A importância das humanidades na construção do conhecimento: perspectivas em Giambattista Vico

Palavras-chave: Engenho, Humanidades, Epistemologia

Resumo

O presente artigo abordará a construção do conhecimento em Giambattista Vico embasando-se no discurso De Nostri Temporis Studiorum. Com a troca da “imaginação” pela “racionalidade”, colocou-se de lado a engenhosidade humana, anulando assim a verossimilhança que fora negada por não apresentar verdades factuais levando à atrofia do engenho. O intuito aqui é analisar o desenvolvimento imaginativo proposto por Vico, gerando uma nova crítica. Conclui-se sobre uma possível epistemologia das humanidades, na qual cada sujeito possa, com seus próprios instrumentos, desenvolver um conhecimento menos “dogmático” e mais humano, partindo de um solo estável, qual seja, a história.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARISTÓTELES. 2000. Órganon. São Paulo, Nova Cultura, 197 p.

ARISTÓTELES. 2001. Ética à Nicômacos. 4ª ed., Brasília, Edt. UNB, 238 p.

BOTTURI, F. 2012. Embates da razão: mito e filosofia na obra de Giambattista vico (A ética de Giambattista Vico). Pg. 65 - 79. Humberto Guido e José M. Sevilla, EDUF, p. 65-.

CACCIATORE, G. 2007. Formas e figuras do engenho em Cervantes e Vico. In: H. GUIDO; J. M. SEVILLA; S. A. S. NETO. Embates da razão: mito e filosofía de Giambattista Vico. Uberlândia, EDUFU, p. 297-321.

CROCE, B. 1922. La filosofia de Giambattista Vico. Bari, Laterza & Figli, 350 p.

FERNANDÉZ, J. M. S. 2002. Tramos de Filosofia. Sevilla, Kronos, 119 p.

FOLHA DE SÃO PAULO. 2018. Nunca se escreveu tão errado e se interpretou tão mal. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/empreendedorsocial/2018/07/nunca-se-escreveu-tanto-tao-errado-e-se-interpretou-tao-mal.shtml?utm_source=facebook&utm_medium=social&utm_campaign=compfb. Acesso em 01/09/2018.

FRYE, N. 2017. A imaginação educada. Campinas, Vide Editorial, 134 p.

GUIDO, H. A. O. 2004. Giambattista Vico: a filosofia e a educação da humanidade. Petrópolis, Vozes, 128 p.

LEIS, H. R. 2005. Sobre o conceito de interdisciplinaridade. Caderno de pesquisa interdisciplinar em Ciências Humanas. 6(73): 2-23.

MARROU, H. I. 2017. História da Educação na antiguidade. Campinas, Kírion, 680 p.

NUNES, A. S. C. 2002. Arqueologia da Linguagem em Giambattista Vico. São Paulo, SP. Tese de doutorado. USP, 164 p.

SANTOS, A. C. 2012. Corpos, metáforas e deuses. In: H. GUIDO; J. M. SEVILLA; S. A. S. NETO. Embates da razão: mito e filosofía de Giambattista Vico. Uberlândia, EDUFU, p. 65-79.

SANTOS, V. C. 2002. O engenho segundo Vico. Campinas, SP. Dissertação de mestrado. Unicamp, 148 p

SANTOS, V. C. 2012. A propósito do lugar de Vico na modernidade. In: H. GUIDO; J. M. SEVILLA; S. A. S. NETO. Embates da razão: mito e filosofía de Giambattista Vico. Uberlândia, EDUFU, p. 157-178.

SANTOS, V. C. 2003. Vico e a ordem de estudos do seu tempo: a ligação entre Conhecimento e Ética. Educação & Sociedade, 24 (85): 1277-1294

SILVA, J. A. M. 2013. Vico e Descartes: Duas compreensões possíveis da modernidade. Campo Grande, UCDB, 79 p.

VEJA. 2018. O ensino médio vai mal na prova. Disponível em: https://veja.abril.com.br/educacao/o-ensino-medio-vai-mal-na-prova/. Acesso em: 01/09/2018.

VICO, G. 2002. Obras. Oraciones inaugurales. La antiquíssima sabiduría de los italianos. Barcelona, Anthropos Editorial, 323 p.

VICO, G. 1998. Autobiografia. Madrid, Siglo Veintiuno Editores, 189 p.

VICO, G. 2011.Princìpi di scienza nuova. Milano, Oscar Mondadori, 952 p.

Publicado
2019-09-11
Como Citar
Silva, J. A. M., dos Reis, Álisson M., & Maciel, J. de C. (2019). A importância das humanidades na construção do conhecimento: perspectivas em Giambattista Vico. Filosofia E Educação, 11(1), 195 - 217. https://doi.org/10.20396/rfe.v11i1.8654931