Trajetórias do patrimônio cultural e os sentidos dos seus usos em Paraty (RJ)

Autores

  • Maria Tereza Duarte Paes Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

DOI:

https://doi.org/10.20396/resgate.v23i30.8645810

Palavras-chave:

Refuncionalização turística. Sítios coloniais. Paraty, Rio de Janeiro

Resumo

A preservação dos sítios coloniais no Brasil, quer tenha sido pelo seu abandono ou pela institucionalização do tombamento, serviu de âncora para a refuncionalização turística e ascensão econômica de inúmeras cidades brasileiras nas últimas décadas, processo que deve atentar para as articulações necessárias entre patrimônio cultural, valorização turística e planejamento territorial. Nesse sentido, partimos do pressuposto de que o processo de patrimonialização, ou a revalorização de sítios históricos já anteriormente tombados, tem caminhado pari passu ao processo de renovação urbana e de turistificação destas áreas, tema que será abordado aqui a partir do argumento empírico de Paraty, Rio de Janeiro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Tereza Duarte Paes, Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

Geógrafa pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1985), Mestre em Sociologia pela Universidade Estadual de Campinas (1992) e Doutora em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Campinas (1999). É professora da Universidade Estadual de Campinas desde 1994 (no Departamento de Sociologia/IFCH) e, a partir de 1999, no Departamento de Geografia/IG. Em 2007 realizou Pós-Doutorado em Geografia, com bolsa da CAPES, na Université de Pau et des Pays de L'Adour, na França, no Laboratoire Société Environnement Territoire (IRSAM/SET). Atua nas áreas de pesquisa sobre patrimônio cultural, turismo e meio ambiente urbano, e coordena o Grupo de Pesquisa "Geografia, Turismo e Patrimônio Cultural". Foi conselheira do CONDEPHAAT pela Unicamp (2008-2010), coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Geografia (IG/Unicamp, 2008-2010) e Presidente da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Geografia (ANPEGE, 2011-2014). É pesquisadora do CNPq - PQ 2008.

Referências

BONDUKI, Nabil. Intervenções urbanas na recuperação de Centros Históricos. Brasília: Programa Monumenta/Iphan, 2010. 375 p.

BORJA, J.; CASTELLS, M. Local y global. La gestión de las ciudades en la era de la información. United Nations for Human Settlements (Habitat). Madrid: Taurus/Pensamiento, 1997.

BRASIL. Decreto nº 58.077, de 24 de março de 1966. Converte em monumento nacional o município fluminense de Paraty e dá outras providências. Disponível em: http://portal.iphan.gov.br/uploads/legislacao/Decreto_n__58.077_de_24_de_marco_de_1966.pdf. Acesso em: set. 2015.

BRASIL. Ministério das Cidades. Manual de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Brasília: Ministério das Cidades, 2008.

BRASIL. Ministério das Cidades. Política de reabilitação de áreas urbanas centrais. In: Cadernos MCidades/Programas Urbanos – Planejamento territorial urbano e política fundiária – 3. Brasília: Ministério das Cidades, 2004. p. 69-84.

BRASIL. Ministério das Cidades. Reabilitação de centros urbanos. Brasília: Ministério das Cidades, 2005. 84 p. n. 3.

CAMARGO, C.P.M.P. Territorialidades caiçaras do tempo de antigamente ao tempo de hoje em dia em Paraty, RJ – Vila Oratório, Praia do Sono, Ponta Negra e Martin de Sá. 2013. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas. 2013.

CARTA DE VENEZA. 1964. Disponível em: http://portal.iphan.gov.br/uploads/ckfinder/arquivos/Normas%20de%20Quito%201967.pdf. Acesso em: set. 2015.

CHUVA, Márcia R.R. Os arquitetos da memória – sociogênese das práticas de preservação do patrimônio cultural no Brasil (anos 1930-1940). Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2009.

COSTA, Nilson do Rosário. A questão sanitária e a cidade. NERU - Espaço e Debates, São Paulo, v. 7, n. 22, p. 5-25, 1987.

CURY, Isabelle. Paraty. In: PESSÔA, J.; PICCINATO, G. Atlas dos centros históricos do Brasil. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2002. p. 178-185.

DIÁRIO DO VALE. Seis cidades da região vão receber recursos do PAC das Cidades Históricas. Volta redonda, 19 mar. 2010. Disponível em: http://www.diariodovale.com.br/noticias/0,18553,Seis-cidades-da-regiao-vao-receber-recursos-do-PAC-das-Cidades-Historicas.html#ixzz3mslfEsfN. Acesso em: set. 2015.

FOLHA DO LITORAL COSTA VERDE. DLIS Agenda 21. Disponível em: http://folhadolitoralcostaverde.com/wordpress/?page_id=250. Acesso em: set. 2015.

GURGEL, H.; AMARAL, E. Paraty, Caminho do Ouro. Rio de Janeiro: Editora Bertrand, 1973.

IBGE. 2010. Cidades. Rio de Janeiro. Paraty. Censo Demográfico 2010. Disponível em: http://www.cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?lang=&codmun=330380&search=rio-de-janeiro|paraty. Acesso em: 30 jul. 2015.

INSTITUTO HISTÓRICO E ARTÍSTICO DE PARATY (IHAP). Carta de Paraty, Rio de Janeiro, 2011.

IPHAN. Processo de Tombamento nº 563, T-57. Inscrição: Conjunto Arquitetônico e Paisagístico do Município de Paraty, Estado do Rio de Janeiro, 1958.

KUHL, Beatriz Mugayar. Conservação e restauração - Notas sobre a Carta de Veneza. Anais do Museu Paulista: História e Cultura Material, São Paulo, v. 18, n. 2, 2010.

LAZZAROTTI, Olivier. Patrimoine et tourisme: Histoires, lieux, acteurs, enjeux. Paris: Éditions Belin, 2011. 302 p. (Tourisme).

LEAL, C.F.B. (Org.). As missões da UNESCO no Brasil: Michel Parent. Rio de Janeiro: Editora, 2008. 343 p. (Série: Pesquisa e Documentação do IPHAN).

LUCHIARI, M. T. D. P. A reinvenção do patrimônio arquitetônico no consumo das cidades.GEOUSP – Espaço e Tempo, São Paulo, n. 17, p. 95-105, 2005.

LUCHIARI, M. T. D. P. Urbanização Turística: um novo nexo entre o lugar e o mundo. In: SERRANO, C.M.T.; BRUHNS, H.T.; LUCHIARI, M.T.D.P. (Orgs.). Olhares contemporâneos sobre o turismo. Campinas: Papirus, 2000. p. 105-130. (Coleção Turismo).

MORAES, Camila. Quando as luzes se apagam em Paraty. El País, Paraty, 5 jul. 2015. Disponível em: http://brasil.elpais.com/brasil/2015/07/04/politica/1436039196_544016.html. Acesso: set. 2015.

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS (OEA). Normas de Quito. 1967. Reunião sobre conservação e utilização de monumentos e lugares de interesse histórico e artístico. Disponível em: http://portal.iphan.gov.br/uploads/ckfinder/arquivos/Normas%20de%20Quito%201967.pdf. Acesso em: 30 jul. 2015.

PADILHA, M. do N. Espaço público e patrimônio histórico em Paraty, RJ: entre o espaço do cidadão e o espaço do turista. 2011. Tese (Doutorado em Geografia) – Universidade Federal Fluminense, Niterói. 2011.

PAES, M.T.D. Refuncionalização turística de sítios urbanos históricos no Brasil: das heranças simbólicas à reprodução de signos culturais. Revista Geografia, Rio Claro, v. 37, n. 2, p. 319-334, 2012.

PARATY. Câmara Municipal. Lei Complementar nº 020/2004. Institui o Plano Diretor de Desenvolvimento Turístico do Município de Paraty. Disponível em: http://www.paraty.rj.gov.br/camaraparaty/painel/Leis/2004/Lei_Complementar_20_2004.pdf. Acesso em : set. 2015.

PARATY. 2002. Prefeitura Municipal. Lei nº 1352, de 2002. Institui o Plano Diretor de Desenvolvimento Integrado do Município de Paraty. Disponível em: http://www.paraty.rj.gov.br/camaraparaty/painel/Leis/2002/Lei_1352_2002.pdf. Acesso em: set. 2015.

PARATY. Prefeitura Municipal. Pesquisa Hoteleira. Disponível: http://pmparaty.rj.gov.br/conteudo/acoeseprojetos/Pesquisa-Hoteleira.pdf. Acesso em: set. 2015b.

PARATY. Prefeitura Municipal. Saneamento. Disponível em: http://pmparaty.rj.gov.br/page/servicosdetalhes. aspx?tipo=saneamento-basico. Acesso em: set. 2015a.

PARATY. Prefeitura Municipal. Secretaria de Turismo e Cultura. Solving Consultoria em Turismo. Ibama. IEF (RJ). Sebrae (RJ). S.O.S. Mata Atlântica. TurisRio. Plano de desenvolvimento turístico do Município de Paraty – Inventário Turístico. Rio de Janeiro: Companhia de Turismo do Estado do Rio de Janeiro, 2003.

PEET, Richard. A produção cultural de formas econômicas. Experimental, São Paulo, ano 2, n. 3, p.117-136, 1997.

PLANO DE GESTÃO. Paraty Patrimônio da Humanidade – Versão Preliminar. Grupo de Trabalho da Comissão Permanente Pró Sítio do Patrimônio Mundial de Paraty, RJ, 2008.

PORTAL BRASIL. BNDES patrocina 9° edição da Festa Literária Internacional de Paraty (RJ). Disponível em: http://www.brasil.gov.br/cultura/2011/07/bndes-patrocina-9b0-edicao-da-festa-literaria-internacional-de-paraty-rj. Acesso em: set. 2015.

RIBAS, Marcos C. A história do Caminho do Ouro em Paraty. Rio de Janeiro: Grupo Contadores de Histórias/Contest Produções Culturais, 2003.

SANT’ANNA, M. A. Recuperação do Centro Histórico de Salvador: Origens, Sentidos e Resultados. Rua – Revista de Arquitetura e Urbanismo, Salvador, n. 8, p. 8-59, 2003.

SCHWARCZ, L. M.; STARLING, H. M. Brasil: uma biografia. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

SOARES, Beatriz Tsung Lima. Relatório de campo para Disciplina GF 702 – Meio Ambiente Urbano. Bacharelado em Geografia, Instituto de Geociências, Universidade de Campinas, 2013.

TEMPORADA LIVRE. Saiba mais sobre a vida cultural de Paraty, Rio de Janeiro, 5 ago. 2015. Disponível em: http://www.temporadalivre.com/blog/saiba-mais-sobre-vida-cultural-de-paraty-rio-de-janeiro. Acesso em: set. 2015.

YÚDICE, George. A conveniência da cultura – usos da cultura na era global. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2013. (Coleção Humanitas).

Downloads

Publicado

2015-12-23

Como Citar

PAES, M. T. D. Trajetórias do patrimônio cultural e os sentidos dos seus usos em Paraty (RJ). Resgate: Revista Interdisciplinar de Cultura, Campinas, SP, v. 23, n. 2, p. 105–118, 2015. DOI: 10.20396/resgate.v23i30.8645810. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/resgate/article/view/8645810. Acesso em: 3 dez. 2021.