Banner Portal
Disrupção subjetiva e crítica social: surrealismo e imagens de pensamento benjaminianas
PDF

Palavras-chave

Surrealismo. Imagem de pensamento. História

Como Citar

MACHADO, Francisco de Ambrosis Pinheiro. Disrupção subjetiva e crítica social: surrealismo e imagens de pensamento benjaminianas. Filosofia e Educação, Campinas, SP, v. 8, n. 1, p. 92–111, 2016. DOI: 10.20396/rfe.v8i1.8643693. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rfe/article/view/8643693. Acesso em: 22 maio. 2024.

Resumo

A vanguarda surrealista, em suas manifestações literárias e artísticas dos anos 1920, explorava as imagens de caráter disruptivo como uma forma de transformar a arte e a vida cotidiana. Influenciado pelos surrealistas, Walter Benjamin, em seu livro Rua de mão única, publicado em 1928, elaborou um diagnóstico crítico de seu presente histórico e apontou o caminho para uma possível transformação do mesmo, explorando uma forma filosófico-literária que denominou imagem de pensamento (Denkbild). Pressupondo a fundamental influência do surrealismo nesta e em toda a obra posterior de Benjamin, o presente artigo, não obstante, tem como objetivo apresentar brevemente algumas diferenças importantes entre estas posturas, a saber: que as imagens de pensamento benjaminianas abordam de modo mais radical o vínculo das experiências disruptivas subjetivas com uma dimensão coletiva, histórica e social. A diferenciação destes dois casos de revalorização filosófica da imagem traz elementos importantes para se pensar o papel da imagem na educação e em que medida a própria imagem pode abrir espaço a uma crítica da sociedade do espetáculo e das mídias de massa em que vivemos.

https://doi.org/10.20396/rfe.v8i1.8643693
PDF

Referências

ARAGON, Louis. O Camponês de Paris. Rio de Janeiro: Imago, 1996.

BENJAMIN, Walter. Ensaios reunidos: escritos sobre Goethe. Trad. Mônica Krausz Bornebusch, Irene Aron, Sidney Camargo; supervisão e notas: Marcus Vinicius Mazzari. São Paulo: Editora 34, 2009.

BENJAMIN, Walter. Gesammelte Schriften, vol. I-VII. Ed. por Rolf Tiedemann e Hermann Schweppenhäuser. Frankfurt a. M.: Suhrkamp, 1991.

BENJAMIN, Walter. Passagens. Org. Willi Bolle; colaboração de Olgária Matos; trad. Irene Aron e Cleonice Paes Barreto Mourão. São Paulo: Imprensa Oficial; Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2006.

BENJAMIN, Walter. Rua de mão única. 4. ed. Trad. Rubens Rodrigues Torres Filho e José Carlos Martins Barbosa. São Paulo: Brasiliense, 1994.

BENJAMIN, Walter. Surrealismo: o último instantâneo da inteligência europeia. In: BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política. Trad. Paulo Sérgio Rouanet; Rev. Técnica Márcio Seligmann-Silva. 8. ed., revista. São Paulo: Brasiliense, 2012, p. 21-36.

BOLLE, Willi. Fisiognomia da metrópole moderna: representação da história em Walter Benjamin. São Paulo: Edusp, 1994.

BRETON, André. Manifestes du surréalisme. Paris: Gallimard, 1963.

BRETON, André. Manifestos do surrealismo. Trad. Sérgio Pachá. Rio de Janeiro: Nau, 2001.

COHEN, Margareth. Profane Illumination: Walter Benjamin ande the Paris of surrealist Revolution. Berkeley; Los Angeles; London: University of Califonia Press, 1993.

FÜRNKÄS, Josef. Image de penseé et miniature selon W. Benjamin. In: RAULET, G.; FÜRNKÄS, J. (Org.). Weimar: le tournant esthétique. Paris: Anthropos, 1988, p. 288-299.

LUSTY, Natalya. “Dream Kitsch”: Surrealism, Walter Benjamin, and the agency of the dream. In: LUSTY, Natalya; GROTH, Helen. Dreams and modernity: a cultural history. New York: Routledge, 2013, p. 121-147.

PINHEIRO MACHADO, Francisco. Dialética do esclarecimento em miniatura: a dominação da natureza em algumas imagens de pensamento de Walter Benjamin. Aceito para publicação em Agosto de 2015: Cadernos Walter Benjamin [on-line] http://www.gewebe.com.br/cadernos.htm.

RAULET, Gérard. Einbahnstrasse. In: LINDNER, Burkhardt (Org.). Benjamin Handbuch: Leben-Werk-Wirkung. Sttutgart; Weimar: Metzler, 2006, p. 359-373.

O periódico Filosofia e Educaçãoutiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.