Banner Portal
Le horla
PDF

Palavras-chave

Literatura comparada
Psicanálise
Le horla

Como Citar

GELLIS, A. L.; NASCIMENTO, J. A. . Le horla: fronteiras e limiares entre Maupassant e Freud. Remate de Males, Campinas, SP, v. 42, n. 2, p. 494–520, 2023. DOI: 10.20396/remate.v42i2.8667224. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/remate/article/view/8667224. Acesso em: 5 mar. 2024.

Resumo

Prenunciando aspectos da realidade humana investigados por Sigmund Freud, Le Horla de Maupassant retrata a possessão do protagonista anônimo ou por um monstro desconhecido ou por uma desordem psíquica, os quais parecem transpor a estrutura mental maior que governa a sociedade da época e o regime de pensamento que se impõe com a secularização dos costumes, em uma narrativa em forma de diário, permitindo outras tantas aproximações com a psicanálise. Com isso, encontram-se aberturas e meandros para um estudo comparado de literatura e psicanálise: percorrendo suas zonas fronteiriças, novas significações e interpretações surgem; entretanto, deve-se ter em vista os limites dessa abordagem, na qual a literatura pode ilustrar a psique humana, e a psicanálise, auxiliar na análise do texto literário. Aplicando metodologias diferentes a um mesmo objeto de estudo, literatura e psicanálise produzem um saber a respeito desse objeto, cuja inter-ação pode ser observada em Le Horla. Ambos autores confrontavam uma sociedade fascinada por fenômenos sobrenaturais e paranormais ao mesmo tempo, preocupada em apreender o espírito humano em seu funcionamento e em sua perturbação e distúrbios: os alienistas da época mais consagrados a descrever a doença, alienavam o doente em nosografias, julgando-se seguramente distanciados de seu objeto de estudo e imparciais, (re)produzindo exclusões e preconceitos. Crentes de tamanho equívoco, de um lado Freud funda a psicanálise, de outro, Maupassant faz da literatura seu laboratório. Ambos criticam a ilusão de uma neutralidade no campo científico e trazem, ainda hoje, outra visão dos limites dos processos do inconsciente, mostrando que diferentes áreas podem dialogar sem que uma se reduza ou se imponha à outra para prosperar e impulsionar novas perspectivas de estudos e crítica.

https://doi.org/10.20396/remate.v42i2.8667224
PDF

Referências

ABECEDAIRE DE Gilles Deleuze (A comme animal). Direção de Pierre-André Boutang. France, Sodaperaga, 1988. Documentário (450min). 7mm.

CABANÈS, Jean-Louis; PHILIPPOT, Didier; TORTONESE, Paolo (orgs.). Paradigmes de l’âme. Littérature et aliénisme au XIXe siècle. Paris: Presses de la Sorbonne Nouvelle, 2012.

CANDIDO, Antonio. A literatura e a vida social. In: Literatura e sociedade. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2006[1995], pp. 27-49.

CERTEAU, Michel de. A escrita da história. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2002[1975].

CERTEAU, Michel de. História e psicanálise: entre ciência e ficção. Belo Horizonte: Autêntica, 2011[1987].

CHANTRAINE, Pierre. Dictionnaire étymologique de la langue grecque. Histoire des mots. Paris: Klincksieck, 1968‑1980.

CHARCOT, Jean-Martin. Grande histeria. Rio de Janeiro, RJ: ContraCapa/Rios Ambiciosos 2003[1887-1889].

DELEUZE, Gilles. Critique et clinique. Paris : Minuit, 1993.

DELEUZE, Gilles. Présentation de Sacher‑Masoch. Le froid et le cruel. Paris: Minuit, 2004[1967], p. 13.

DELEUZE, Gilles; PARNET, Claire. Dialogues. Paris: Flammarion, 1977.

FREUD, S. Uma neurose demoníaca do século XVII. In: Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. Vol. XIX. Rio de Janeiro, RJ: Imago, 1923, pp. 87-133.

FREUD, Sigmund. Tratamento psíquico (ou mental). In: Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. Vol. II. Rio de Janeiro: Imago, 1972[1890], pp. 296-316.

FREUD, Sigmund. El poeta y los sueños diurnos. In: Obras completas. Traducción del alemán por Luis López Ballesteros. Madrid: Biblioteca Nueva, 1973a[1908].

FREUD, Sigmund. Lo siniestro. In: Obras completas. Vol. III. Madrid: Biblioteca Nueva, 1973b[1919], pp. 2.483-2.505.

FREUD, Sigmund. Algumas reflexões sobre a psicologia do escolar. In: Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. Vol. XIII. Rio de Janeiro: Imago, 1976a[1914], pp. 281-282.

FREUD, Sigmund. A questão da análise leiga. In: Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. Vol. XX. Rio de Janeiro: Imago, 1976b[1926], pp. 203-293.

FREUD, Sigmund. Delírio e sonhos da Gradiva de Jensen. In: Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. Vol. IX. Rio de Janeiro: Imago, 1976c[1907], p. 93.

FREUD, Sigmund. Um estudo autobiográfico. Vol. XX. Rio de Janeiro: Imago, 1976d[1925], pp. 17-92.

FREUD, Sigmund. A história do Movimento Psicanalítico. In: Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud, vol. XIV. Rio de Janeiro: Imago, 1980[1914], pp. 23-24.

FREUD, Sigmund. Algumas reflexões sobre a psicologia do escolar. In: Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. Vol. XIII. Rio de Janeiro: Imago, 1986[1914], pp. 281-288.

FREUD, Sigmund. Além do princípio de prazer. In: Além do princípio de prazer, psicologia de grupo e outros trabalhos. Vol. XVIII. Rio de Janeiro: Imago, 2006a[1920], pp. 11-85.

FREUD, Sigmund. Os chistes e a sua relação com o inconsciente. Vol. VIII. Rio de Janeiro: Imago, 2006[1905].

FREUD, Sigmund. O estranho. In: Uma neurose infantil e outros trabalhos. Vol. XVII. Rio de Janeiro: Imago, 2006b[1918-1919], pp. 271-318.

FREUD, Sigmund. Sobre a psicopatologia da vida cotidiana. Vol. VI. Rio de Janeiro: Imago, 2006c[1901].

FREUD, Sigmund. Estudos sobre a histeria. Obras completas. Vol. 2. São Paulo: Companhia das Letras, 2016d[1893-1895], p. 231.

FREUD, Sigmund. Fragmentos da análise de um caso de histeria. In: Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. Vol. VII. Rio de Janeiro, RJ: Imago, 1972[1890], pp. 1-119.

LACAN, Jacques. O seminário, livro 5: As formações do inconsciente. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1999[1957-1958].

LACAN, Jacques. Le séminaire Livre X, L’Angoisse. Paris: Éd. du Seuil, 2004[1962-1963].

LACAN, Jacques. Estou falando com as paredes: conversas na Capela de Sainte-Anne (1971-1972). Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2011[1971-1972].

MAUPASSANT, Guy de. Le Horla. Paris: Paul Ollendorff éditeur, 1887a.

MAUPASSANT, Guy de. Notre coeur. Paris: Paul Ollendorff éditeur, 1887b.

MAUPASSANT, Guy de. Pierre et Jean. In: Œuvres complètes illustrées de Guy de Maupassant. Paris: Librairie Paul Ollendorff, 1902.

MAUPASSANT, Guy de. Une vie. L’humble vérité. In: Œuvres complètes de Guy de Maupassant. Paris: Louis Conard libraire-éditeur, 1908.

MAUPASSANT, Guy de. Contes et nouvelles. Tome II. Paris: Gallimard, 1979. (L. Forestier éd./Bibliothèque de la Pléiade)

MAUPASSANT, Guy de. Le Horla et autres récits fantastiques. Paris: Livre de Poche, 2000.

MOZIN, D.-J.; BIBER, J. Th.; HÖLDER, M. Nouveau dictionnaire complet à l’usage des Allemands et des Français. Partie française. 2 vols. Stuttgart/Tübingen: J. G. Cotta, 1811‑1812.

PROUST, Marcel. Le Temps retrouvé. In: À la recherche du temps perdu. Vol. 7. Paris: Gallimard, 1980[1927].

ROBERT, Marthe. Roman des origines et origines du roman. Paris: Gallimard, 1977. (Col. Tel)

ROBERT, Marthe. A revolução psicanalítica. São Paulo: Perspectiva, 1978.

ROSENBAUM, Yudith. Literatura e psicanálise: reflexões. Revista FronteiraZ, São Paulo, n. 9, dez. 2012, pp. 227-234.

TODOROV, Tzvetan. O estranho e o maravilhoso. In: Introdução à literatura fantástica. São Paulo: Perspectiva, 1975[1970], pp. 47-63.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2022 Licença Creative Commons

Downloads

Não há dados estatísticos.