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2012.

CAMPOS, Haroldo de. Metalinguagem & outras metas: ensaios de teoria e crítica literária. 4. ed. São Paulo: Perspectiva, 2006.

ECO, Umberto. Dire presque la même chose: expériences de traduction. Trad. Myriem Bouzaher. Paris: Bernard Grasset, 2006.

FREITAS, Marcus Vinicius de. No verso dessa canoa (poesia, 1993-2005). Ilha de Vitória: Flor & Cultura, 2005.

GARCIA, Marília. Um teste de resistores. Rio de Janeiro: 7Letras, 2014.

GLEIZE, Jean-Marie. Post-poésie: un travail d’investigation-élucidation. Matraga, Rio de Janeiro, v. 17, n. 27, jul./dez. 2010, pp. 121-133.

GOLDSTEIN, Norma. Versos, sons, ritmos. 13. ed. São Paulo: Ática, 2002.

JAKOBSON, Roman. On Linguistic Aspects of Translation. In: BROWER, R. A. (org.). On Translation. Harvard University Press, 1959, pp. 232-239.

JAKOBSON, Roman. Aspects Linguistiques de la Traduction. In: Essais de linguistique générale: 1. Les fondations du langage. Trad. Nicolas Ruwet. Paris: Les Éditions de Minuit, 2003, pp. 78-86.

JAKOBSON, Roman. Linguística e comunicação. 24. ed. Trad. Izidoro Blikstein e José Paulo Paes. São Paulo: Cultrix, 2007.

JOUSSERAND, Félix. Discussion entre Félix Jousserand et Catherine Peillon. La pensée de midi, n. 28, n. 2, 2009, pp. 178-184.

KAPLAN, Leslie. L’excès-l’usine ou l’infini morcelé. Libération, 24/02/1987, p. 35.

KAPLAN, Leslie. Le psychanalyste. Paris: POL, 1999. [Depuis maintenant, 3].

KAPLAN, Leslie. O psicanalista. Trad. Rosa Freire d’Aguiar. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

KAPLAN, Leslie. L’enfer est vert. Publie.net, 2013[2006].

KAPLAN, Leslie. Les mots. Publie.net, 2013[2007].

KAPLAN, Leslie; POGGIOLI, Anna; MURILLO, Céline; TORTI-ALCAYAGA, Agathe; SYLVANISE, Frédéric. Dialogue avec Leslie Kaplan: passage de l’écriture romanesque à l’écriture théâtrale. Itinéraires, n. 2, 2014-2, 2015. Disponível em: http:// itineraires.revues.org/2521. Acesso em: 14 set. 2017.

KAPLAN, Leslie. O inferno é verde (seguido de As palavras). Trad. Zéfere. São Paulo: Luna Parque, 2018.

LEMOS, Masé. Poética(s) de ovni: alguns percursos teóricos da (pós) poesia moderna e contemporânea. O percevejo [on-line], v. 6, n. 2, jul./dez. 2014, pp. 128-150.

LEMOS, Masé. Qualidades para uma poesia sem qualidades. Aletria, Belo Horizonte, v. 27, n. 3, 2017, pp. 129-146.

NANCY, Jean-Luc. Fazer, a poesia. Trad. Letícia Della Giacoma de França, Janaina Ravagnoni e Mauricio Mendonça Cardozo. ALEA, Rio de Janeiro, v. 15, n. 2, jul./dez. 2013, pp. 414-422.

NECKEL, Filipe Mendes. Breve introdução ao pensamento tradutológico de Jiry Levy. Scientia Traductionis, n. 11, 2012, pp. 10-23.

OUSTINOFF, Michaël. Tradução: história, teorias e métodos. Trad. Marcos Marcionilo. São Paulo: Parábola Editorial, 2011.

RÓNAI, Paulo. Escola de tradutores. 7. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2012.

TORTI-ALCAYAGA, Agathe. Techniques du saut: présentation de Leslie Kaplan. Itinéraires, 2014-2, 2015. Disponível em: http:// itineraires.revues.org/2524. Acesso em: 14 set. 2017.

VENUTI, Lawrence. The Translator’s Invisibility: A History of Translation. Londres/Nova York: Routledge, 1995.

Publicado
2018-12-19
Como Citar
Féres, J. R. A. (2018). O inferno é verde e “As palavras” de Leslie Kaplan em tradução (inédita) para o português. Remate De Males, 38(2), 726-762. https://doi.org/10.20396/remate.v38i2.8652379