Narrativas de estudantes de comunidades tradicionais no ensino superior

histórias de formação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rfe.v13i1.8657954

Palavras-chave:

Narrativas, Comunidades tradicionais, Ensino superior

Resumo

O artigo apresenta resultados de uma pesquisa que busca conhecer saberes e práticas de estudantes indígenas e quilombolas em uma universidade brasileira por meio da análise de narrativas na perspectiva fenomenológica-hermenêutica. Dois aspectos centrais foram identificados em seus relatos: diferenças entre modelos vivenciados na educação básica e no ensino superior; preconceitos sofridos por serem quilombolas ou indígenas. As histórias dos/as estudantes remetem a situações vividas individualmente durante o processo de formação e/ou a situações que dizem respeito a um grupo, uma etnia; revelam, ainda, que os contextos dos quais são oriundos/as têm sido alvo de descaso e desvalorização.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adriana Miranda Pimentel, Universidade Federal da Bahia

Coordenadora da Pesquisa e Docente do Instituto de Humanidades, Artes e Ciências Professor Milton Santos – IHAC/UFBA

Paulo Alberto Sobral de Moraes, Universidade Federal da Bahia

Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Estudos Interdisciplinares sobre a Universidade – EISU/UFBA.

Referências

BHABHA, Homi Kharshedji. O local da cultura. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2007.

BOURDIEU, Pierre. Escritos de educação. 12 ed. Petrópolis: Vozes, 2011.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases − Lei n.9394/96, de 20 de dezembro de 1996. Brasília−DF, 2005. Disponível em: https://bit.ly/3hS69he. Acesso em: 12/12/2019.

CASAL, Joaquim; GARCÍA, Maribel; MERINO, Rafael. Los sistemas educativos comprensivos ante las vías y los itinerarios formativos. Revista de Educación, 342, p. 213−237, enero−abril 2007.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano 1: artes de fazer. 9 ed. Petrópolis: Vozes, 2003.

CRITELLI, Dulce Mara. Para recuperar a educação: uma aproximação à ontologia heideggeriana. In: HEIDEGGER, Martin. Todos nós... ninguém: um enfoque fenomenológico do social. São Paulo: Moraes, 1981. p. 59−72.

DALL’ALBA, Gloria. Phenomenology and education: an introduction. Educational Philosophy and Theory, v. 41, n. 1, p. 7−9, 2009.

GIBBS, Paul et al. Preliminary thoughts on a praxis of higher education teaching. Teaching in Higher Education, v. 9, n. 2, p. 183−194, April 2004.

GILROY, Paul. O Atlântico Negro. 2. ed. São Paulo: Editora 34; Rio de Janeiro: Universidade Cândido Mendes, Centro de Estudos Afro-Asiáticos, 2012.

GONZALES, Alberto Durán et al. Fenomenologia heideggeriana como referencial para estudos sobre formação em saúde. Interface: Comunicação, Saúde, Educação, v. 16, n. 42, julho−setembro 2012.

INEP − Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo da Educação Superior: 2011 – Resumo Técnico, Brasília, abril 2013. Disponível em: http://www.inep.org.br. Acesso em: 21. 02. 2014.

JOVCHELOVITCH, Sandra; BAUER, Martin W. Entrevista narrativa. In: BAUER, Martin W.; GASKELL, George. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 2003.

PIMENTEL, Adriana Miranda; MORAES, Paulo Alberto Sobral de. Experiências biográficas: uso de narrativas na pesquisa com estudantes de comunidades tradicionais no ensino superior. In: VIII CONGRESSO IBERO−AMERICANO DE INVESTIGAÇÃO QUALITATIVA. Atas... Lisboa, 2019.

RABELO, Miriam Cristina Marcilio; SOUZA, Iara Maria de Almeida; ALVES, Paulo César Borges. Trajetórias, sensibilidades e materialidades: experimentações com a fenomenologia. Salvador: EDUFBA, 2012.

RICOUER, Paul. Narratividad, fenomenología y hermenéutica. Análisi: Quaderns de comunicació i cultura, n. 25, p. 189−207, 2000.

SANTOS, Boaventura de Sousa (Org.). Semear outras soluções: os caminhos da biodiversidade e dos conhecimentos rivais. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.

SANTOS, Boaventura de Sousa (Org.). A gramática do tempo: para uma nova cultura política. 3.ed. São Paulo: Cortez, 2010.

SANTOS, Dyane Brito Reis. Para além das cotas: a permanência de estudantes negros no ensino superior como política de ação afirmativa. 2009. 214 f. Tese (Doutorado em Educação) − Universidade Federal da Bahia, Salvador.

SILVA, Ariádila Santos Queiroz. Estudantes indígenas no ensino superior: um processo em construção na Universidade Federal da Bahia. Artigo apresentado ao Programa de Pós-Graduação em Estudos Interdisciplinares sobre a Universidade. Universidade Federal da Bahia, 2018. (Texto no prelo).

SODRÉ, Muniz. Claros e escuros: identidade, povo, mídia e cotas no Brasil. Petrópolis: Vozes, 2015.

SOUZA, Sidimara Cristina de, BRANDÃO, André Augusto Pereira. Política de titulação de terras quilombolas. In: VII JORNADA INTERNACIONAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS. Anais... São Luiz, 2015. Disponível em: http://www.joinpp.ufma.br/jornadas/joinpp2015/pdfs/eixo12/politica-de-titulacao-de-terras-quilombolas.pdf. Acesso em: 15/02/2019.

TAVARES, Manuel. A universidade e a pluridiversidade epistemológica: a construção do conhecimento em função de outros paradigmas epistemológicos não ocidentocêntricos. Revista Lusófona de Educação, n. 24, p. 49−74, 2013.

Downloads

Publicado

2021-05-14

Como Citar

PIMENTEL, A. M. .; MORAES, P. A. S. de. Narrativas de estudantes de comunidades tradicionais no ensino superior: histórias de formação. Filosofia e Educação, Campinas, SP, v. 13, n. 1, p. 1996–2019, 2021. DOI: 10.20396/rfe.v13i1.8657954. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rfe/article/view/8657954. Acesso em: 25 set. 2021.