Situação de Valéry traduzido no Brasil

  • Álvaro Faleiros Universidade de São Paulo
  • Roberto Zular Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Valéry. Tradução. Historicidade

Resumo

Este artigo trata das traduções de Paul Valéry (1971-1945) publicadas em livro no Brasil desde a década de 1930, buscando um diálogo entre os projetos tradutórios e a literatura comparada, tendo como eixo a noção de historicidade. (inclui tradução do poema “A Pítia”, ao final do artigo).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Álvaro Faleiros, Universidade de São Paulo
Docente da Universidade de São Paulo.
Roberto Zular, Universidade de São Paulo
Docente da Universidade de São Paulo.

Referências

ALMEIDA, Guilherme de. Poetas de França. 5. ed. São Paulo: Babel, 2010[1936].

ANDRADE, Carlos Drummond de. Claro enigma. In: Nova reunião. Rio de Janeiro: José Olímpio, 1987.

ANDRADE, Mário. O artista e o artesão. In: O baile das quatro artes. São Paulo: Martins Fontes, 1963, pp. 56-59.

ANDRADE, Mário. A raposa e o tostão. In: O empalhador de passarinho. Belo Horizonte: Itatiaia, 2002, pp. 110-113.

ANDRADE, Mario; BANDEIRA, Manuel. Correspondência Mário de Andrade & Manuel Bandeira. Org. M. A. de Moraes. São Paulo: EDUSP/IEB, 2001.

BARBOSA, João Alexandre. Leitura viva do cemitério. In: VALÉRY, Paul. O cemitério marinho. Trad. Jorge Wanderley. São Paulo: Max Limonad, 1984[1974], pp. 51-65.

BENJAMIM, Walter. Charles Baudelaire: um lírico no auge do capitalismo. São Paulo: Brasiliense, 1994.

BENJAMIM, Walter. Borges, leitor do Quixote. In: SCHWARTZ, Jorge (org.). Borges do Brasil. São Paulo: Unesp, 2001, pp. 51-76.

BOSI, Alfredo. História concisa da literatura brasileira. São Paulo: Cultrix, 1998.

CAMPOS, Augusto de. Linguaviagem. São Paulo: Brasiliense, 1987.

CAMPOS, Augusto de. A serpente e o pensar. São Paulo: Brasiliense, 1997[1984].

CAMPOS, Haroldo de. Transcriação. Org. Marcelo Tápia e Thelma Médici Nóbrega. São Paulo: Perspectiva, 2013[1985].

CANDIDO, Antonio. A educação pela noite. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2011.

CARONE, Modesto. A poética de silêncio. São Paulo: Perspectiva, 1979.

COELHO, Marcelo. Prefácio. In: VALÉRY, Paul. A alma e a dança e outros diálogos. São Paulo: Imago, 1996.

DAMASCENO, Darcy. De Gregório a Cecília. Rio de Janeiro: Edições Galo Branco, 2007.

DIDI-HUBERMANN. Ninfa moderna. Rio de Janeiro: Contexto, 2013.

FRANCISCO JR., Eduardo. O livro vertebrado: a articulação dos poemas em Claro enigma de Carlos Drummond de Andrade. Dissertação (Mestrado em Teoria Literária e Literatura Comparada) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, 2014.

GOETHE, Johann Wolfgang von. Três trechos sobre tradução. Trad. Rosvithe Frieses Blume. In: HEIDERMANN, Werner (org.). Clássicos da teoria da tradução: alemão-português. Florianópolis: UFSC, 2001, pp. 16-25.

GUIMARÃES, Júlio Castañon. Presença de Mallarmé no Brasil. In: Entre reescritas e esboços. Rio de Janeiro: Topbooks, 2010, pp. 9-55.

GUIMARÃES, Júlio Castagñon. Notas prévias. In: Fragmentos do Narciso e outros poemas. Trad. Júlio Castañon Guimarães. São Paulo: Ateliê, 2013.

GONÇALVES, José Aguinaldo. Pós-fácio. In: VALÉRY, Paul. Variedades. Trad. Maíza Martins Siqueira. São Paulo: Iluminuras, 1991, pp. 219 e ss.

GULLAR, Ferreira. O prazer do poema: uma antologia pessoal. Rio de Janeiro: Edições de Janeiro, 2014.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. O espírito e a letra. V. 2. São Paulo: Cia. das Letras, 1996[1924].

LARANJEIRA, Mário. Poética da tradução: do sentido à significância. São Paulo: Edusp, 1993.

LATOUR, Bruno. Nous n’avons jamais été moderne. Paris: Découverte, 2006.

LEITE, Sebastião Uchoa. Cortes/toques. In: Obra em dobras. São Paulo: Duas Cidades, 1989.

LUCAS, Fabio Roberto. O poético e o político: últimas palavras de Paul Valéry. Tese (Doutorado em Teoria Literária e Literatura Comparada) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, 2016.

LUCAS, Fabio Roberto. Modulation et résonances: l’acte poétique de Valéry. Revue Doctorales, Maison des Sciences de l’Homme de Montpellier, v. 4, 2017. Disponível em: http://www.msh-m.fr/le-numerique/edition-en-ligne/doctorales.

LUSSY, F. “Charmes” d’après les manuscrits de Paul Valéry: histoire d’une métamorphose. Paris: Lettres Modernes, 1990-1996. 2 vols., 806 p. (Vol. I termina na p. 386).

MELO NETO, João Cabral. Poesias completas. 4. ed. Rio de Janeiro: José Olímpio, 1986.

MARX, William. Naissance de la critique moderne. La littérature selon Eliot et Valéry. Arras: Artois Presses Université, 2002. (Col. Manières de Critiquer)

MARX, William. Les deux poétiques de Valéry. In: Paul Valéry et l’idée de littérature. 2011. Disponível em: http://www.fabula.org/colloques/document1426.php. Acesso em: 25 abril 2012.

MENDES, Murilo. Obras completas. Rio de Janeiro: Aguilar, 1995.

Meschonnic, Henri. Langage, histoire, même théorie. Paris: Verdier, 2012.

NODARI, Alexandre. Alterocupar-se: obliquação e transicionalidade ontológica. Disponível em: https://docgo.net/philosophy-of-money.html?utm_source=alterocupar-se-obliquacao-e-transicionalidade-ontologica.

OLIVEIRA, Gustavo Ponciano Cunha; SOUZA, Jamesson Buarque de. Drummond e Valéry: enigmas eventuais. Itinerários, Araraquara, n. 43, jul.-dez. 2016, pp. 179-195.

PAZ, Otavio. Un sol más vivo. Org. Antonio Deltoro. Ciudad de Mexico: Era, 2009.

PIGNATARI, Décio. Semiótica e literatura. São Paulo: Perspectiva, 1974.

PROVASE, Lucius. Lastro, rastro e historicidades distorcidas: uma leitura dos anos 70 a partir de Galáxias. Tese (Doutorado em Teoria Literária e Literatura Comparada) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, 2016.

ROBINSON-VALÉRY, Judtih. Préface. In: VALÉRY, Paul. Poèmes et petits poèmes abstraits. Présentation et choix de Judtih Robinson-Valéry. Paris: Gallimard, 2000.

SÜSSEKIND, Flora (org.). Apresentação. In: Corresponência de Cabral com Bandeira e Drummond. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001, pp. 7-17.

STERZI, Eduardo. O reino e o deserto. A inquietante medievalidade do moderno. In: Letteratura d’America, XXIX, n. 125, 2009, pp. 61-87.

TÁPIA, Marcelo. A nossa poesia francesa. In: ALMEIDA. Poetas de França. 5. ed. São Paulo: Babel, 2010[1936], pp. 5-8.

TOLENTINO, Bruno. O mundo como ideia. São Paulo: Globo, 2002.

VALÉRY, Paul. O cemitério marinho. Trad. Darcy Damasceno. Rio de Janeiro: Orfeu, 1949.

VALÉRY, Paul. Oeuvres I. Paris: Gallimard, 1957.

VALÉRY, Paul. O cemitério marinho. Trad. Darcy Damasceno. Salvador: Dinamene, 1960.

VALÉRY, Paul. O cemitério marinho. Trad. Edmundo Vasconcelos. São Paulo: Massao Ohno-Roswita Kempf, 1981(?).

VALÉRY, Paul. O cemitério marinho. Trad. Jorge Wanderley. São Paulo: Max Limonad, 1984[1974].

VALÉRY, Paul. Variedades. Trad. Maíza Martins Siqueira. São Paulo: Iluminuras, 1991.

WANDERLEY, Jorge. À margem do mar do cemitério. In: VALÉRY, Paul. O cemitério marinho. Trad. Jorge Wanderley. São Paulo: Max Limonad, 1984[1974], pp. 15-19.

ZULAR, Roberto. Valéry e o Brasil ou a literatura comparada como produção de contexto. Ponto e Vírgula, São Paulo, 2013, pp. 49-65.

Publicado
2018-12-19
Como Citar
Faleiros, Álvaro, & Zular, R. (2018). Situação de Valéry traduzido no Brasil. Remate De Males, 38(2), 631-682. https://doi.org/10.20396/remate.v38i2.8652859