Uma análise sobre corpos periféricos, normais e anormais a partir do filme Pieles

Palavras-chave: Corpos periféricos, Anormal, Normal.

Resumo

Buscamos neste artigo realizar uma análise sobre os termos normalidade, anormalidade, corporalidade central e periférica através do filme “Pieles” (2017) do diretor espanhol Eduardo Casanova. Para realizar este trabalho utilizamos a metodologia bibliográfica e análise fílmica. Destarte, apresentamos a descrição sobre o filme e algumas personagens, desenvolvemos uma discussão teórica e fechamos com análises sobre o filme e as considerações finais. Concluímos que não são as diferenças corpóreas, sejam elas anomalias ou mutações congênitas que definem os lugares e funções desses corpos diferentes na sociedade, mas sim os padrões, normas e convenções construídas histórico-socialmente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leandro Faustino Polastrini, Universidade do Estado de Mato Grosso

Professor Assisnte na Universidade do Estado de Mato Grosso. Doutorando em Estudos de Cultura Contemporânea - Universidade Federal de Mato Grosso.

Luciene Neves, Universidade do Estado de Mato Grosso

Docente Adjunta na Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT), campus de Cáceres-MT, pesquisadora em estudos de sexualidade e gênero.

Referências

BÁRTOLO, José. Corpo e sentido: estudos Intersemióticos. Covilhã- Portugal: livros Labcom, 2007.

CANGUILHEM, Georges. O normal e patológico. 6ª edição. Tradução: Maria Thereza Redig de Carvalho Barrocas. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2009.

CARMELO, Bruno. Pieles A casa de bonecas deformadas. [2017-2018]. Disponível em: http://www.adorocinema.com/filmes/filme-241405/criticas-adorocinema/. Acessado em: 12 fev. 2019.

CAVALCANTE, Bruno. ‘Peles’, primeiro longa do espanhol Eduardo Casanova, surpreende e desconcerta o espectador, 2017. Disponível em https://www.blahcultural.com/critica-peles-primeiro-longa-do-espanhol-eduardo-casanova-surpreende-e-desconcerta-o-espectador/. Acessado em: 12 fev. 2019.

FERNANDES, Luis; BARBOSA, Raquel. A construção social dos corpos periféricos. Revista Saúde soc. vol. 25, n. 1, 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S010412902016000100070&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 12 fev. 2019.

FOUCAULT, Michel. Os anormais: curso no College de France (1974-1975). Tradução Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Tradução: Raquel Ramalhete. Petrópolis: Vozes, 1987.

HACKAQ, Gustavo. Crítica: nem os 50 tons de rosa escondem o lado obscuro do ser humano no bizarro "Peles", 2017. Disponível em: https://www.portalitpop.com/2017/04/critica-nem-os-50-tons-de-rosa-escondem.html. Acesso em: 12 fev. 2019.

PIELES. Direção: Eduardo Casanova. España: distribuidora Premium Cine, 2007.

PLATT, Adreana Dulcina. Constructo conceitual de normalidade / anormalidade (ou da adequação social). Revista Quaestio. Sorocaba - SP, v.16, n.1, 2014. Disponível em: http://periodicos.uniso.br/ojs/index.php/quaestio/article/view/1952. Acesso em: 12 fev. 2019.

ROCHA, Everaldo; RODRIGUES, José Carlos. Corpo e consumo: roteiro de estudos e pesquisa. São Paulo: Editora PucRio, 2013.

Publicado
2019-09-09
Como Citar
Polastrini, L. F., & Neves, L. (2019). Uma análise sobre corpos periféricos, normais e anormais a partir do filme Pieles. Filosofia E Educação, 11(1), 36 - 61. https://doi.org/10.20396/rfe.v11i1.8655090